VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS

Que a intenção deste texto seja alcançada: o contato com um novo olhar, o entendimento de outras perspectivas e a vontade inexorável de prosseguir questionando, buscando a sua versão da história

O que a vida tem de melhor?

Dentro de um filme como "Todo-Poderoso", podemos notar a sutil arte de pedir e saber usar o que se recebe.


Bruce Nolan não entende porque Deus o estaria ignorando. Por que todos realizam seus sonhos enquanto ele não? Ao mesmo tempo, sua namorada Grace se frustra não pelo fato de ele almejar outras coisas na vida, mas por parecer não dar valor ao que já conquistou.

Bruce pede sinais a todo o momento para Deus. Porém se recusa a vê-los. A pergunta que o público pode fazer a Bruce nesse momento é: você não vai abrir os olhos e enxergar o que está à sua frente OU você vive apenas pedindo coisas sem saber como usar o que pode vir? Quer, mas está mesmo pronto para o que lhe é dado? E não seríamos nós como Bruce?

Se Bruce visse cada detalhe de sua vida sob diferentes prismas, algo mudaria? O valor que atribuímos aos sonhos e às conquistas muda a visão final sobre nossa vida?

Então, chegamos ao grande ponto da história de Bruce. Quem nunca se imaginou na gestão de algum dilema e até no lugar de Deus, crendo que faria muito melhor do que qualquer outro? Como observadores, a visão parece tão mais clara da situação... Até assumirmos aquele posto. Quem observa o nadador - por mais acurada que seja sua análise sobre o evento - não consegue reproduzir a mesma atitude quando está imerso.

A notável concepção do filme é dar a Bruce a tão sonhada onipotência, o poder de resolver tudo com um estalar de dedos. Mas para isso é necessário saber como resolver os problemas e, então, usar esse poder. Sabemos usar apropriadamente nossas ferramentas para lidar com as situações com que nos deparamos ou nos contentamos com meros truques de mágica para nos esquecer do que nos aflige?

bruce2.JPG

E, além dos truques, há consequências até para nossos menores atos. O "não", o "sim" e seus nuances interferem em nossa vida e a dos demais. Quer dizer que Bruce sempre teve algum grau de poder. Então, como lidamos com cada coisa pode interferir na consequência?

O poder é uma arte, entender o tamanho do impacto que cada um pode causar no resultado final. Não basta ter poder, é fundamental a forma como se usa, como um artista.

Em uma semana no lugar de Deus, o que Bruce fez? Ele diz que quer ajudar o mundo, mas não consegue nem ajudar a si mesmo, dentro das armadilhas entre querer e precisar em sua vida. Pensar que sabe o que fazer não é sinônimo de saber mesmo... Em algum momento, parou e escutou aos demais, a si mesmo?

Como ajudar todo mundo? "SIM" para todos, felicidade instantânea! Mas nem tudo o que queremos nós precisamos ou queremos de verdade. Nem sempre é tão simples resolver os problemas e "ser feliz", porém os truques de mágica sempre conseguem nos encantar. Sonhar tem a ver com idealizar a vida em algum nível. Tomar decisões por impulso pode ter seu valor, mas na vida precisamos de vários momentos de reflexão sobre o real valor que cada coisa merece realmente de nosso tempo, dedicação e sacrifícios.

Talvez dar tudo o que todos supostamente querem ou acreditam precisar não seja a chave da felicidade. E, antes de fazer coisas pelos outros, precisamos fazer coisas por nós mesmos. Só se conhece o próximo quem primeiro olha para dentro de si. E nunca sabemos o suficiente de nós, muito menos dos outros. Por isso falhar é humano.

Um momento sublime ocorre quando Bruce não entende como ele no lugar de Deus não consegue fazer Grace amá-lo. E se depara com o misterioso e intrincado livre arbítrio. Amar a Deus, a si mesmo e ao próximo exige LIBERDADE, tamanha a grandeza deste sentimento.

⁃ ME AME!!!! - Bruce exige e implora ao mesmo tempo.

⁃ Eu amei. - Grace retruca triste.

E a pergunta: onde você estava enquanto as pessoas com quem você se importa te amavam? Enquanto você persegue seus sonhos, o que está deixando para trás? É importante progredir desde que haja real progresso, que paremos para refletir o real valor, a importância de cada coisa, e pagar o preço mais próximo do merecido a cada um. Talvez um momento de real felicidade, de satisfação, surja quando assumimos o papel de protagonista da nossa história.

Não basta pedir os sinais, temos que enxergá-los quando aparecem e assumir nossa função para utilizar o que pedimos na vida.

Seria tarde demais para chegar a esta conclusão? Não. "Você chegou na hora certa". A sua vida deve ser protagonizada por você mesmo. Nunca é tarde para esclarecer de quem é o papel principal desse livro. Deixar claro para o grande leitor, que é você. Essa história importa realmente para você, não para um público vazio que aplaude sem saber ao certo o que aplaude enquanto você também não entende o que estão aplaudindo.

bruce1.jpg

Saber trabalhar o que é importante e preservar o essencial. Saber dar valor às coisas. Fazer algo bom por você e pelas pessoas. Isso é um milagre.

E nessa jornada não há tempo de tentar ser Deus, é um fardo muito grande. Primeiro precisamos melhorar como pessoas, que já é um desafio majestoso o suficiente para o pouco tempo que temos aqui. Encontre-se.

A oração mais bonita de Bruce para Deus foi quando ele deixou os discursos decorados de lado e olhou para dentro de si e se descobriu mais ainda. Descobrir o que realmente importa: aí temos um milagre. Milagres não precisam ser inexplicáveis, apenas desafiam as chances de tudo que podia dar errado e convergem para o melhor.

E quando você terminar sua missão em fazer a melhor gestão possível como humano, talvez a partir daí possamos pensar em um cargo maior, não acha?

bruce3.JPG


VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS

Que a intenção deste texto seja alcançada: o contato com um novo olhar, o entendimento de outras perspectivas e a vontade inexorável de prosseguir questionando, buscando a sua versão da história.
Saiba como escrever na obvious.
version 4/s/cinema// @obvious, @obvioushp //VICTÓRIA AMPESSAN DAMAS