luciana landim

Devaneiador

LUCIANA LANDIM

Uma garantia chamada Faculdade

Será que é melhor fazer uma faculdade qualquer só pra ter no currículo, ou apostar em fazer o que gosta mesmo que isso implique em se sentir excluído?


Fotolia_64512739_Subscription_Monthly_M.jpg

Não é raro eu escutar de amigos e colegas porque ainda não terminei uma faculdade. Todos os dias alguém vem sempre me dizendo que eu "preciso" ter uma faculdade.

Será mesmo?

Eu olho para os meus colegas de trabalho, executando suas tarefas, fazendo seu trabalho da melhor maneira possível, e a grande parte está bem distante da sua área de formação. Porque? Porque nossa sociedade não faz nenhum sentido.

Brincadeira à parte me pergunto: o fato de não ter uma faculdade, me tira qualquer direito de encontrar dignidade no meu trabalho? De ser competente? Ou de ser uma profissional renomada? Não! Mas porque continuamos insistindo nessa credencial, nessa marca curricular que me fará passar teoricamente de uma coisa para outra?

Eu reluto (ou relutava) com a ideia de cursar uma faculdade, porque pra mim não fazia sentido algum fazer algo por fazer. E veja, eu tentei. Quando entrei no curso de Comunicação Social, eu realmente via função naquilo. Desde as tarefas até as discussões em sala, tudo me parecia fazer muito sentido. Então me mudei de cidade e percebi que talvez aquilo não era o que eu queria, e tranquei minha matrícula.

Fui viver novas experiências, trabalhei com diversas coisas distintas, e aí, ouvindo o murmúrio da multidão "vai estudar, vagabunda" tentei pela segunda vez, agora o curso de Jornalismo. Também não encontrei sentido no que eu estava aprendendo com relação ao que eu estava fazendo da minha vida. Tranquei novamente a matrícula.

E porque? Porque pra mim continuava não fazendo sentido ter uma faculdade por ter. É inacreditável o número de pessoas que te dizem: "ah, mas faz qualquer coisa, qualquer coisa mesmo, pelo menos vão te chamar para entrevista" ou ainda: "assim você nunca vai conseguir um bom emprego ou fazer uma carreira".

Parece que só existem duas alternativas!Ou você se forma ou vai ser pra sempre um fracasso! E uma grande parcela faz isso, para se livrar do suposto insucesso em não ter uma formação. Cursa uma faculdade qualquer, sem estudar, sem ler, sem formar pensamento crítico. Aí se forma e consegue um emprego maravilhoso numa empresa bacana, multinacional ganhando milhões por mês? Não preciso nem dizer que isso é uma inverdade. Basta você ver quantas pessoas com pós graduação estão aí a procura de emprego.

As credenciais necessárias nunca acabam! Se formou? Morou fora? Fala quantos idiomas? Tem pós? E MBA? E doutorado?

Como eu disse, a maior parte das pessoas que eu conheço, se formou em uma coisa e está fazendo outra. As pessoas mudam de opinião e isso é ótimo! A maior parte delas enfrentou os mesmos problemas que eu enfrento "sem uma faculdade". Tiveram que galgar seus empregos, muitas vezes através de indicações, sofreram com as credenciais que as faltavam, depois foram em busca de novos desafios e começaram tudo de novo.

Não foi A faculdade que mudou tudo, foram as próprias pessoas. A trajetória delas foi definitiva para que elas se tornassem profissionais melhores, pessoas melhores.

Gosto de pensar também que existem empresas que tem nosso jeito, onde nos encaixamos onde nos sentimos bem e empresas que não batem com a gente. É como tentar buscar trabalhar numa empresa super formal, cheia de regras e restrições, sendo uma pessoa que busca liberdade, criatividade, informalidade. Não faz sentido! A mesma coisa se aplica a minha situação!

Uma empresa que busca funcionários gabaritados (mesmo que isso signifique apenas uma nome de uma escola num papel) provavelmente não me contrataria. Ou nem mesmo me chamaria para uma entrevista. Mas posso dizer de experiência que isso não evitou de maneira alguma que eu trabalhasse e que buscasse formas de compreender os contextos, de procurar fazer melhor, de estar informada, de ler e fazer acontecer. O fato de eu não ter um diploma pode ter me tirado algumas oportunidades mas me concedeu outras. Como por exemplo eu ter tentado viver do meu trabalho independente, procurado trabalhar com mais de uma coisa ao mesmo tempo, ter trabalho em empresas diferentes, para pessoas diferentes, ter me reinventado.

Eu poderia enumerar centenas de motivos positivos em se fazer uma faculdade. Vai por mim, meus amigos tratam de cuidar de me contar as vantagens toda vez que tocamos no assunto. Mas ainda assim, eu me cutuco pensando se quero mesmo essa credencial. Esse passe invisível para uma classe diferenciada dos "guerreiros", dos vencedores, essa tão incrível galera formada, apenas para ser mais uma na multidão, fazendo o que todo mundo faz. Ainda que esse vale imaginário nos distancie, acho nós todos muito parecidos. Apenas pessoas fazendo o que podem como podem, para tentar viver ou sobreviver!


version 1/s/sociedade// @obvious //LUCIANA LANDIM
Site Meter