luciana landim

Devaneiador

LUCIANA LANDIM

Você não é o seu emprego

Encontrar a felicidade no trabalho, não significa ser feliz todos os dias ou só fazer o que gosta!


pexels-photo-1331971.jpeg

Trabalhar é uma parte importante do dia a dia de todo mundo. Ocupa um tempo muito caro da nossa rotina desde o deslocamento até estar de fato trabalhando, fazendo social, participando de reuniões, etc. É a maior parte do nosso dia, mas não representa quem somos na verdade.

Nem mesmo se você for o dono, o líder, o chefe, o gestor, o coordenador, o gerente. Você não é o seu trabalho. Não só isso. Você é o que acontece enquanto trabalha, enquanto toma decisões, enquanto decide com quem vai almoçar, ou qual e-mail vai responder. Você é a soma dessas escolhas, somadas a todas aquelas que você faz e quase ninguém vê.

Mas seu trabalho mesmo, não é o que você é. Há muita glamourização em torno de ser Workaholic, vestir a camisa, fazer sua parte pelo time. Mas na verdade, essas frases são só representações de uma outra coisa.. Pode ser apenas: gostar do que faz. Quando você está realmente satisfeito, está tudo bem passar do horário, fazer um extra, dar aquele gás.

E não, pessoas insatisfeitas geralmente se arrastam para o trabalho e não vêem a hora de sair dali. Há um caso ou outro de necessidade mesmo, em que a pessoa tem que ficar ou se sente na obrigação, mas isso não é felicidade, é conformismo.

Na minha trajetória foi muito difícil encontrar satisfação e propósito ao longo do tempo. Primeiro por estar as vezes longe do que a empresa entregava de fato, atuando em áreas menos importantes, ou as vezes por simplesmente não acreditar que meu trabalho no final do dia fizesse a diferença.

Então, sair no horário era meio que o modus operandi. Veja, não é que eu não gostasse de trabalhar, eu só não via sentido no meu trabalho naquele lugar. Sentido, que também pode ser lido como Propósito. Parece um clichê para falar que devemos todos largar tudo o que estamos fazendo e ir fazer mandalas da paz e salvar o mundo. Mas propósito, tem muito mais a ver com conectar seus valores pessoais com o que você entrega no final do dia, do que com mudar o mundo, ou salvar vidas.

Tem a ver com estar feliz com o seu trabalho, com o que ele representa, apesar de todos os problemas que você possa ter no caminho. Apesar da politica da empresa, de escolhas que você não concorda, de fazer trabalhos que são maçantes ou chatos, de ter que preencher relatórios ou planilhas. Propósito tem a ver com saber que no final do dia, a balança foi equilibrada, sabe?

Teve uma pancada de coisa ruim, mas daí no final do dia, uma parada boa acontece e faz o dia todo valer a pena, ou você teve uma semana difícil mas recebe um feedback de cliente que transforma sua energia. É isso. Sem glamour, sem frescura, sem desconstruir ou romper com critérios.

Minha geração está perdendo a alegria no trabalho porque está iludida esperando pelo próximo truque de RH, pelo próximo entretenimento que a empresa possa oferecer ou coisa que valha.. mas se tudo isso só serve para você suportar ficar um tempo a mais no seu trabalho, é como ser torturado enquanto ganha massagem nos pés. Não rola!

Não sosseguei enquanto não encontrei sentido no que fazia, e posso dizer que estou mais satisfeita e mais feliz. Mas não conformada. Porque o propósito não está no emprego ou no trampo que você faz. O propósito está em você!


version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //LUCIANA LANDIM