lumière

Monólogos em preto e branco

Flávia Farhat

Reflexão sobre a Teoria do Caos

E se você não tivesse saído naquela noite? E se, pela manhã, tivesse acordado cinco minutos depois? Se tivesse tomado café preto, se tivesse freado no sinal?


choices.jpg

Você sai de casa pela manhã, no horário de costume, entra no carro e começa a dirigir até o trabalho. Você está cansado porque saiu na noite passada e tomou alguns drinks a mais, perdeu a carteira e não teve energia para preparar um café preto ao acordar. Você escolheu tomar uma xícara de chá. Você está sonolento, e acaba cruzando um sinal vermelho sem perceber.

Do outro lado do cruzamento, ela está ansiosa para chegar ao aeroporto. Ela acelera um pouco antes de ver o sinal abrir, porque não quer se atrasar. Seus carros colidem com força. Vocês descem para discutir; você, distraído, ela, agitada. Decidem que a culpa não foi de ninguém, mas você insiste em pagar os danos. Afinal, você fez com que ela perdesse o voo. Marcam um jantar. Depois outro e mais outro. Vocês se casam e você nem lembra mais do sinal que estava fechado.

E se você não tivesse saído naquela noite? E se, pela manhã, tivesse acordado cinco minutos depois? Se tivesse tomado café preto, se tivesse freado no sinal?

E se ela tivesse conseguido pegar o voo? E se escolhesse não parar o carro, se seguisse em frente depois da batida?

Essas perguntas começaram na década de 60, do mesmo jeito que quase todas as perguntas começam: com reflexão. O meteorologista Edward Lorenz realizava um experimento que simulava os movimentos das massas de ar, e ficou surpreso ao perceber que uma mudança microscópica nas condições iniciais podiam gerar consequências enormes no fim. Chamou de Efeito Borboleta. Chamou de Teoria do Caos. Reformulou: “O bater de asas de uma borboleta em Tóquio pode provocar um furacão em Nova Iorque”.

O novo pensamento transformou a forma como enxergamos o mundo. De repente, não existia mais certeza de nada, não precisava existir. O novo pensamento transformou crente em ateu. Foi fio condutor de excelentes filmes: De Volta Para o Futuro, Efeito Borboleta, Sr. Ninguém, Ponto Final. Esse último, uma aula de encontros e desencontros assinada por Woody Allen.

Nossas escolhas ganharam importância imensurável. Chegamos à conclusão de que cada passo dado, cada palavra dita, pode trazer consequências enormes e absolutamente desconhecidas para nosso futuro. E podem, certo? Tomamos decisões baseadas em nossas experiências de vida, pesando prós e contras e tentando mirar nos acertos. Jamais teremos certeza, entretanto, do que aquele outro caminho guardava para nós.

Agora entenda: a beleza da Teoria do Caos está justamente na possibilidade de mudança. Você não está destinado à infelicidade, ou à felicidade, ou à riqueza ou ao fracasso. Não existe um ponto final, uma linha de chegada. Você pode ir pelo caminho que bem entender, e se no meio da viagem descobrir que dobrou na esquina errada, pode ter certeza de que tudo aqui é passageiro. Porque daqui a pouco vai se deparar com um novo sinal vermelho, e vai poder escolher avançar ou parar, e tudo vai se transformar mais uma vez.

Perdemos o presente por estarmos presos ao passado, imaginando o que poderia ter sido se tivéssemos escolhido diferente, se seríamos mais felizes, se seríamos melhores. A Teoria do Caos quer que você entenda uma coisa: tudo sempre vai mudar, novas escolhas continuarão sendo feitas, e seu destino não está selado dentro de um envelope.

Por isso, não se apegue muito ao capítulo que você estiver vivendo agora, qualquer que seja. Daqui a pouco uma borboleta bate suas asas, e tudo muda mais uma vez.


version 13/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Flávia Farhat