imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

GOTAS DE SANGUE NO DESCAMPADO

Descampado verde é o símbolo da Terra e seu habitante mais simbólico: o ser humano em vias de desaparecer para dar espaço aos androides.


Nada0104.jpg

A trilha estava seca. Mas, da ferida gotas de sangue desciam do intestino de Joseph. Não havia sinal de vida, perto de um lugar de ninguém. Pegou algumas folhas secas para enxugar o buraco feito pelas balas. Inútil, todos tinham sumido. Não sabia onde estava nem para onde ia. A vida nos esconde a morte embrulhada numa emboscada.E a guerra nem tinha começado. Não se ouvia barulho de nada. Só as folhas se mexiam um pouco ao sabor do vento. Joseph pensava na sua mulher. Eles deviam ter levado-a para algum acampamento. Todos os prisioneiros eram servos dos androides. Afinal, era 2025 e ninguém mais falava o mesmo idioma. Ninguém podia chorar, senão era morto. A fria maneira como o poder androide tratava essas pessoas comuns começava por uma lavagem cerebral onde eles passavam por uma transfusão de chips. e se tornavam mais um número. Joseph foi fugindo como um gato foge. Aos pulos, pelos atalhos. Apesar do calor a ferida ainda sangrava. iria sangrar a vida inteira, Isto ele tinha certeza.quando ao olhar para trás viu sua companheira ser fuzilada pelos homens encapuzados. ele desvirou-se rapidamente e tentou correr. Amarrou a camisa na ferida e correu feito um louco. Talvez pelo choque da imagem da mulher morta no descampado. A vida terminara ali, sem um canto para se esconder e talvez, quem sabe, beijar Judite pela última vez. Não era possível parar. Nada mais forte que o amor nele contido e o sangue a se esvair nas veias. A noite foi caindo lentamente e o mundo se fez escuro. Sentou-se na grama e tentou dormir. O mundo todo girava e seu olhar demorado e triste olhava as estrelas como se fosse a última vez que brilhariam. Não cedeu. Não se mexeu. Deixou a terra girar em seus pensamentos até o último suspiro. DSC02447(1)edited.jpg


version 2/s/literatura// //Fernanda Villas Boas