febre de além

O que desejo ainda não tem nome

Brian Lima

Formado em Administração, continuo aprendendo para me sentir vivo. Intenso não é só adjetivo, é condição. "Ninguém pode calar dentro em mim essa chama que não vai passar".
[email protected]

A insustentável leveza do ser

Como frequentemente somos traídos por nossas ilusões de leveza, numa caçada insana por aquilo que nem sabemos o que é.


Pouco importa nossa liberdade para fazer escolhas; seremos prisioneiros das consequências. Há muito Pablo Neruda escreveu essas palavras, mas elas sempre serão verdadeiras; e parecem casar perfeitamente com o belíssimo romance de Milan Kundera que intitula este texto.

A insustentável leveza - Foto de Rafael Vascon - Modelo Rayana Eos - Blog Febre de Além - Brian Lima.JPG Rayana Eos em A insustentável Leveza/Foto Rafael Vascon.

A insustentável leveza do ser conta a história de 4 personagens que convivem com a dualidade que existe entre o peso e a leveza em todos os aspectos de nossas vidas, e nos mostra que nossas escolhas, geralmente feitas pelo que parece leve aos nossos olhos, acaba nos impondo um grande peso.

Escolhemos alguém para amenizar a solidão que é a vida, mas por vezes perdemos a solidão necessária para nos reinventarmos. Escolhemos não nos apegar a ninguém para “aproveitar” melhor a vida, mas perdemos os momentos que podíamos ter de troca, companheirismo e ternura. Decidimos conhecer pessoas novas, todos os dias, muitas vezes sem pretensões de duração, mas ignoramos que podemos marcar alguém de tal forma que este alguém deposite em nós suas possibilidades, e passemos a ser responsáveis por esse alguém;

assim como no livro de Kundera; assim como traduzido por Neruda. Será mesmo que as escolhas são o exercício da liberdade?

E o que dizer das expectativas que criamos, das palavras que postergamos, dos sonhos que deixamos pelo caminho, dos planos que sempre serão planos, das imensas possibilidades que abandonamos em detrimento de uma trilha; e o que dizer do caminho de volta? Buscamos incessantemente uma leveza que pode nos confrontar na primeira esquina, assim que nossa fortaleza de cartas começa a desmoronar com uma suave brisa. O livro narra a eterna busca de objetivos existenciais mesmo quando não conseguimos enxergar, vislumbrar ou imaginar esses objetivos.

Rua escura - A insustentavelleveza - Brian Lima.jpg

Kundera descreve em seu romance que a leveza é consequência de uma vida encarada de maneira descomprometida, gozando de uma liberdade sem raízes, assim como na vida. E quando escolhemos estamos assumindo o risco de alcançar a leveza ou de experienciar o arrependimento que pode advir do abandono de uma opção, da faculdade entre o peso e a leveza.

Rosas ao vento - Ainsustentavelleveza - Brian Lima.jpg

Sendo assim, não estamos livres dos pesos, pois a própria leveza pode nos levar a ele. O que podemos e devemos saber é que a vida não é um ensaio. O tempo é pouco. As possibilidades são muitas. Então nos apressemos, não em busca da leveza ou para evitar as escolhas difíceis; lutemos para viver apenas e para não ter gravado em nossas lápides, mesmo que metaforicamente, as belas palavras do Kundera: “O seu drama não era o drama do peso, mas o da leveza. O que se abatera sobre ela não era um fardo, mas a insustentável leveza do ser."


Brian Lima

Formado em Administração, continuo aprendendo para me sentir vivo. Intenso não é só adjetivo, é condição. "Ninguém pode calar dentro em mim essa chama que não vai passar". [email protected] .
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/literatura// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Brian Lima