insoniando

Da necessidade de falar. Normalmente perturbada por noites insones.

Bruna Costa

Curiosa profissional, historiadora da arte nas horas vagas. Tem vontade de conhecer e abraçar o mundo com todas as forças, mas só depois desse cafezinho.

Ela é feita pra apanhar, ela é boa de cuspir

“Malèna”, trama dirigida por Giuseppe Tornatore, é dilacerante por si só, e mais dilacerante ainda por ser familiar demais. Malèna é parte de todas nós, que diariamente sofremos julgamentos e apedrejamentos muito antes e, como bem sabemos, muito depois da absolvição de Cristo.

ma5d.jpg

Era pra ser mais um filme no contexto da Segunda Grande Guerra, numa região da pacata Sicília. Através da perspectiva microscópica de um rapaz na puberdade, começando a ser moldado por um meio opressivo e patriarcal, observamos lenta e deliciosamente a paixão que Renato desenvolve por Malèna Scordia (espetacularmente interpretada por Monica Bellucci), uma senhora que, como tantas outras, espera seu companheiro retornar da guerra, sem filhos ou família para ampará-la, mas conhecida por ter uma beleza descomunal. Mesmo introspectiva e indiferente, Malèna desperta a curiosidade e a maldade dos homens, mulheres e até dos meninos da região. Seu andar pelas ruas é um acontecimento. As pessoas não hesitam em verbalizar deboches e ironias moralistas, além de fuzilá-la com olhares. Renato é o único que, além de amor, sente admiração e compaixão pela mulher, ao invés de descarregar seus desejos e revoltas mais primários sobre o mais vulnerável ser.

Chega a notícia do falecimento do marido de Malèna, sobre a qual até então só recaíam boatos e ofensas. O então “caminho livre” faz os homens tomarem coragem de se aproximarem dela, e as mulheres, mais ódio. Como se a única razão para não cometer uma violação era que, mesmo por trás de sua repugnante beleza, havia um homem a quem respeitar. Renato acompanha tudo, sem nunca ter coragem de proteger a amada de forma ativa, mas funcionando como um fantasma que a circunda e protege sua honra silenciosamente, cometendo pequenos delitos contra os agressores verbais. A crise gerada pela Guerra agrava a situação da mulher, e então Malèna começa um jogo de luta pela sua sobrevivência, seja ela digna ou não, num mundo que a objetifica e se aproveita dela de forma mais conveniente. Uma cena que demonstra sutilmente sua situação vulnerável é quando Malèna aparece nas ruas, novamente secada por olhares, e senta-se numa mesa de bar de uma região muito movimentada, põe um cigarro na boca e prontamente todos os homens do entorno se levantam e a cercam para oferecer o seu fogo. Malèna tem um olhar de desamparo. Ela sabe o que a sociedade fez dela, e não consegue ver uma saída.

MALENA1.jpg

Escrevo este texto por identificação. Lembrei-me de Grace (Nicole Kidman) em Dogville. Lembrei-me da Geni e o Zepelim de Chico Buarque. Pode-se representar uma trama de mais de meio século, mas ainda me parece tão atual. Lembrei-me de mim mesma e de todas as mulheres que têm seus corpos e objetificados e suas ideias ignoradas por uma sociedade que se sente dona de seus direitos. Que viola e oprime até o seu limite. Usa-se a religião, a natureza e a moral como desculpa, mas é na verdade um desejo quase animalesco de querer se apropriar de um ser aparentemente mais frágil, devorá-lo e sugar suas características aproveitáveis de modo mais conveniente. O que as faz pensar que se deve respeitar os indivíduos de acordo com o gênero? É um imperialismo de um homem ocidental que não enxerga ninguém como igual senão outro homem ocidental. E mulheres que mesmo inconscientemente não veem outra alternativa senão dar mais voz a essa crueldade de tradição milenar. Mas não se enganem: a hora da opressão a vocês irá chegar.

Malèna é a prova de que, não importa como você aja, os padrões que siga, as normas que respeite; o corpo de uma mulher nunca é dela por direito. Sua liberdade jamais será respeitada. A menos, é claro, que se submeta a imagem de um respeitoso homem. Sonho com o dia em que esses filmes atestarão um passado opressor que jamais viveremos. Quanta realidade mais eu vou ter de assistir até parar de ver a verossimilhança com a ficção?


Bruna Costa

Curiosa profissional, historiadora da arte nas horas vagas. Tem vontade de conhecer e abraçar o mundo com todas as forças, mas só depois desse cafezinho..
Saiba como escrever na obvious.
version 5/s/cinema// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Bruna Costa