Marco Ribeiro

"A vida não é um poema."

Sobre a rejeição


6739-1600.jpg

Sobre a rejeição

Quando pensamos em rejeição, costumamos associá-la com algo negativo, perverso, digno de alguém sem sentimentos e com fortes tendências maquiavélicas. Temos o falso entendimento de que ser rejeitado é o mesmo que ser descartado, ignorado, colocado de canto como aquele livro velho e lido diversas vezes.

Entretanto, se formos vasculhar na sua essência, perceberemos que isso não deixa de ser um mecanismo de defesa. O que contraria o argumento de quem crê na ideia de que trata-se apenas de um ato covarde e imperdoável.

É notório o fato de que em algum momento da vida, todo ser humano passará por uma rejeição em maior ou menor grau e que infelizmente terá que aprender a lidar com tal realidade e engolir o choro de vez. Afinal não existe outra forma de lidar com as decepções da vida, senão as encarar de frente e negar qualquer forma de submissão à dor ou sofrimento. Não podemos abrir mão de nossa realização pessoal utilizando o vitimismo como justificativa. E não foi só porque fomos rejeitados em algum momento da vida por alguém, que devemos perder as esperanças e nos fechar para o mundo. A vida segue e a fila anda.

Lógico que a rejeição é tão dolorosa quanto expelir uma brita pela uretra - quem tem pedra nos rins sabe a que me refiro - mas isso não implica em melindrar-se e com relação à vida e as possibilidades de um recomeço, pois receber um "NÃO" efetivamente não é o fim do mundo. Faz parte da vida e temos que aprender a lidar com isso sem fazer tempestade em copo d'água. É preferivel receber um pé numero 50 no traseiro a viver comodamente uma vida cheia de faz de conta.

Precisamos exercitar a habilidade da resiliência e aprender a lidar com as frustrações, sem fazer de nossas vidas uma novela mexicana repleta de choramingos, dramalhões onde o protagonista busca sempre jogar a responsabilidade sobre os ombros de alguém. Assumir responsabilidades é essencial neste processo.

E lembre-se: Jamais compartilhe uma vida ao lado de alguém que esteja com você por pena, conveniência ou qualquer outro motivo que não seja a plenitude de uma relação verdadeira e sincera.

Se até aqui você compreendeu a mensagem, então reflita sobre o que de fato quer da vida, pois infelizmente emburrecemos quando estamos conectados a alguém, ainda que esta pessoa não vibre na mesma sintonia e não tenha os mesmos objetivos. Ainda assim, costumamos persistir no erro e acabamos por sufocar o outro com nossos anseios e desejos de uma vida plena de fantasias e sonhos, que na verdade habitam somente em nosso imaginário. Para desespero de todos à nossa volta.

Enquanto isso, seu parceiro aguarda ansiosamente pela oportunidade de livrar-se de vez do problema e fechar aquele grande acordo de rescisão de contrato, no qual ele entra com o pé e você com o traseiro. Nestes casos, um pouco de semancol não será prejudicial, pois comunicar-se de forma clara e sincera não é uma opção.

Agora se você é do tipo que pensa ter o certificado de propriedade da pessoa pela qual jura amor eternos, então sinto dizer que está cavando a própria sepultura. Sentimentos de posse, carência afetiva, dependência emocional, sexo e filhos infelizmente não seguram parceiros e tais justificativas só servem como justificativa para ocultar o medo de receber um não e ter que lidar com o ego ferido, além de ser um excelente repelente de pessoas.

Ser rejeitado é parte do ciclo natural da vida e em hipótese algumas devemos tomar isso como pretexto para agir de forma irracional ou reduzir nossa autoestima a um nível que impeça de seguirmos em frente. Não somos obrigados a nada, nem mesmo a amar alguém só para lhe preencher o ego ou obriga-lo a nos amar de forma restritiva. Não devemos exigir amor, pois amor é para ser sentido, não inventado.

Então se for rejeitado, lembre-se de que esta pode ser a oportunidade de se redescobrir e valorizar ainda mais sua existência. Aposte nisso e poderá surpreender-se ao descobrir o tamanho do potencial que há dentro de você.

Basta abrir o coração e a mente!

Marco Ribeiro


Marco Ribeiro

"A vida não é um poema.".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/Comportamento// @obvious, @obvioushp //Marco Ribeiro