fotoverbese

Uma paixão pela fotografia, outra pela palavra.

Andressa Barichello

Acredita na possibilidade infinita da palavra, sempre [des]construtora. É autora de "Crônicas do Cotidiano e Outras Mais" (Scortecci Editora, 2014) e co-fundadora do projeto cultural fotoverbe-se.com

Sinceridade demais é exagero

Um pouco de verniz ao dizer o que se pensa!


DSCN0164.jpg (Foto: Fotoverbe-se.com)

Sinceridade. A gêmea boa do equívoco, da insensatez, da falta de noção. Ser sincero é ser fiel ao que se pensa ou sente, e assim transparecer. Coisa bem diferente de trazer ao mundo exterior um retrato fiel do que dá na telha. Sinceridade começa mesmo é lá no mundo interior. Quantas vezes no calor das emoções ou em uma discussão damos o nome de sinceridade ao despeito, a mágoa, a frustração, confundindo alhos com bugalhos? Ser sincero não é flechar alguém com o veneno que vai no nosso íntimo. Quando nos damos conta disso, ainda vá lá. É tempo de uma qualquer conversa, é no mínimo exercício de auto crítica. Do contrário, corre-se o risco da pretensa sinceridade deixar de meramente dizer para demandar incessantemente - do outro. Intolerância, a própria. Além de aprender a dizer um "não", é bom aprender a ouvi-lo de vez em quando. Comunicar de forma menos aguda e mais descompromissada, não é ser menos fiel, não é ser menos sincero – é deixar que outras verdades venham a tona, sejam as nossas – as da ponderação, ou aquelas do destinatário. Constranger e coagir é fracasso. Sinceridade disparada é bala perdida, é tiro errado - e fatal. Quando não é tiro no pé! Sinceridade não tem nada a ver com falta de educação ou gentileza. E também não precisa fazer as vezes de uma descarga elétrica para ser emitida e percebida. Um pouco de verniz nunca fez mal a ninguém. Dissimulada, falsa, mentirosa? Que nada. É que no tempo da delicadeza de Chico, até as mentiras sinceras de Cazuza me interessam.


Andressa Barichello

Acredita na possibilidade infinita da palavra, sempre [des]construtora. É autora de "Crônicas do Cotidiano e Outras Mais" (Scortecci Editora, 2014) e co-fundadora do projeto cultural fotoverbe-se.com.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Andressa Barichello