Larissa Bispo

Apaixonada pelas entrelinhas da vida, pelos mistérios no óbvio e pelas complexidades que abrigam as coisas mais simples

o dia em que descobrimos que não sabemos quem somos

Nós não sabemos. Do mundo. Do outro. De nós mesmos. Somos feitos desse querer saber de todos os dias; somos alimentados por essa ignorância intrínseca.

tumblr_m2j9pfb4io1qbeqcyo1_500.jpg

Forte, duro, profundo, intenso. É doloroso o baque de lidar com um engano. Um corte rápido de dentro para fora; uma leve imprecisão na ferida que se abre e de onde jorra sangue ao se deparar com uma parte de si que já não sabe. Sufoca. Atinge-nos além do que podíamos supor a descoberta de que não, não era. Nunca foi.

O dia em que eu descobri que não sabia quem eu era talvez tenha sido o primeiro dos restantes em que eu alcancei, em mim, a maior altura da qual pude sentir medo. O voo mais alto; a queda. Livre.

Antes, respirava todos os dias o ar que sempre soube que podia inspirar e inflava-me de orgulho por poder sentir cada parte de mim recebendo um pouquinho do mundo. Via a mim mesma como um jogo - daqueles de montar - onde cada peça é fundamental e ao mesmo tempo tão frágil que torna-se impossível terminá-lo antes que todas elas se quebrem. Sentia o mundo com o coração dos outros, dos quais me apossava sem permissão: usava, quebrava, consertava, amava e arrumava outro que se fazia caber no peito.

corac3a7c3a3o-martine-johanna-desenho.jpg

O dia em que achei que sabia quem eu era foi o melhor e o mais longo. Repetiu-se por mais tantos dias que durou anos. E acabou. Todos temos o prazer dessa sensação, ao menos uma vez - o de saber, de compreender, de se fazer ser entendido por si mesmo. Sentimo-nos, enfim, livres para escolher qualquer caminho e tomar qualquer decisão até a chegada do dia mais verdadeiramente nebuloso do qual estamos, sempre, sujeitos: aquele em que nos damos conta que não sabemos. E dói. Aperta. Corrói.

Dai em diante, o encontro com a própria ignorância mostra os vacilos, os erros e as emoções que nos moldam. Fere o orgulho. Liberta. Em mim, causou confusão em todos os corações os quais eu abrigava e revelou um olhar encantador sobre mim mesma: o poder de me reinventar.

O dia em que descobri que não sabia quem eu era foi também o dia que me dei conta de que podia, enfim, ser quem eu sou. Mesmo sem nenhuma preocupação em saber exatamente o que forma esse ser. A partir daí - e hoje já não importa o que me levou a esse dia, eu já não me lembro mais - eu descobri o que é se conhecer, todos os dias. Ser outros e outras. Ser outros ares, outros olhares, outros sentir. Não precisar do mundo para sê-lo ou a ele pertencer e aceitar as dores e as incompreensões sem que a vida se torne mágoa a cada novo mistério que se propõe.

2d29871c3bce79668f5d95b1be18ca81.jpg

Nós não sabemos. Do mundo. Do outro. De nós mesmos. Somos feitos desse querer saber de todos os dias; somos alimentados por essa ignorância intrínseca. O dia em que eu descobri que não sabia quem eu era foi o dia em que me enxerguei da forma mais pura. Fui além de mim.

Admito: hoje já não sei mais quem sou e todos os dias sei mais de mim mesma.


Larissa Bispo

Apaixonada pelas entrelinhas da vida, pelos mistérios no óbvio e pelas complexidades que abrigam as coisas mais simples.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Larissa Bispo