febre de além

O que desejo ainda não tem nome

Brian Lima

Formado em Administração, continuo aprendendo para me sentir vivo. Intenso não é só adjetivo, é condição. "Ninguém pode calar dentro em mim essa chama que não vai passar".
[email protected]

"A revolução não será (apenas) tuitada"

Qual o papel de cada um no mundo virtual para transformação da sociedade e como podemos estabelecer conexões fortes que vão além da vitrine.


Nota: O título desse texto é uma menção a um excelente artigo que fala sobre a fraqueza das relações virtuais. Vale à pena ler (http://observatoriodaimprensa.com.br/e-noticias/a-revolucao-nao-sera-tuitada/)

v-for-vendetta-0.jpg

Uma vez ouvi um mestre que me é muito caro dizer que o que importa não é ser o mais curtido e sim o mais interessante.

Guardei isso comigo e desde então procuro fazer dos momentos das pessoas em rede, intervalos melhores, seja através de poemas, músicas, crônicas, imagens ou videos. Acredito que as redes sociais são mais que pontos de encontro de jovens e adultos buscando espaço e voz. As redes sociais são armas. Armas de uma revolução que estamos vivendo. Acredite ou não, enxergue ou não, o mundo está passando por uma mudança tão drástica quanto a que vivemos na transição da idade média para a moderna.

revolution.jpg

E isso está a nossa volta. Está na maneira de pensar dos adolescentes que não mais hipotecam a vida para o futuro, ou passam mais tempo planejando do que vivendo. A consciência da morte fez com que o homem se percebesse no mundo, no universo, como um intervalo. Não pedimos pra nascer, e certamente morreremos, e esse intervalo é uma dádiva. Não controlamos ele, mas certamente podemos fazer algo para torna-lo útil para o todo. Não somos mais uma sociedade em linha onde tudo tem uma razão e culpados. Estamos interligados. Quantas coisas já não começaram no mundo virtual e foram para as ruas? o quanto podemos mudar o mundo refletindo e debatendo através do computador?

Quando nascemos, nós os humanos, nos separamos do jogo chamado vida, olhamos ele de fora e depois retornamos a ele ao fim. Essa consciência de si mesmo nos torna diferentes dos animais. Não somos, ou não seremos mais uma sociedade que vê o futuro como um carro na garagem e uma bela casa com vista pro mar; vemos o futuro com temperaturas mais altas, derretimento das calotas polares, escassês de alimentos e queremos ser "felizes" agora. E o que é ser feliz?

E isso tudo que estamos vivendo, essa revolução, depende dos conceitos, das atitudes, da ética e da vontade de como você enxerga a vida.

Se eu pudesse desejar algo a todos nós, é que possamos viver mais. Que nós possamos querer agora, e deixar o futuro no seu lugar; que nós possamos entender que não temos um corpo, nós somos o corpo. Percebemos absolutamente tudo através dos sentidos, e nosso cérebro não é nada além de um processador. Nada, absolutamente nada se origina nele. Sendo assim, pra que continuarmos a ser essa massa de cérebro obesa e corpo raquítico?

poetas.jpg

Não quero dizer que nós pensamos muito bem. Não. Nós pensamos muito, mas mal. Queremos resolver problemas afetivos com a razão. Isso é absurdo. As pessoas estão com medo de amar. Com vergonha de amar. Com vergonha de envelhecer! A velhice nada mais é do que a prova de que você teve a oportunidade de viver! viver vários anos. Cabe a cada um de nós escolher como levar essa vida. Lembrem de uma coisa: nascer não confere vida a ninguém. Vida só tem quem quer ter. Então escolha viver. Cante mais, escreva, mesmo que para você saiam coisas horríveis, toque instrumentos, se banhe na chuva, diga mais EU TE AMO, sinceramente.

Faça da vida em rede, a melhor vida para todos.


Brian Lima

Formado em Administração, continuo aprendendo para me sentir vivo. Intenso não é só adjetivo, é condição. "Ninguém pode calar dentro em mim essa chama que não vai passar". [email protected] .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Brian Lima