horizonte de eventos

De onde dizem que nem mesmo a luz consegue escapar...

Alexandre Beluco

Engenheiro, pesquisador, professor universitário. Especialista em energias renováveis. Apaixonado por motores de dois tempos

o osca 1600 gt é um clássico cupê italiano dos anos 50-60

A OSCA foi uma fabricante italiana de automóveis de corrida e esportivos que operou entre 1947 e 1967. Foi uma iniciativa de três dos irmãos Maserati e durante os anos 50 participou da Fórmula 1. Um de seus esportivos mais interessantes foi o Osca 1600 GT, em cinco configurações diferentes, com carrocerias fornecidas entre outros por Fissore, Touring e Zagato.


A Officine Specializzate Construzioni Automibili - Fratelli Maserati S.p.A., ou OSCA, foi fundada em 1947 e operou até 1967 produzindo componentes mecânicos para automóveis esportivos e participando como equipe em corridas de Fórmula 1 durante os anos 50. Foi fundada pelos irmãos Maserati após terem negociado sua empresa e foi depois vendida por eles em 1964.

O objetivo da empresa sempre foi a produção de componentes mecânicos visando competições e seus esportivos foram produzidos em quantidades bastante pequenas, fazendo com que atualmente sejam bastante raros e procurados por colecionadores. Preocupando-se com a parte mecânica, entregavam a fabricação da carroceria a empresas especializadas, como a Touring e outros.

No final dos anos 50 e início dos anos 60, após a produção de alguns modelos e a atuação em conjunto com outros fabricantes, a OSCA lançou seu modelo 1600 GT. A OSCA produzia a parte mecânica e a carroceria era idealizada e produzida por cinco diferentes empresas italianas especializadas ao longo dos anos. A produção ocorreu entre 1960 e 1963 e se restringiu a 128 exemplares.

Os três encarroçadores mais famosos envolvidos com a produção do 1600 GT foram Fissore, Touring e Zagato, com carrocerias também produzidas por Bonechi e Morelli. O modelo produzido pelos Fissore apresenta uma forte semelhança com o modelo de passeio produzido anos depois no Brasil pela Vemag, com mecânica de dois tempos. O modelo produzido por Zagato certamente serviu de inspiração, pela semelhança de linhas, para o desenvolvimento do esportivo brasileiro GT Malzoni.

O coração desses cupês era o motor desenvolvido pela própria OSCA, com capacidade de 1.568 cc e aproximadamente 100 CV de potência, com duplo comando de válvulas no cabeçote. Era um desenvolvimento de motores anteriores, utilizados em projetos para clientes como a Fiat em alguns de seus modelos. A OSCA produzia também os chassis e outros componentes mecânicos.

osca-fissore-01.jpg Dianteira do OSCA 1600 GT Fissore.

O OSCA Fissore tinha linhas muito fluidas e aerodinâmicas, com uma entrada de ar baixa e disposta entre os faróis dianteiros, duplos, características comuns aos cupês esportivos do final dos anos 50 e início dos 60. Nessa época, o desenho do habitáculo, que abrigava confortavelmente dois adultos apenas nos assentos dianteiros, também era bastante característico dessas "berlinetas".

osca-fissore-02.jpg Traseira do OSCA 1600 GT Fissore.

A semelhança com o Fissore produzido no Brasil aparece nas linhas externas e no painel e interior de um modo geral. Nessa mesma época, a Carrozzeria Fissore apresentava seu projeto de um sedã de quatro lugares à Vemag, que produzia os DKWs sob licença e já procurava alternativas para modernizar seus produtos. Aqui, o Fissore foi apresentado em 1962 e produzido a partir do final de 1963.

osca-fissore-03.jpg Painel e interior do OSCA 1600 GT Fissore.

Essa versão do OSCA 1600 GT é bastante rara atualmente, com apenas 24 exemplares produzidos entre os 128 produzidos. Recentemente, um desses 24 exemplares foi vendido pela Bonhams por cerca de 70.000 euros. Esse exemplar era um matching numbers, com número de chassis igual ao número do bloco do motor. Era o exemplar #103 dos 128 produzidos. Este exemplar pode ser visto no site da Bonhams.

osca-zagato-01.jpg Dianteira do OSCA 1600 GT Zagato.

O OSCA Zagato tinha linhas mais esportivas que o OSCA Fissore, efetivamente com apenas dois lugares, com as linhas traseiras em fastback e o painel traseiro com linhas arredondadas e quatro lanternas, duas de cada lado, dispostas uma sobra a outra. Os faróis dianteiros eram colocados nas extremidades dos paralamas e a entrada de ar era baixa e bastante generosa.

osca-zagato-02.jpg Traseira do OSCA 1600 GT Zagato.

Esse modelo tinha como característica marcantes as enormes saídas de ar colocadas sobre o teto do habitáculo. Sua semelhança com o Malzoni GT, que foi apresentado no Brasil alguns anos depois, é bastante evidente. Certamente seu desenho serviu de inspiração à Rino Malzoni no desenvolvimento de seu esportivo, já que suas características aparecem em diferentes versões do GT Malzoni.

osca-zagato-03.jpg Detalhe das saídas de ar do OSCA 1600 GT Zagato.

Em 1964, os irmãos Maserati (que já haviam negociado a própria Maserati pouco antes de criarem a OSCA) negociaram a empresa com a fabricante de motocicletas Agusta (que também fabrica helicópteros). A Agusta queria desenvolver um motor com um sistema de válvulas conhecido como desmodrômico, mas acabou decidindo por encerrar definitivamente as atividades da OSCA em 1967.


Alexandre Beluco

Engenheiro, pesquisador, professor universitário. Especialista em energias renováveis. Apaixonado por motores de dois tempos.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/design// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Alexandre Beluco