infinito particular...

Bem vindo ao que eu sou.

Michelle Oliveratto

Mineira, estudante de música e observadora incansável do mundo. Para mim escrever é preciso, navegar nem tanto. Sigo tentando acalmar toda folha em branco que se aflige com esse silêncio pautado

Carta para o amor que vai chegar

Essa carta é pra você que ainda não chegou. Que desconheço quando irá chegar, mas que mesmo assim tenho tantas coisas para lhe dizer.


mini-maquina-de-escrever.jpg

Devagar que esse peito já não é mais tão moço assim e, ao entrar não se esqueça de tirar os sapatos. Há uma cultura oriental milenar que aconselha tirar o calçado sempre que for entrar em território sagrado. Aprendi respeitar o meu coração como algo divino que se dilacera e se reconstrói incansavelmente, embora sua reconstituição seja dada a custas de muita dor, mas que mesmo assim tem a fé necessária para tentar novamente mesmo sabendo dos riscos de se quebrar na próxima esquina.

Onde houver manchas roxas evite tocar, a dor é bem maior quando bate duas vezes no mesmo lugar. Mas é apenas uma questão de tempo, porque também aprendi que não existe ferida que não cicatrize. Paciência faz parte do processo da cura e, antes da sua chegada pude acompanhar processos milagrosos de reconstituição de matéria morta.

Não tive pressa para sua chegada, não sai pela noite te procurando e correndo o risco de cair em braços errados. Muito menos cai em braços errados enquanto o certo não chegava. Apesar do elemento do meu signo ser água, não tenho muita vocação para coisas fluídas. Se chegou até aqui, foi por que tinha que ser. Que seja leve como o vento e intenso como o momento de um casal sobre o altar.

tumblr_ltbmcooPVV1qhlrsdo1_500.jpg

Talvez a princípio, não te ofereça um lugar seco, organizado e seguro, mas acredite, está bem mais habitável agora. Embora a última pessoa que passou por aqui tinha domínio sobre organização de espaços, houve um erro no projeto e no lugar de um ambiente amplo e confortável deu lugar a um monumento de mera observação, mas que incide uma luz tão bonita que concluí que toda partida, assim como toda chegada, uma porta se abre e porta aberta é sempre uma chance de luz. Encarar esse monumento é jogar um feixe de luz sobre as manchas roxas já curadas para nunca esquecer a nossa capacidade de ressurreição.

Portanto, deixe a porta aberta, não para induzir a fuga, nem encarar um passado que atraí um olhar nostálgico. Mas para deixar claro que a permanência é opcional. Afinal, não quero ser necessária, não quero que você precise de mim, porque o amor se dá é na inutilidade. Quero que seus dias sejam leves e felizes independente da minha presença, mas que você me escolha para dividir, acompanhar e somar nessa rotina encantada que será viver ao teu lado. Que você tenha as mãos ocupadas, não só em segurar as minhas, mas também para executar o ofício que lhe acrescente. Quero que tenha os cabelos macios, não só para acolher confortavelmente meus dedos, mas também para amortecer a mão dura da vida. Não se preocupe, pois você terá um colo para acolher sua alegria, assim como sua tristeza mais profunda.

12509531_1030410836997096_9054389268874229236_n.jpg

Que em um final de semana te encontre entre amigos e, testemunhar essa cena é sinal que nesse dia você decidiu dividi-los um pouco comigo. Que quando te perguntarem: “Por que está com ela?” Você não saiba responder, pois as grandes coisas da vida não exigem explicação, muito menos sentido. Basta sentir com profundidade e perceber que mesmo tendo consciência de como somos substituíveis e dispensáveis é por pura escolha a nossa permanência. Que você não tenha pudor em me dizer não. Que você não pense que o silêncio substitui uma resposta por medo de machucar, pois isso acaba machucando mil vezes mais. Que seu elogio seja sempre sincero, nunca conveniente. Que sua crítica seja sempre fraterna, nunca hostil. Que você sinta antes de dizer, exatamente nessa ordem, ao contrário pode causar impactos imensuráveis.

E não me importo com as cicatrizes que carrega, mas me coloco a disposição caso necessite de um olhar cuidadoso ou um canto de cura. Não me importo com a sua altura, mas me preocupo com a possível queda. Não me importo qual é teu santo padroeiro, mas rezo para os meus quando você for atravessar a rua. Quantos amores você teve eu não me importo, nem qual o seu time, partido. Não me importo se você prefere Romeu e Julieta ao invés de Tristão e Isolda. Não me importo qual perfume você usa, desde que deixe seu cheiro pela casa para que até na sua ausência sinta sua presença.

Importante que haja reciprocidade, que você me diga sim. Que ao seu lado eu me sinta confortável, que me desperte a vontade de ser alguém melhor. Que você possa segurar a minha mão e um pouco do meu mundo. Que principalmente siga os meus exemplos, porque desde que eu comecei a me respeitar, não admito que ninguém faça o contrário.


Michelle Oliveratto

Mineira, estudante de música e observadora incansável do mundo. Para mim escrever é preciso, navegar nem tanto. Sigo tentando acalmar toda folha em branco que se aflige com esse silêncio pautado.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious //Michelle Oliveratto