horizonte de eventos

De onde dizem que nem mesmo a luz consegue escapar...

Alexandre Beluco

Engenheiro, pesquisador, professor universitário. Especialista em energias renováveis. Apaixonado por motores de dois tempos

subida de los caracoles, entre santiago e mendoza

A viagem entre Santiago (no Chile) e Mendoza (na Argentina) passa pelo que é conhecido como Paso Internacional Los Libertadores. Este "paso" consiste principalmente em "los caracoles" e em um túnel com 3.080 metros de comprimento, situado aproximadamente 3.200 metros acima do nível do mar.


A viagem entre Santigo, no Chile, e Mendoza, na Argentina, exige cerca de 5 horas e corresponde a um trecho com aproximadamente 363 km. É um caminho com muitos altos e baixos, já que Santiago está a 560 metros de altitude, Mendoza a 750 metros e o Paso está acima dos 3.000 metros. O mapa a seguir detalha o trajeto, em azul, que também pode ser consultado no Google Maps.

santiago-mendoza.png Trajeto de Santiago, no Chile, até Mendoza, na Argentina.

O ponto alto (para quem gosta de estrada) é a travessia do Paso Internacional Los Libertadores. A Ruta CH-5 e a Ruta CH-60 ligam Santiago ao passo e depois a rodovia RN-7 leva à Mendoza (e depois ainda à Buenos Aires). O trecho chileno é muito mais íngreme e sinuoso que o trecho argentino.

A travessia do Paso Internacional consiste na travessia de um trecho bastante sinuoso conhecido como "Los Caracoles" e de um túnel com 3.080 metros de comprimento, situado aproximadamente 3.200 metros acima do nível do mar, pouco antes da chegada à aduana do lado argentino.

paso-los-libertadores-1.png Trecho correspondente ao Paso Internacional Los Libertadores.

O mapa acima mostra a região do Paso. Na parte mais para a esquerda aparecem dois trechos sinuosos, que compõem "Los Caracoles". Na parte à direita do trajeto aparece a região do túnel, entre as alfândegas chilena (aproximadamente em Cancha Pelada) e argentina (aproximadamente em Las Cuevas).

los-caracoles-1.png Primeiro trecho sinuoso de "Los Caracoles".

As curvas íngremes de Los Caracoles eventualmente figuram em listas de dez ou quinze estradas mais sinuosas ou mais perigosas do mundo. Mas, na prática, o tráfego pesado e intenso atenua a "esportividade" da subida. A imagem acima mostra o primeiro trecho, com nove curvas para a direita e outras oito para a esquerda.

los-caracoles-2.png Segundo trecho sinuoso de "Los Caracoles".

A imagem acima mostra o segundo trecho, com mais três curvas para a direita e outras três para a esquerda. A foto abaixo mostra uma vista aérea desses dois trechos. O tráfego intenso de caminhões, nos dois sentidos, forma eventualmente longas e lentas filas de veículos percorrendo vagarosamente essas curvas.

los-caracoles-3.jpg Vista aérea de "Los Caracoles".

Ao final do primeiro trecho, após uma subida de algumas centenas de metros e depois de percorridas várias curvas de quase cento e oitenta graus, olhar para baixo dá uma dimensão dessa travessia. Uma imagem usada na região é a de uma fileira de lentos caramujos subindo a encosta da montanha com suas pesadas cargas.

los-caracoles-4.jpg Vista do alto do primeiro trecho de "Los Caracoles".

Durante o inverno, a paisagem nas partes mais altas da travessia fica tomada pelo branco da neve e os motoristas precisam ser mais cautelosos, mas o bom projeto e a boa sinalização da rodovia reduzem bastante qualquer perigo que possa se insinuar. Estivemos ali na primeira quinzena de outubro e ainda havia ameaça so Paso ser fechado por dificuldades climatológicas.

los-caracoles-nevado.jpg Um trecho de "Los Caracoles" durante o inverno.

O Paso Internacional, na verdade, consiste apenas na região entre as duas alfândegas, incluindo o túnel. Mas já nem é possível dissociar a travessia do Paso da passagem por "Los Caracoles", até por causa de sua proximidade. O mapa abaixo mostra a região do Paso, indicando a entrada do túnel, na posição indicada pela seta mais à esquerda, e a saída do túnel, na posição mais acima.

tunel-los-libertadores-com-setas.png O Paso Internacional, com o túnel entre as duas alfândegas.

Essa imagem permite entender como o túnel encurtou a travessia e reduziu seus riscos. Abaixo do traçado do túnel aparece o traçado anterior, que ainda se mostrava mais sinuoso e íngreme, com dezenas de curvas em uma estrada não pavimentada. Nesse caminho anterior, há o Cristo Redentor dos Andes, colocado ali em 1904, que dá nome ao túnel.

Enfim... atravessar "los caracoles" é um belo passeio!


Alexandre Beluco

Engenheiro, pesquisador, professor universitário. Especialista em energias renováveis. Apaixonado por motores de dois tempos.
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Alexandre Beluco
Site Meter