imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

SENHORITA JULIA- PODER E GÊNERO

Verão de 1890, Julia ( Jessica Chastain), a instável filha de um aristocrata anglo-irlandês, incentiva John ( Colin Farrell), um empregado de seu pai a seduzi-la numa noite de verão com flores afrodisíacas, e o solstício. O embate, mostra a hieraquia da classes sociais, mas o que vinga mesmo é a questão dos gêneros, do desejo incontrolável misturado com ódio e rejeição.


article-2645082-1E5ED78F00000578-581_1024x615_large[1].jpg O filme Senhorita Julia dirigido por Liv Ulman é baseado na peça teatral do mesmo nome escrita pelo sueco August Strindberg em 1888 com características expressionistas, Strindberg revolucionou a dramaturgia do seu tempo não só por sua técnica teatral, mas pelo conteúdo e essência de suas peças. A trama se passa na mansão da Senhorita Julia em uma noite de solstício de verão e toda a ação pode ser dividida em três momentos. No primeiro tempo, a ênfase está entre John, o criado oprimido, e Julia a jovem angustiada e rica. Durante toda a noite até o amanhecer eles se des-constroem, se invadem, e numa troca de papéis, o submisso torna-se opressor enquanto, Julia, seduz John a fazer sexo e entra em um labirinto de submissão e loucura.

A análise psicológica de Julia é meu objetivo maior neste artigo. No outro tempo do filme, algo se rompeu, além da virgindade da nobre Julia. Ambos estão confusos e tensos. Seus diálogos se mesclam e é ele John, que antes só obedecia à ordens da aristocrata, é quem agora dá as ordens. Ela, que ordenavara, antes do sexo, que lhe beijasse os pés, lustra suas botas arrastando-se no chão feito um animal sem dono. John tem cultura e se comporta como um lorde. Ele é orgulhoso porque tem conhecimento.Suas roupas impecáveis e sua linguagem mostram o quanto ele ambiciona ser rico e nobre. Devaneios ao longo da noite, aparecem com o excesso de cerveja e vinho. Anestesiados e inconscientes, trocam juras secretas, sensibilizam-se com sua condição humana e em contraposição, xingam, berram, se atropelam num duelo erótico de homem e mulher. Julia cai e perde o prumo e o juízo. Sua mente fraca não percebe que John está manipulando-a a ponto de deixá-la louca.

miss julie 3[1].jpg

Julia, acredita, em seu delírio, que eles vão fugir com o dinheiro do conde ausente.Ao arrumar-se pronta para fugirem,John mata o pássaro que ela criava na gaiola. A metáfora mais forte do filme. Ela é o pássaro, na sua prisão, inocência e fragilidade. Morto o pássaro com um facão, Julia enlouquece, esbraveja, diz que vai matá-lo, que não te medo de homens, que tem ódio, mas sua sexualidade está em transe. Perde a cabeça e pede que John mande nela. Que ordene, porque ela já não sabe se foge, se fica, se morre. John é pragmático e ao perceber a fragilidade e a embriaguês da condessa, passa a manipulá-la cruel e impassível.

cena-de-miss-julie-1432069987659_956x500[1].jpg

Julia, se perde dentro de si mesma. Desde pequena foi subjugada pela mãe que a fez vestir-se de menino ensinando-a a caçar, tratar dos cavalos e comportar-se como menino. Seu pai, corta este feitiço e a liberta em um certo momento da juventude. Mas, Julia é muito infeliz. não quer casar-se com o noivo de sua classe social. Foge de sua classe e vai buscar calor junto ao serviçal charmoso e orgulhoso, John, que vive naquele povoado desde criança. Há momento sinceros, quando John conta como sempre amou Julia, como desejou morar do outro lado do muro onde lhe observava. Julia, no devaneio do alcool, passa a enxergar John como um herói romântico e imagina que ele e ela fugirão dali com um dinheiro roubdo do pai.

Já amanhecendo, o conde chega à mansão e sob pretexto dele não vê-la John consegue induzi-la ao suicidio, misturando as palavras, guiando-a para a morte, como se guia um cego. O jogo é erótico e o duelo de gritos e silêncios, Julia obedece às palavras que John repete: Vá varrer o chão lá fora e use essa vassoura, que é um canivete. Os símbolos estão expostos, a sordidez do masculino, misógino, contra a virtude do feminino enlouquecido, com medo de si e de tudo. Julia, seguindo ordens, sai cambaleante para o jardim onde se suicida no trágico final da noite de verão.

ms161eac[1].jpg


version 3/s/cinema// @obvious //Fernanda Villas Boas