VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS

Que a intenção deste texto seja alcançada: o contato com um novo olhar, o entendimento de outras perspectivas e a vontade inexorável de prosseguir questionando, buscando a sua versão da história

Do mais lindo azul

E desta bela paisagem, de magnânima extensão e profundidade, emerge o maior sentimento...


Azul profundo. As linhas esbranquiçadas da espuma contrastavam com o denso mar, imponente e tranquilo ao mesmo tempo. O sol se despedia do horizonte, pouco ainda se via deste enquanto era tragado pela água. Algumas rochas ao fundo se rebelavam contra as ondas e formavam um forte natural contra qualquer monopólio de poder ou arrogância – algo a se pensar, talvez todos precisássemos das rochas nos recordando sobre os limites da ingênua ilusão por trás do sonho de supremacia. Um acordar como o do vento, que impulsiona a maré.

Tons alaranjados e raios rosados acompanhavam o distanciamento do sol enquanto outro azul profundo – ora competindo ora em sinergia com o oceano – surgia na paisagem cada vez mais reflexivo. Algumas estrelas já eram visíveis e o velho homem sentado em sua varanda apenas aguardava o domínio da noite.

Dizem que uma vida não é feita de períodos totalmente felizes, mas de instantes prósperos frente a desventuras, igual à fênix: imortal pelo fato – um tanto paradoxal – de morrer e ter a oportunidade de renascer de suas cinzas.

Triste não ter dado tanto valor ao que tinha como agora. Por que agora? Agora não é tarde demais? Será que nós viveríamos de outra maneira se hoje fosse o único dia da existência? Claro! Contudo, quem sabe o segredo da vida seja exatamente não pensarmos assim. Se aquele velho homem percebesse todos os dias o que tinha nas mãos, talvez algum momento como aquele se perdesse. Talvez o sonho de grandeza devesse preceder a humildade. Quem sabe a experiência do mais velho não coubesse mesmo no espírito do mais jovem. E se essa fosse a engrenagem do mundo, viver conforme seu tempo?

Aquele instante representava esperança, ele precisa de momentos para pensar em tudo e aqueles em que nada passava em sua mente. Ele amou alguém, porém ainda precisava de horas sozinho. Ele tinha a paisagem, mas não podia usá-la como uma de suas ideias, no momento que quisesse, deveria surgir como uma inspiração acima de tudo, além do controle e do planejamento.

Não foi assim que ele imaginou estar hoje observando o céu, o mar e qualquer sinal de vida ao seu redor. Ele não queria estar sozinho; ao mesmo tempo, ele não mudaria um passo sequer de sua trajetória. Aquela era a palheta de cores mais perfeita, mais linda. Ele nunca reparava, sua esposa é quem falava sobre a beleza do que estava à frente.

Era com ela que ele queria estar hoje. Não deu, não foi o que ele planejou. Por anos sozinho, mas jamais abandonado. O amor não abandona e nem sua esposa o abandonou. Ela não teve culpa, acho que ninguém teve, a vida é assim, não pede licença, somente acontece e traz reviravoltas para destituir as certezas vigentes. A esposa não está mais aqui, ele está.

Mas hoje é diferente de todos os dias, ele tem certeza que é o último dia. Por quê? Porque nada está do formato que planejou, nada nem próximo do que ele já considerou. Mesmo assim, é lindo aos seus olhos. “E se ela não estiver mais aqui? Ela vai estar, obviamente. Eu vou primeiro”. Aquele homem não gostou nada de sua premissa ser a primeira promessa quebrada, como se, ao falar seus planos, a vida fosse acatar de bom grado instantaneamente. "Estaremos com nossas filhas... Nossos netos!”, não foi bem assim, eles tinham que estar em outro lugar e nunca pareceu tão certo, nem nos sonhos.

“Não me importa se for um hospital, um asilo, a rua...”. Para ele, não fazia diferença mesmo, entretanto valeu a pena mudar de direção. Naquela casa, não. Naquela casa, sim. A casa que eles construíram, que eles arrumaram, a casa deles, a vista mais linda. Parecia que ela estava ali, sentada ao lado dele, descrevendo cada luz, cada nuance a mais que surgia aos olhos.

Não era ele pensando, era ela, ou, quem sabe, fosse mesmo ele, uma versão mais conectada com um universo absurdamente mais longínquo do que a humanidade já considerou.

Não era para ser ali, daquele jeito, naquele dia. Não era, mas foi, ainda bem. De todos os livros, de todos os autores, aquele fim soou melhor e o tom de surpresa – que o homem tanto odiava – foi um detalhe hoje insubstituível. Quando planejaria aquela reflexão, aquele segundo precioso intransferível e impensável? A luz não podia ser pensada, apenas existir e ascender.

Uma vida inteira repleta de histórias, aprendizados, orgulho e amor; nada disso se esvairia com o ar como arquitetava. Não acabaria assim. Seria improvável dissipar essas conquistas exatamente por serem imaterializáveis. “Será que eu errei em tudo? Não. Acertei bastante e, tão importante quanto, hoje vou me orgulhar dos erros que me trouxeram a este lugar neste instante”.

Talvez ele pudesse ter feito mais, ter feito outras coisas... Que os próximos façam. Não é essa a roda da vida? Sempre teremos do que nos arrepender e contraditoriamente continuaremos errando. Se não fosse dessa forma, seria presumível uma perda total do sentido de estarmos aqui. Aprender o quê, afinal?

“Se tudo acontecesse como eu queria... O elogiável é não ter ocorrido, agora eu entendo”. E a noite já havia caído, o olhar se fixou no azul mais denso, que se transformava rapidamente em negro. Uma noite negra, linda, nem um pouco planejada por ele. As estrelas cintilavam e a lua aparecia timidamente ao fundo. As ondas estavam mais revoltas e as pedras aumentavam a altivez.

“Eu era importante para os outros, na minha cabeça. Antes. Agora, sou importante para a vida, para mim, mas não diferente das estrelas, da lua ou do sol, que desapareceu mesmo que alguém se opusesse. O segredo é que eles sempre voltam, mesmo que somente na lembrança de uma pessoa que notou que havia algo lá. É assim que vou terminar meus dias, com uma inédita e, a partir de hoje, indispensável crença na imprescindibilidade de a humanidade persistir, graças e apesar de eu ter vindo”.

“Sei que Deus e o universo (ou o que quiser acreditar) podem me amar, porque sou capaz de retribuir tal sentimento. Com o olhar de Ulisses e o de Penélope sobre o mar excentricamente calmo enquanto revolto, percebo que cumpri minha missão e, triste pelo fim, sinto-me certo de estar em casa, que valeu a pena vir”.

Antes de cerrar os olhos, ele pôde ver a vista mais linda. Desviando a visão do mar, esbelto por natureza, o velho homem encontrou porta-retratos com toda a sua família, com sua esposa. As lembranças inundaram a varanda, uma profunda paz o cercou, maior em extensão e profundidade do que um oceano, era AMOR.

E ele pôde fechar os olhos sabendo que, de todas as cores, de todos os tons, de todos os azuis que o mar e o céu pudessem espelhar, aquela era a paisagem mais linda do mundo.

deepblue.jpg Pinturas de Vladimir Volegov


VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS

Que a intenção deste texto seja alcançada: o contato com um novo olhar, o entendimento de outras perspectivas e a vontade inexorável de prosseguir questionando, buscando a sua versão da história.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// //VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS