mariana matutino

Não gostaria de entrar e tomar uma xícara de café?

Mariana Matutino

Geminiana, impulsiva, viciada em café e sorrisos.
Gosto de ler e às vezes escrever.

A SOLITÁRIA GERAÇÃO INSTAGRAM

Solidão é a nova dor de quem tem seguidores desconhecidos no lugar de amigos.


coffee-and-iphone.jpg

Com o aumento da oferta de internet de qualidade passamos boa parte do tempo conectados, principalmente através dos celulares inteligentes, os smartphones. Passamos a desligar o computador e depender unicamente de um dispositivo que pesa menos de 200gr e consome nosso tempo com todas as suas notificações e facilidades. Tantas facilidades que é quase impossível alguém dizer que não tem celular ou não pretende ter um.

Idosos, crianças, jovens... Todos no metrô, nas calçadas, no trânsito com a cabeça baixa checando notificações, jogando jogos, visualizando redes sociais e, porque não, tirando fotos.Em tempos que a resposta do SAC é mais demorada que uma reclamação via rede social, fotografa-se tudo, do buraco da avenida que a prefeitura não tomou uma providência a um leite estragado dentro da validade.

Redes sociais são para conectar pessoas e o fazem de forma esplendorosa, potencializam nossa personalidade nos aliando a pessoas que pensam de forma parecida. O instagram, uma dessas redes sociais, tem como foco as fotografias. Parece uma grande coleção de memórias, mas são fotos relativamente atuais, com algumas coisas diferentes das outras redes, os chamados filtros, que têm virado até nome de crianças recém-nascidas; coisa desse século cheio de revelações tecnológicas.

E a autopromoção? Oras, se a rede é feita através de fotos, o que seria melhor do que as fotos das próprias pessoas, seus hobbies, seus gostos, seus animais de estimação, onde vivem e por onde andam? Todos precisam saber sobre cafés de franquias multinacionais, todos precisam saber que se alimentar exclusivamente de suplementação química e malhar até a exaustão para alcançar a boa forma é o ideal.

Mas, será que realmente tudo isso é necessário para viver? Será que todas essas fotos, manipuladas por filtros e ajustes, revela verdadeiramente quem somos ou estamos nos tornando escravos delas, numa falsa ilusão de que só faz sentido quando é fotografado e postado?

Numa época em que a vaidade é cada vez mais exaltada, seja por um corpo malhado, seja por uma viagem a uma ilha paradisíaca ou simplesmente por estar ocioso em uma segunda de manhã - enquanto o resto do mundo “sofre” em seus trabalhos; lembro-me de ter lido o relato de uma jovem que excluiu sua conta do instagram, não aguentava mais ficar fingindo quem não era para “ganhar likes”, se sentia só. Faturou algum dinheiro, com as marcas que enviaram roupas para serem fotografadas? Sim, mas largou tudo porquê se sentia só, a vida de aparências não era para ela, ficar sem comer para manter a forma não era para ela, fingir felicidade em meio ao caos... Não era para ela.

Solidão. Temos milhões de seguidores, leitores, fãs, mas e aquele abraço apertado que só um amigo de verdade pode te dar, onde fica? E você, troca likes por amigos reais?


Mariana Matutino

Geminiana, impulsiva, viciada em café e sorrisos. Gosto de ler e às vezes escrever..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Mariana Matutino