minha mente

Minha mente é uma árvore e minha arte são seus frutos.

Gustavo Galli

Nada além de um pensador

Estamos sozinhas?

Pergunta inquietante nas mentes inquietas, a resposta é: sim! Estamos sozinhas, de um jeito ou de outro.


02.jpg A via láctea.

“Frequentemente, me surpreendo divagando, olhando para todo esse espaço enorme e aparentemente vazio acima de nós e aí me pergunto: "Estamos sozinhas?". Uma pergunta simples que, entretanto, acho que jamais serei capaz de responder. Passível de resposta ou não, ela permanece em minha cabeça... Na verdade, acho que é isso que a torna tão bonita: todo esse mistério e a (quase) certeza que nunca saberei a resposta. Tão curioso quando a própria pergunta é o fato de que a resposta seria assustadora, tanto para “sim” quanto para “não”.

Mas vamos supor que não. "Não estamos sozinhas". E agora? Olho à minha volta e vejo toda essa minha sociedade bem estruturada. Tudo sempre anda bem "aqui embaixo". Nada acontece de errado. Nossa hierarquia funciona. Nossa rainha, aliás, é o nosso maior orgulho. Nossa comunicação é muito eficiente. Mas eu me pergunto, também: "Será que eles conseguem nos ver aqui? Será que conseguem interpretar nossos sinais? Será que nossas vozes são ouvidas lá de cima?". Creio que não. Somos insignificantes e temos uma percepção externa extremamente limitada. Temos que aceitar e conviver com isso. Vivemos nossa vida nesse plano diminuto enquanto eles vivem vossas vidas em vosso plano mais extenso. Contentemo-nos com vosso desprezo e com nossa insignificância.

Afinal de contas, estamos sim sozinhas! Esse desprezo com certeza me deixa furiosa, mas o que me faz rir à noite, quando estou em casa com minhas companheiras, pronta para dormir, é saber que eles, que estão lá em cima nos desprezando, também fazem as mesmas indagações sobre os seres maiores e mais inteligentes do que eles próprios (e também são desprezados!). Relativamente, estamos todos sozinhos.”

Formiga dissertando sobre os humanos.


Gustavo Galli

Nada além de um pensador.
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/sociedade// //Gustavo Galli