mariamariaalice

Cheia de opinião e não muito articulada. Apaixonada por gatos, relações interpessoais, retratos e geleia de maçã. Amo rock, leio clássicos, mas depois da segunda cerveja danço Backstreet Boys e falo sobre astrologia.

O eterno discurso pseudo-feminista que ninguém mais aguenta ouvir

As mulheres precisam entender que enquanto nós mesmas colocarmos diferenças entre o sexo feminino e masculino, nunca conseguiremos a igualdade que tanto buscamos. Usar salto alto não nos faz superior a ninguém, seja homem ou mulher. Até porque, queridas, tem muita mulher que da muito duro por aí usando tênis ou sapatilha a semana inteira.


e8eebe548b0803b4e0cbe8f6102c7117.jpg

Semana passada li um texto absurdo, daqueles que chega a dar vergonha alheia de quem escreveu tamanha baboseira ali relatada. Tratava da “incrível geração de mulheres que foi criada para ser tudo... o que um homem não quer. Não sei nem por onde começar a falar tudo que eu discordo neste título.

Vamos pelo mais óbvio. Que insistência é essa em precisar afirmar seu posicionamento no mundo comparando-se aos homens? Entendo e concordo que ainda existe muito preconceito embutido nas pessoas por aí, ainda há muito a ser combatido. Entendo também que existe uma questão de direitos iguais, precisamos ter o mesmo respeito que o sexo masculino já tem. Até pouquíssimo tempo atrás, ser mulher era sinônimo de fraqueza, de não ter voz ativa. Mas precisamos admitir que cada vez mais estamos conquistando (e muito bem) nosso próprio espaço no mundo, e isso vai muito além de ser melhor ou pior que os homens. A questão é sermos donas de nossas próprias decisões, de nosso próprio espaço. É ter uma voz digna de atenção, como toda e qualquer pessoa. Não da pra buscar a igualdade ressaltando diferenças. Nós não temos que usá-los de exemplo positivo ou negativo. Nem achar que usar salto alto nos faz melhores, muito menos mais frágeis.

Feminismo-palabra-960x623.jpg

Lá pelas tantas, a autora do texto escreve que o homem dos sonhos dela procura uma mulher que não cozinhe, não dependa de ninguém, trabalhe muito, estude sempre, dirija bem, entenda de finanças e imposto de renda, seja segura de si e, pelo visto, tenha bolha nos pés porque (como sempre) faz tudo que um homem faz e ainda por cima de salto alto. Ela comenta, ainda, que acha que nenhum homem seria capaz de ficar ao lado dela, com sua caixa de e-mails lotados, jantar marcado com as amigas, bolsa pesada, palavrões e seu gosto por cerveja e esportes.

Moça, acho que você está convivendo com os homens errados. E talvez quem está atraindo isso seja você mesma.

Usar salto alto não te faz melhor que ninguém, até porque tem muita mulher que batalha diariamente por aí usando sapatilhas. Você não tem que levar sua vida pensando se o rapaz dos seus sonhos está ou não preparado para o seu sucesso. Se for mesmo uma pessoa legal, ele vai amar que você seja bem sucedida, companheira e sincera a ponto de soltar um xingamento ou outro por aí. Ele também vai ter futebol com os amigos, um trabalho bacana e academia às terças e quintas à noite. Vidas conjuntas e independentes, sabe? E isso não vai te impedir de querer cozinhar pra ele num sábado à noite, em vez de exigir que ele te leve a um restaurante chique. Ou dar risada das meias sujas de barro do futebol enquanto coloca na máquina para lavar. Isso não é machismo, isso é carinho. Dar satisfações a alguém de quem se gosta não é sinônimo de submissão. Costurar é arte, e ser feminista também significa se permitir gostar do seu lado mulherzinha, seja ele qual for. Defender os direitos femininos é saber apreciar todas essas coisas que você comenta com verdadeira repulsa nas palavras. Não tem problema nenhum em querer ser mãe, pintar as unhas toda semana, ser delicada e gostar de uma proteção masculina de vez em quando.

valendo3.jpg

Você pode ter a vida que quiser, moça. Dona de casa ou empresaria. Meiga ou desbocada. Mãe de família ou solteira. Se você optar por não depilar as pernas, compreenda sem julgar quem alinha as sobrancelhas semanalmente. Ser feminista é buscar a igualdade entre mulheres e homens, respeitando todas as diferenças que existem entre um e outro. E enquanto você insistir em levar a vida em função do que os homens querem ou não, ou comparando-se a eles o tempo inteiro, seu discurso vai estar um tanto quanto contraditório e sem fundamento.


mariamariaalice

Cheia de opinião e não muito articulada. Apaixonada por gatos, relações interpessoais, retratos e geleia de maçã. Amo rock, leio clássicos, mas depois da segunda cerveja danço Backstreet Boys e falo sobre astrologia..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //mariamariaalice