inconvencional

Tudo depende do ângulo

Michelle Cruz

Em formação na escola da vida, uma artista-arteira, e também, comunicóloga. Fazendo da sua vida uma obra-prima, falando da vida e do mundo que a influencia

A Solteira

Dizem que algumas mulheres solteiras são extravagantes diante de homens casados. Até descobrirem o que um homem casado é capaz de falar numa conversa "inbox". E foi "inbox" que uma solteira deu um ponto final com um canalha casado, mas não falando com ele! Falando com a mulher dele!


casal e a solteira.jpg

Na época da faculdade, conheci um homem que eu achava que seria o meu príncipe encantado. Imagine um negro, de olhos verdes, inteligente, bem humorado e galanteador. Era o homem dos meus sonhos! E melhor! Ele estava na minha frente, fiquei apaixonada! Como uma adolescente encontrando o seu primeiro amor. Parecia bonitinho! Era o meu sonho, na realidade, foi a minha grande ilusão!

Esse homem tinha muitas das qualidades que eu sonhava, especialmente, o porte físico. Só um detalhe, eu sonhei com ele mas ele nunca sonhou comigo. Demorei a aceitar e a entender que aquela situação estava acontecendo contrária ao que eu sempre desejei. Na minha cabeça, tudo parecia tão perfeito que eu ignorava alguns comportamentos indiferentes que ele tinha comigo. As vezes, ele não ligava por alguns dias dizendo que estava trabalhando muito, quando estávamos juntos e ele recebia ligações, nunca conversa perto de mim. Era estranho, o pior que eu nem reclamava dessas coisas e ele sempre me dava explicações. Era nítido que ele mentia. Eu estava tão apaixonada que ignorava esses detalhes.

Esse meu amor foi correspondido por um tempo, ele percebeu que eu gostava dele. Ele era o típico “Gostosão da Turma”, fazia o papel de bom moço, o “Homem Amoroso”, só que dando amor para todas as mulheres. Ele tinha uma mulher em cada esquina. Como bom malandro, o futuro advogado, cheio de lábia, parecia ser bonzinho e que nenhum mal fazia. E que também estava apaixonado. Eu acreditava! Mesmo com as minhas amigas dizendo para tomar cuidado, que ele tinha fama de galinha e nunca se apegava.

As amigas sempre tentavam me fazer enxergar a real situação, mas, quando a gente não se valoriza não adianta que nos digam nada. Só depois de se ferrar, de ver com os próprios olhos as desgraças, a gente começa a aceitar. Cada um precisa ter as suas experiências. E aprender a se valorizar, não tem receita que resolva a carência ou amor iludido.

Resumindo, depois de alguns meses, na esperança de que seria mais do que amiga dele. Ele decidiu assumir o namoro com outra garota. Disse que gostava de mim e que só estava com ela porque eu me fazia de difícil. Quando eu me fiz de difícil? Eu perdi a parte da história que eu me fazia de difícil. O importante é que eu acordei do mundo encantado e resolvi dar um ponto final na minha fantasia, afinal ele nunca falou sério comigo. Pra quem dizia que gostava tanto era estranho desistir tão rápido. Enfim, o fato dele estar com outra pessoa era a prova de que as amigas estavam certas e eu errada. Tonta, fiquei enrolando e demorei a pular fora dessa barca furada.

Agora vem a parte mais podre e tonta dessa história. Ele casou e voltou a me procurar, dizendo que ainda gostava de mim. E que eu precisava dar uma chance, que ele não parava de pensar em mim. Eu comecei a rir, achei engraçado! Depois de alguns anos ele volta com o mesmo papinho. Eu achando que ele já tinha crescido. Só que não! Ele é o melhor exemplo de que maturidade não vem com a idade. Ele continua tendo atitudes ridículas aos quarenta anos!

É complicada a vida de solteira! Ter que aguentar malandragem de homem casado. E nem posso dizer que ele é mal amado, porque ele tem uma esposa. Então o problema dele não tem solução, ele não se ama. E como eu estava cansada de correr o risco da mulher dele achar que eu era a biscate que tanto importuna a vida deles. Coisa que eu nunca fui! Mas, que tenho certeza que ele deveria falar ao contrário pra ela, porque ele por várias vezes falou que a mulherada vivia importunando a vida dele. Achei melhor acabar com a gracinha!

Como eu sabia que ele não me daria sossego achei interessante mandar pra mulher dele a conversa "in box" que ele começou. Pra mostrar quem é o filho da p#[email protected] nessa história.

Segue a mensagem que enviei para a esposa do Canalha Casado:

Bom dia!

Você não me conhece, mas, provavelmente, já ouvi falar de mim. Sou aquela pessoa que seu marido insiste em dizer que eu não saio do pé dele. E que você, no mínimo xinga e acha que é uma biscate. Então, na verdade, eu não sou a biscate, nem você. E sim, o seu marido! E... vocês criaram uma página no facebook para os dois utilizarem. Pra ele não dar as escapadas, mas ele te enganou. Ele montou outra página dizendo que usaria para ajudar nos contatos profissionais e resolveu me importunar. É muito desagradável mandar essa mensagem. Imagino que seja pior receber, achei melhor você saber agora do que nunca saber. Que você consiga resolver isso da melhor maneira. Boa sorte!

Chat.jpg

Resultado: A mulher dele conseguiu ver as conversas que ele tinha comigo e com outras mulheres. E acabou pedindo a separação. E como ela não é uma mulher tonta, pelo contrário, ela é linda e inteligente. E não tinha culpa do desvio de caráter de seu ex-amor. Percebeu que os últimos anos da sua vida com ele foram só mentiras. E retomou a vida que ela tinha renunciado pra ficar com ele. Ela era comissária de voo e sempre sonhou em voar pelo mundo. Teve chances de trair o canalha do marido e nunca o traiu. E após essa palhaçada dele, ela seguiu para uma nova etapa, agradecida me contou tudo isso e ainda me mandou um perfume de presente, da última viagem que fez pra Paris.

Moral da história: melhor duas mulheres amigas do que duas inimigas, por um canalha que não satisfaz ninguém e nem a si mesmo!


Michelle Cruz

Em formação na escola da vida, uma artista-arteira, e também, comunicóloga. Fazendo da sua vida uma obra-prima, falando da vida e do mundo que a influencia.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @destaque, @obvious //Michelle Cruz