imagens e palavras

REFLEXÕES SOBRE LITERATURA E CINEMA

Fernanda Villas Boas

COLAGEM, SONHOS, INCONSCIENTE COM MARCIO SILVA OLIVEIRA


A colagem é uma forma de arte aceita e valorizada. Ela permite ao artista a liberdade de abordar o meio que o cerca de qualquer maneira sem restrições de formatos, texturas ou materiais. Este meio é uma forma direta de comunicação para o artista, ou seja, o artista pode tirar da natureza ou da vida urbana quaisquer materiais que ele deseje como forma de expressão simbólica, inclusive esta forma de arte ajuda a reciclar materiais descartados.

02-Scan-001.jpg

Colagem é a composição feita a partir do uso de matérias de diversas texturas, ou não, superpostas ou colocadas lado a lado, na criação de um motivo ou imagem. Foi utilizada por Picasso e Georges Braque, entre outros. Ela é uma técnica não muito antiga, criativa e bem divertida, que tem por procedimento juntar numa mesma imagem outras imagens de origens diferentes. É muito legal expor as suas idéias, expressar os seus sentimentos “desenhando com a tesoura” como dizia Henri Matisse. 6-Scan-006.jpg A colagem já era conhecida antes do século XX, mas era considerada uma brincadeira de crianças. O cubismo foi o primeiro movimento artístico a utilizar colagem. Os cubistas colavam pedaços de jornal ou impressos em suas pinturas. A colagem como procedimento técnico tem uma história antiga, porém, com o cubismo, representa um ponto de inflexão na medida em que liberta o artista do jugo da superfície. Ao abrigar no espaço do quadro elementos retirados da realidade - pedaços de jornal e papéis de todo tipo, tecido, madeira, objeto e outros -, a pintura passa a ser concebida como construção sobre um suporte, o que dificulta o estabelecimento de fronteiras rígidas entre as imagens que se conectam levando a diversas leituras. Escolhi analisar algumas colagens das muitas criadas por Marcio Silva Oliveira, carioca, autodidata, nascido na zona sul onde estudou até o nível superior. A peculiaridade do colagista é a sobreposição de ideias através das imagens. Percebe-se com prazer estético, o mergulho do artista no seu inconsciente pessoal, juntando-o à sua consciência e desse modo fazendo uma interpretação artística das emoções, como o amor, o medo, a raiva, o lusco fusco de distintas concepções da sexualidade, atravessando vários gêneros, inclusive os trans sexuais. A arte nos traz o inusitado, fazendo inclusive o feio ser belo, enquanto composições criadas com sagacidade e intuição. Neste artigo temos cinco colagens que considero bem emblemáticas da obra de Marcio. A primeira é BRASIL. Onde o artista bem uma mão com a bandeira nacional escrito em cima: Tá na Mão. Ele está nos chamando à luta para recuperarmos o Brasil. Já em a MENINA, (colagem acima) Marcio mostra através de uma menina do oriente médio, em meio à guerra, como ícone da inocência em meio às mortes diárias que presencia, na guerra entre Israel e Palestina, em contraste com o luxo da Europa. Dois universos que polarizam em tudo.

10-001.jpg Na MULHER VOADORA, Marcio nos faz conhecer uma mulher contemporânea, que viaja literal e simbolicamente sozinha, seja a trabalho, seja pelo prazer de conhecer o planeta. É a mulher atual, que ocupa seu lugar no território que deseja, na liberdade de ser uma pessoa completa. Liberdade é azul, como na colagem.

20180406172912_00001.jpg Os RETIRANTES, mostra surrealisticamente o sonho de um família nordestina e o contraste com a possibilidade de um dia, quem sabe, conhecer Paris e outros lugares reconhecidos pela história da Europa. Finalmente em O GOLPE, o artista toca direto na crise política desde o impeachment de Dilma em 2016.

Assim, temos entre nós, Marcio Silva Oliveira, um artista com talento e uma criatividade, que começou na sua simplicidade, recortando, colando, escolhendo, no seu tempo, os temas que serviriam para sua fantástica colagem com mais de oitenta colagens criadas em 2018. VIVA A ARTE!

20180624_185521.jpg


version 15/s/artes e ideias// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Fernanda Villas Boas