j. domingues

Velejando no imenso oceano da vida.

José Domingues

Designer Gráfico por profissão. Ilustrador por vocação. Escritor por paixão pura!

Antes de 50 Tons de Cinza existia 9 ½ Semanas de Amor

Depois da explosão 50 Tons de Cinza, creio que muita gente ainda não conhece 9 ½ Semanas de Amor.
Assim como Tristão e Isolda foi inspiração para Shakespeare escrever Romeu e Julieta, acredito que Adrian Lyne influenciou E.L. James.


kim3.jpg

Para quem ainda não conhece, na década de 80 foi produzida uma película dirigida por Adrian Lyne, protagonizada por Mickey Rourke e Kim Basinger (ambos no auge da forma física!). Derivada do livro (baseado em fatos reais), autoria de Elizabeth McNeill, que narra sua incrível experiência após ter conhecido um estranho em uma feira pública, 9 ½ Semanas de Amor se tornou, na época, o filme erótico de maior sucesso da história do cinema.

Se em 50 Tons de Cinza há um milionário esnobe e sedutor, Christian Grey (Jamie Dornan), em 9 ½ Semanas de Amor, porém, é o misterioso John (Rourke) quem dita as cartas. Ambos ricos e independentes, cultivam em si a predileção pelo sexo intenso e desprovido de pudor. No primeiro, é a modesta e quase ingênua Anastasia Steele (Dakota Johnson) quem participa dos jogos sexuais nada ortodoxos do então Mr. Grey. No segundo, é a bela e sexy Elizabeth (Basinger) quem se entrega, incondicionalmente, nas mais loucas fantasias eróticas do misterioso John.

kim2.jpg

Em 9 ½ Semanas de Amor, os jogos de sedução e erotismo, tendo como pano de fundo a canção de Bryan Ferry (“Slave to Love”), dão o tom de poesia e romantismo ao filme. Longe de ser vulgar, a relação do casal é alicerçada pela paixão desenfreada de Elizabeth por seu amante, na medida em que experimenta novas formas de fazer amor. O envolvimento sem rédeas e a apreciação excessiva pelo prazer sexual isenta a maior parte do filme de diálogos gratuitos, valorizando apenas os momentos vivenciados pelos protagonistas.

Ao contrário de 50 Tons de Cinza, os jogos sexuais de 9 ½ Semanas de Amor são bem mais criativos e, com uma dose de humor na medida certa, longe de ser sadomasoquista ou banal. Além disso, John e Elizabeth possuem uma química que o casal de 50 Tons não transmitem.

Kim Basinger, no auge de sua beleza e juventude, elevava os hormônios dos marmanjos da época. Uma das cenas mais memoráveis do filme era composta pelo strip tease que Kim Basinger realizava ao som da música “You Can Leave Your Hat On”, do lendário cantor Joe Cocker. A música acabou virando uma das mais tocadas em clubes de strip tease em todo mundo.

kim1.jpg

Saudosismo à parte, 9 ½ Semanas de Amor é um filme atualíssimo, é claro que, na época em que foi produzido ainda não havia o celular e, a internet não era utilizada para meios de entretenimento. O Facebook e as Redes Sociais ainda estavam bem distantes de se tornarem realidade. Fora esses pequenos detalhes, o filme esbanja sensualidade e carisma dos protagonistas. O fetiche de cada cena, o jogo de cama com ingredientes de guloseima inspiram os casais mais exigentes.

Se você ainda não teve a oportunidade de assistir 9 ½ Semanas de Amor, com certeza irá curtir e degustar. No decorrer do filme, encontrará algumas semelhanças com 50 Tons de Cinza, é claro. Mas terá uma breve sensação de que, Mr. Grey apenas tenta imitar, de forma grosseira, o que John realizou com prazer e sensualidade. Afinal, vinho bom é o antigo.


José Domingues

Designer Gráfico por profissão. Ilustrador por vocação. Escritor por paixão pura!.
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/cinema// @obvious, @obvioushp //José Domingues