inteligência evolutiva

Do óbvio ao inacreditável

Alexandre Pereira

Escritor, acadêmico de Comunicação Social, Educador Físico, Youtuber, Blogueiro e Pesquisador da Consciência. Penso que a Ciência é o caminho menos pior que irá nos levar as estrelas ao invés da destruição. Também vejo que o autoconhecimento é o caminho que nos levará a iluminação ao invés da autodestruição. Mais matérias e informações em: www.dimensaomental.com.br

Jesus e O Grande Inquisidor

Uma pergunta que nunca se calou foi: e se Jesus voltasse? O renomado escritor russo Dostoiewsky, em um trecho da obra "Os Irmãos Karamazovi", apresenta um texto intitulado “O Grande Inquisidor” que aborda justamente o retorno e o encontro desse messias com o alto clero da igreja em plena época da inquisição.


Religious-Christian-Cross.jpg

Existe uma passagem genial no livro “Os irmãos Karamazov“, escrito pelo russo Fiódor Dostoiewsky, intitulada “O grande inquisidor”, que narra o retorno de Jesus a Terra em plena época medieval. Nessa divagação sobre o que teria ocorrido caso o mesmo voltasse em meio a terrível fase da inquisição europeia, o pensamento do autor termina por escapar do convencional e adentra possibilidades e fronteiras até então desconhecidas.

O que aconteceria se Jesus descesse dos céus? Qualquer pessoa provavelmente acharia fácil a resolução dessa questão, especialmente numa época onde o conhecimento e a informação se resumia a privilégio de poucos. No entanto, Dostoiewsky simplesmente explodiu o senso comum de que todas as pessoas se curvariam e adorariam Jesus como salvador.

Nessa passagem ocorre justamente o contrário. Ao invés de assumir seu posto frente a igreja e a população, Jesus é preso e questionado pela inquisição e tem um final surpreendente. A primeira vista pode parecer algo forçado, mas o encadeamento e a argumentação apresentada mostra que tal atitude poderia ser plausível e provavelmente correta. Eis alguns trechos do diálogo dos líderes religiosos inquisidores que vociferam diante de um Jesus confinado e calado.

"Não tens o direito de acrescentar uma palavra mais ao que já disseste outrora. Por que vieste estorvar-nos?"

"Ignoro quem tu és e não quero sabê-lo: tu ou apenas sua aparência; mas amanhã eu te condenarei e serás queimado como o pior dos heréticos, e esse mesmo povo que hoje te beijava os pés precipitar-se-á amanhã, a um sinal meu, para alimentar tua fogueira. Sabes disso?"

"Tudo foi transmitido por ti ao Papa, tudo depende pois agora do Papa, não venhas estorvar-nos antes do tempo, pelo menos."

"Mas fica sabendo que jamais os homens se creram tão livres como agora, e, no entanto, a liberdade deles, depositaram-na humildemente a nossos pés. Isto é a nossa obra, para dizer a verdade: é a liberdade que sonhavas?"

"Nós os nutriremos, utilizando-nos falsamente de teu nome, e os faremos crescer. Sem nós, estarão sempre famintos. Nenhuma ciência lhes dará pão, enquanto permanecerem livres, mas acabarão por depositá-la a nossos pés, essa liberdade dizendo: “Reduzi-nos à servidão, contanto que nos alimenteis."

"Tu lhes prometias pão do céu; ainda uma vez, é ele comparável ao da terra aos olhos da fraca raça humana, eternamente ingrata e depravada? Milhares e dezenas de milhares de almas seguir-te-ão por causa desse pão, mas que acontecerá aos milhões e bilhões que não terão a coragem de preferir o pão do céu ao da terra? Será que só preferes os grandes e os fortes, aos quais os outros, a multidão inumerável, que é fraca mas te ama, só serviria de matéria explorável?"

"Diante de quem se inclinar? Porque não há para o homem, que fica livre, preocupação mais constante e mais ardente do que procurar um ser diante do qual se inclinar. Mas só quer ele inclinar-se diante de uma força incontestada, que todos os humanos respeitem por consenso universal."

"Não há, repito-te, preocupação mais aguda para o homem que encontrar o mais cedo possível um ser a delegar esse dom da liberdade que o infeliz traz consigo ao nascer. Mas para dispor da liberdade dos homens, é preciso dar-lhes a paz da consciência."

"Em lugar de te apoderares da liberdade humana, tu ainda a estendeste! Esqueceste-te então de que o homem prefere a paz e até mesmo a morte à liberdade de discernir o bem e o mal? Não há nada de mais sedutor para o homem do que o livre arbítrio, mas também nada de mais doloroso."

"Tu não desceste da cruz, quando zombavam de ti e gritavam-te, por derrisão: “Desce da cruz e creremos em Ti”. Não o fizeste, porque de novo não quiseste sujeitar o homem por meio de um milagre. Desejavas uma fé livre e não inspirada pelo maravilhoso. Tinhas necessidade de um livre amor e não dos transportes servis dum escravo aterrorizado."

"Nós os persuadiremos, por fim, a não se orgulharem, porque foste tu, elevando-os, quem os ensinou a serem orgulhosos; provar-lhes-emos que são débeis, que são crianças dignas de dó, mas que a felicidade infantil é a mais deleitável."

"Dir-lhes-emos que todo pecado será redimido, se for cometido com nossa permissão; por amor é que lhes permitiremos que pequem e assumiremos o castigo de tais pecados. Amar-nos-ão como a benfeitores que tomam a si a carga de seus pecados perante Deus. Não terão segredo algum para conosco."

Entretanto, a grande questão que fica é o que ocorreria caso um líder espiritual, independentemente de qual religião, realmente descesse dos céus nos dias atuais. Como as pessoas se comportariam? Quais os impactos sociais? Como seria o tratamento dado pela mídia? Apesar dessas e de outras centenas de questões pertinentes, nota-se que as sociedades ocidentais e orientais, apesar de todo avanço conquistado, ainda não possui bases sólidas de sustentação.

Não refiro apenas as questões econômicas, já que um surgimento como esse provavelmente traria inúmeros colapsos tanto na bolsa de valores quanto nas outras atividades profissionais. No entanto, o ponto central aqui é que provavelmente as pessoas não acreditariam que tal evento seria real, sem falar na reclamação pelos problemas pelo mundo. Se na passagem referida a inquisição foi seu novo algoz, será que atualmente o pentágono ou grupo similar deixaria esse líder livre?

Mesmo a humanidade em sua maioria tendo uma religião e acreditando em profecias e revelações, as populações parecem não estar dispostas em aceitar eventos que não sejam magníficos e assim compatíveis com sua imaginação de ocorrências divinas. Há um fosso que separa a expectativa ilusória do religioso com a realidade prática cotidiana.

O objetivo aqui nem é entrar nos méritos de Jesus ainda não ter descido dos céus, como foi anunciado e falado por tantos séculos, e fez legiões de fiéis aguardarem ansiosamente pelo ano 2000. Como as previsões não se concretizaram agora o discurso religioso se limita a afirmar que voltará no fim dos tempos, seja lá quando for isso.

Do mesmo modo que líderes religiosos não querem perder o seu prestígio ou os fiéis exigindo que suas vontades sejam atendidas, a vida pública de quem é aclamado como o próprio Deus, notadamente depois do Concílio de Nicéia, não seria nada fácil e uma espécie de "crucificação" moderna não estaria descartada.

Talvez a maior vitória de Dostoiewsky tenha sido o vislumbre da natureza humana, que horas é lúcida e comedida e noutros momentos incoerente e agressiva. Ainda que Maomé, Odin, Zoroastro, Buda ou outra figura mítica surgisse e desafiasse nosso senso de credulidade tenha a certeza de que seriam fortemente atacados. Afinal, o ser humano sabe acolher as coisas como são ou apenas afagar o que corresponde aos seus anseios?

Num mundo cada vez mais polarizado é terrível pensar que um "inquisidor" está no íntimo da maioria das pessoas. Ou seja, um juiz interno que rapidamente julga e condena sem espaço para opiniões divergentes. Ficam os votos de que a humanidade seja cada vez mais avançada nas questões emocionais a fim de que num futuro próximo não nos resumamos a seres infantis com tecnologia avançada. Atualmente você é um grande inquisidor?


Alexandre Pereira

Escritor, acadêmico de Comunicação Social, Educador Físico, Youtuber, Blogueiro e Pesquisador da Consciência. Penso que a Ciência é o caminho menos pior que irá nos levar as estrelas ao invés da destruição. Também vejo que o autoconhecimento é o caminho que nos levará a iluminação ao invés da autodestruição. Mais matérias e informações em: www.dimensaomental.com.br.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Alexandre Pereira