imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

TEMPESTADE DE AREIA

Melhor filme estrangeiro em Sundance 2016, “Tempestade de Areia” da diretora Elite Zexer é um interessante mosaico etnográfico sobre culturas rígidas no sul de uma Israel beduína menos cosmopolita ou menos evoluída do que a imagem que se tem para o resto do mundo. Com autorização ainda do casamento poligâmico nas tribos beduínas sulistas e a total submissão da mulher.


tempestade-de-areia-filme-arabe 5.jpg

Tempestade de Areia, filme israelense dirigido por Elite Zexer(2016) expõe a total submissão da mulher no sul de Israel onde as leis e costumes ainda permitem o poligamismo masculino, seguindo as regras do islamismo. A beleza da narrativa está nos lenços que encobrem metaforicamente a fala e a cabela daquelas mulheres que vivem do nada, numa pobreza árida pelo deserto. A personagem Jalila está envolvida em uma estranha celebração - o casamento do seu marido com a segunda mulher - enquanto tenta lidar com o trauma deste evento contra sua vontade, porque é a lei que permite de uma forma brusca e agressiva, a consumação do casamento. Ela é obrigada a participar, trabalhando, abrindo o caminho para a futura noiva, usando bigodes para simbolizar um homem. Ela tem que obedecer calada. A meu ver, é a questão crucial que se soma à atitude e modo de pensar da filha Layla que se apaixona por Anuar, um garoto da tribo vizinha. Jalila fica dividida entre os valores religiosos hipócritas e a felicidade de sua filha Layla Ruba Blal). O roteiro parte desta disposição de papéis, porque evita o maniqueísmo nas relações: não temos duas mulheres sofrendo nas mãos de um homem tirânico, e sim um grupo de personagens oprimidos pelos códigos mulçumanos. É esta a questão.

tempestade de areia 2.jpg

Por trás dos lenços estão as mulheres que vivem oprimidas pelo excesso de proibições e silêncios que cravam no trabalho pesado, em um lugar árido como suas vidas o são. Dentro de constantes tempestades de areia que sujam suas roupas e suas casas fazendo-as limpar constantemente uma sujeira que volta com o vento. Neste ciclo vicioso estão prisioneiras de um sistema hipócrita que impõe costumes religiosos, não tão religiosos assim. São leis obsoletas que trazem castigos para o feminino e regalias para o masculino.

A ordem é fazer calar sentimentos, aspirações, desejos em nome do que “ é preciso”. O pai e marido aparece como símbolo dessa relação desigual que não se respeita, apenas tem o poder sobre a aldeia e somente sua palavra prevalece entre lágrimas e gritos de mulheres maltratadas pela fome e pelo desalento. Vivem em um mundo a parte, mãe e filha. Há um limiar de liberdade para Layla,a filha que se apaixona por um colega de escola e traz para a casa uma escolha: quero me casar. Por que não posso? Mãe e filha discutem e só se tornam aliadas ao perceberem com sensibilidade que o pai goza com seu poder de manter a segunda mulher?

tempestade-de areia 4.png

As tradições são postas em cheque, quando Layla não quer ser obrigada a casar com um escolhido do pai e toda a rigidez inicial da mãe e solidariedade do pai vão ruir diante do que realmente escondem os usos e costumes que condicionam a região, saindo da esfera coletiva para ingressar na pessoal. Layla desiste de sua paixão por solidariedade à mãe ao se conscientizar de que as duas são fruto do meio e precisam se ajudar para sobreviverem a condições muito piores do que as conquistadas até então. Diante de uma situação sem saída, a mãe manda a filha ir embora porque estuda e merece outra vida. Neste impasse há uma mudança no olhar da filha, Layla, que prefere ficar e enfrentar como a mãe enfrentou, tradições a serem derrubadas. Quem sabe, conseguirão dizer aos homens da aldeia que não” precisam”? Que tanto poder e obrigações ordenadas pelo fundamentalismo mulçumano precisam ruir? Quem sabe tirem de vez os lenços enormes que cobrem sua identidade, seus desejos e sobretudo o que são verdadeiramente: mulheres com direito à liberdade. Porém, o olhar sobre esta liberdade é cético, como nos avisando que há muita tempestade de areia que não permite tão cedo uma clareza de pensamento e ideias.

tempestade de areia. 3.jpg


version 1/s/cinema// @obvious, @obvioushp //Fernanda Villas Boas