imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

Natal, consumo e depressão

Natal é a festa do consumo, da comilança familiar. E entre tantas e diferentes famílias, a alegria é instantânea e, nem sempre, verdadeira. É preciso refletir sobre as almas solitárias e excluídas nesta festa de Papai Noel e árvores ilusórias, de pessoas sem noção gastando tudo o que têm numa certa demonstração de insanidade.


papai noel.jpeg

O fim de ano vai chegando avassalador com seus recortes. Por um lado, tem-se a praça da alegria falsa. Compras por todo o lado em todas as classes sociais, ninguém deixa de tirar um pedaço do seu tempo e do seu dinheiro tayloristas para ir gastando até o último dia do ano.

Desde que o consumo aumentou sua autoridade sobre os consumidores, estes não param de andar pra lá e pra cá em busca de uma lembrança, seja para o chefe, marido, filhos, cunhadas, primos, ex-cunhados, porteiro, garçon, colegas ocultos que trabalharam com você o ano todo. É um excesso perigoso. Pela armadilha que nos traz de presente colada ao símbolo de Papai Noel. Gordo, velho e sorridente.

arvore-de-natal-natal-1354891761260_956x500.jpg

As crianças querem pedidos, os velhos querem carinho, os de meia idade querem beber também. Aí, a festa aumenta e se prolonga nos bares de todas as cidades do mundo. É uma festa instituída pelo capitalismo. Antes, a história pendia mais para a festa católica celebrando o nascimento de Jesus Cristo. Mas, há cerca de quarenta anos desde o último século, a coisificação dos objetos de desejo fizeram do Natal a grande hit parade. "Seja rico, seja pobre, o velhinho sempre vem". O rei chegou e mandou todos comprarem para uma total satisfação imediatista e fugaz de prazeres, sem tempo de se abraçar com vontade, com a mão no copo e outra no verão.

E aqueles que não curtem a festa? E todos os excluídos dessa louvação epicurista ao sabor e à sagrada família? Sem que o leitor saiba, a grande parcela da sociedade tem seus membros excluídos. O tio sem filhos, a moça solteira, o pai viúvo, a mulher velha e sem filhos, os eus que se somados entram em depressão e choram escondidos e calados para não atrapalhar a festança.

É preciso estar atento a estes que não falam de Natal nem participam da euforia insana de shopping centeres, compras embaladas com sucesso extraordinário. Bem, seria preciso escutar estas almas mais sensíveis e coerentes ao seu viver. Natal se tornou sinônimo de comilança e brigas familiares. Há de se preservar algo dentro de si. A alma. O destino da humanidade tecido no dia a dia de 365 dias. A ausência, a solidão, o inverso desta festa pagã. É preciso tomar cuidado das almas caladas, do coração carente e descuidado de tantos que desconhecemos na multidão. Não, o Natal definitivamente não é uma data alegre. É uma farsa, uma armadilha que se repete aos nossos olhos com aquelas estrelinhas e pisca-pisca de tantas árvores coloridas em lares preto e branco.

solidao.jpg


version 5/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Fernanda Villas Boas
Site Meter