imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

ANO NOVO: O RITUAL DA ESPERANÇA-2016

Ano Novo para sentirmos a passagem do tempo em que a terra dá mais uma volta em torno do sol. Gratidão ao universo, feliz 2016!


12mar2014---um-homem-pratica-stand-up-paddle-em-frente-a-uma-praia-enquanto-o-sol-se-poe-em-bridgetown-em-barbados-1394666822678_956x500.jpg

Todo fim de ano é uma correria. Dentro dela estão contidos todos os meses, dias e minutos de todo um ano consumado. Por que existe tanta euforia? Dizem os psicólogos que são destes rituais que nos nutrimos de esperança para ir em frente. Festeja-se a passagem do ano em praticamente todo o mundo. Este ritual se repete há séculos tanto no Oriente como no Ocidente. Em um sentido lato, o reveillon, palavra francesa, significa acordar. É um acordar-se para os ideais, as diferentes realidades tantas vezes incompletas. É acordar-se para a vida sempre nos chamando para saborear seus frutos com muita calma, tesão e ternura. A verdade é que você muda. E muda todos os dias. Nascemos e morremos. Somos finitos. Por esta razão, criou-se datas para marcar as mudanças, renovar a fé na vida e acordar a esperança.

-reveillon-copacabana.jpg

Para o ano novo, faz-se promessas de não mais haver guerras, de acabar-se com a fome no mundo, de salvar o planeta. Desta vez vai! São ideias que se renovam. Ainda que saibamos que é uma festa para enterrar o velho ano. Os corações se alegram para não congelar o tempo. Outros, existem sempre os outros, negam essa festa colorida de fogos, abraços e contentamento. São aqueles que temem ser iguais e preferem dormir. Para esses, há um ditado: “ Vai dormir o ano todo”. Assim, criam-se superstições acerca da virada do ano. As cores mais populares são o branco, símbolo da paz, o amarelo, símbolo do ouro e o vermelho, símbolo da sensualidade.

Famílas pobres, não tão pobres, ricas ou milionárias ficam envoltas em um céu que lhes une por minutos, horas talvez, mostrando-lhes o inconsciente coletivo. Palavras se tornam mais agradáveis, não importa de quem nem para quem. É um momento de gratidão ao universo por estarmos, nós, a humanidade, em consonância, nesta passagem. Este momento dialético vem confirmar, o quanto precisamos nos certificar que estamos em movimento. A terra deu mais uma volta em torno do sol.

É tempo de celebrar a vida em todas as suas manifestações para que haja assim, uma limpeza nas almas. No Brasil, particularmente, temos os rituais da macumba, muito enraizados em nossa cultura. E o povo que acredita, vai às praias para agradecer a Iemanjá, a Rainha dos Mares, mãe protetora e guia. Iemanjá gosta de flores e perfume que lhe são ofertados na beira do mar.

Ano Novo, vida nova! Assim todos juntos pedem a benção dos deuses para começar o ano “ com o pé direito”. Um desejo forte e básico de que haja menos dor, menos morte, menos maldade em todo o planeta. Para isso, é a festa de Ano Novo. Para que saibamos seguir adiante com passos mais evoluídos em todas nossas relações, desde as familiares, até as profissionais e planetárias.


version 1/s/recortes// @obvious //Fernanda Villas Boas