lilian lima

Universo literário

Lilian Lima

Graduada em Comunicação Social (Rádio e Televisão). Paulistana; gosta de dias nublados, leituras densas, música, cinema, gastronomia, e escrever.

PERSONALIDADE E ESCRITA: os ermitões mandam lembranças

Personalidade como matéria prima e parte intrínseca da produção literária e o mercado literário


personalidadeeescrita800x400.jpg

Temos relatos de que muitos escritores foram do tipo recluso. Emily Dickinson; Jerome David Salinger; Marcel Proust, por exemplo.

Emily Dickinson em vida publicara muito pouca coisa e de forma anônima, como era comum às mulheres. Somente depois de sua morte, sua volumosa obra fora toda publicada. Ela é tida como uma das escritoras mais reclusas que se têm notícias na história recente da literatura. Tanto que a denominaram de ‘A Grande Reclusa’.

Salinger, já era um tanto recluso antes de ser reconhecido como escritor e depois de lutar na II Grande Guerra, foi gradualmente se afastando da vida social e nada mais publicara; embora não tenha parado de escrever. Já Proust, ao que parece não fora recluso até que a mãe viera a falecer.

Ainda nesta lista dos reclusos, sempre são citados os escritores brasileiros Raduan Nassar; Rubem Fonseca e Dalton Trevisan que tiveram cada qual motivos para a reclusão - os três ainda vivem -. E tantos outros escritores que poderíamos citar como Thomas Pynchon; Harper Lee; Don DeLillo; J. M. Coetzee, por exemplo.

Quando o assunto é mercado editorial da atualidade — ao menos no Brasil —, têm sido cada vez mais recorrentes as opiniões de que o escritor do tipo 'ermitão', recluso, está com seus dias contados. A não ser, que ele se adapte a nova tendência da interatividade. O que significa fazer justamente o que ele mais evita: dar o ar da graça. Ou seja, ir à contramão das circunstâncias de sua reclusão ou mesmo, de sua personalidade.

estanteslivros800x400.jpg

Não tem como visualizar este panorama distanciados do olhar humano e sobretudo, do ponto que mais interessa no caso em questão; o artístico. Se é o fim de escritores 'ermitãos', podemos pressupor que possa ser também o fim de muita literatura genial. E aí que está o cerne desta questão: o escritor deve mudar aquilo que talvez seja justamente o que o faça produzir; e bem?

Tenho para mim que grandes escritores produzem grandes obras por serem justamente o que são. O que seria de um escritor vibrante e comunicativo se fosse obrigado a viver como um ermitão? Isto influenciaria em sua obra? Tendo a pensar que sim. E a diversidade literária para onde vai? Somos nós leitores obrigados a nos privar dela e a consumir só o que o mercado estrategicamente se presta a publicar?

Vejo certa ironia neste assunto. Pois obras literárias podem simplesmente não vender mesmo com forte apelação midiática e super exposição do autor. Isto porque há literatura difícil de ser consumida. A história literária tem seus exemplos.

Muitas obras demoraram a serem consagradas e escritores não se valeram do reconhecimento imediato e a sua altura tão logo em qualquer época que fosse. Independente de estes serem reclusos ou não. Por este prisma, a 'sentença do fim dos ermitãos’ chega a ser cômica para não dizer, injusta. Tanto com estes escritores quanto com seus leitores.

Ainda hoje adquirimos obras de escritores onde a interatividade com estes é impossível: os clássicos. As adquirimos porque resistiram ao tempo. Resistiram ao tempo e são considerados clássicos porque são geniais. Escritores e obras vêm e vão, mas quem permanece em nada tem a ver com a interatividade do escritor.


Lilian Lima

Graduada em Comunicação Social (Rádio e Televisão). Paulistana; gosta de dias nublados, leituras densas, música, cinema, gastronomia, e escrever..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Lilian Lima