Mariah Costa

Escreve crônicas (e outras coisas) no blog Tempo Verbal (link no perfil). Estudante de Jornalismo, mais romântica do que gostaria, a mais velha de três filhas. E sim, é Mariah: lê-se Mariá.

Não é querer. É inflação de ego, meu amor

Ao menos uma vez na vida, todos nós já mantivemos alguém perto por motivos egoístas. Não seja mais essa pessoa.


ryan-moreno-99464.jpg Quando seus olhos caem sobre mim, eu sinto o rosto arder. O corpo fica trêmulo, o estômago revira e eu repito na minha mente que você nunca estaria dando em cima de mim. Porque afinal, o que poderia querer comigo?! Somos de faixas, status e mundos completamente diferentes mas ali estão seus olhos em mim e eu posso perceber. Só que essa não é uma história de amor, devo esclarecer desde já. Não é uma história sobre pessoas que querem estar uma com a outra. É sobre alguém que alimenta as expectativas de outro para o benefício exclusivo do seu próprio ego.

Todos nós já fomos esse alguém, não é verdade? Não diga que estou mentindo. Todos que estão lendo isso já mantiveram uma pessoa próxima sem gostar, sem querer, sem amar; só pra se sentir bem. Receber carinho é bom. Ter alguém ali, preocupando-se, procurando assunto, sempre disponível é melhor ainda. Eu já fui esse alguém, infelizmente, e mais de uma vez. Talvez a vida agora esteja retribuindo a minha irresponsabilidade passada. Porém, eu tenho a desculpa da imaturidade e você… Você não tem desculpa alguma.

Quando surge do nada tentando manter minha atenção, quando faz questão de atrair meu olhar, quando estabelece contato e até fala coisas que incitam demais a minha criatividade, eu posso sentir. Sinto o sorriso preso dentro de você se abrindo, reparando em todas as minhas reações e felicitando a si mesmo. Olha só o que você ainda sabe fazer. O tempo e a falta de prática não te fizeram menos galante.

Seus elogios, gracejos e mensagens não me satisfazem mais. Chegamos em um ponto que só nos resta ultrapassar o limite intransponível entre nós e sabemos que nenhuma das partes o fará. Eu por falta de coragem ou por sensatez; você pela consciência de que é tudo uma brincadeira. Não faz mal. Só que eu estou sufocando. Seu ego está sugando todo o ar em volta de mim e eu não estou mais respirando.

Essa é a sinceridade de uma garota que não pode mais esperar pelas suas doçuras quando você claramente não dará mais do que isso. Não posso mais sentir saudade pois no fim de semana, somos totalmente estranhos. Não faço parte da sua vida e nem você da minha. Não somos amigos: somos nada. Somos você e eu separadamente.

Sou uma garota ainda, você entende? Ainda não sou tão atrevida e firme quanto a vida exige que eu seja. Então apenas pare. Entenda que é baixo demais continuar abusando do meu humilde bem-querer. Pare de aparecer nos meus sonhos com suas piadas e gentilezas. Eu não as quero.

Quero muito mais. Algo que você não tem a oferecer. Algo que está por aí, esperando que eu pare de apostar nos casos errados. Algo que eu deveria estar notando em vez de estar à espera da sua mensagem que nunca vai chegar. Eu não vou mais ser a musa do seu ego, amor. Espero que entenda. Estou crescendo. Você não está orgulhoso? Aposto que não, mas deveria.


Mariah Costa

Escreve crônicas (e outras coisas) no blog Tempo Verbal (link no perfil). Estudante de Jornalismo, mais romântica do que gostaria, a mais velha de três filhas. E sim, é Mariah: lê-se Mariá..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// //Mariah Costa