ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

Na falta de combustível fóssil, renovo minhas energias, lendo, escrevendo, pedalando, fotografando e viajando por entre as nuvens. De tempo em tempo, procuro-me em meio ao batalhão de estranhos terráqueos. Dificilmente estou disponível para o meu alter ego

  • 20180913_091107.jpg
    Entre a Poesia e a Consciência, há outra Ciência

    "Como água é vida, gente inteligente dotada de livre arbítrio com seus contínuos e viciados maus hábitos, não acaba nunca; mas Vida, sim!"

  • lula.jpeg
    Da Copa, novamente sobrou a cozinha

    Em 1929, o escritor Mário de Andrade escreveu o livro Macunaíma, cujo enfoque enche de lisonjas o Herói sem nenhum caráter das matas brasileiras, que um dia foi tomada pelo verde. Passado quase um século, em vez de um, hoje são mais de 207 milhões de Macunaímas assinantes no Guinnes book das selvas de concreto urbano.

  • tite2.jpg
    Sobre Mães e outros Fantasmas

    Desconsidere o título e em seu lugar, leia: "Chaplin, Skinner, Jk, Raul Seixas, Hermann Hesse, Lula e o Anão diplomático".


  • dom4.jpg
    Dom Quixote é a sombra do que foi Cervantes

    Quais são os limites entre a sanidade e a loucura? Simples: basta seguir os infindos mandamentos expostos na padronizada cartilha social, que a sanidade é facilmente compreendida pelos, também, dementes; no entanto, a loucura..!; ora, a loucura por "definição" é a nobre virtude não revelada pelos sanos; motivo de poucos humanos ousarem escancará-la, olhos nos olhos. Pois, dizer abertamente o que se é intimamente, é honesta e sincera aceitação da verdade!


  • 1000.jpg
    Oswald de Andrade e Machado de Assis para leitores autossustentáveis


    Uma maneira sublime, eficaz de formar um parasita usurpador doméstico, é coçar-lhe a cabeça, mimando-o continuamente, por tempo indeterminado.

  • igreja1.jpg
    A arte poética permite, mas não consolidam os sonhos!

    A filosofia pura remexe a ferida em carne viva e a poesia é a sutura, a droga lícita, a alta dosagem de morfina que alivia a dor.

  • galinha.jpg
    Qual a cor da carne que você consome, animal?

    Desde a Idade da Pedra Lascada até a era de "apertar parafusos ou bater teclas", a diferença entre o animal de cativeiro, aquele que tem água, alimento e dormida e bicho solto no campo, silvestre por natureza e o animal intelectualizado, possuidor de livre arbítrio, é a caminhada à procura de quem projetou o universo e implantou as diferentes vidas, nele. Sobretudo, respirar livremente é uma necessidade e direito de todas as espécies viventes no Planeta. Estudada como agente decompositora, até as bactérias são úteis ao Meio Ambiente; e a espécie humana, qual é o papel biológico do insaciável e dispendioso homem no Planeta?


  • Raulseixas.jpg
    Raul rock Seixas em 7 belezas de letras bregas

    As letras de Raul e parceiros conseguem causar todo tipo de sentimento, desde tristeza, reflexão, dúvidas, amor, euforia, dor, gratidão, alegria, angústia e morte. Por sinal, sobre a morte, eles escreveram uma letra exclusivamente para a morte de Raul. Para que o rock brasileiro permaneça dando as notas, o "Doidão Beleza" deveria ser soprado no ventre de Maria e reeditado, reconstruído pelo carpinteiro José. Por que, para conceber miraculosos gênios, sexo carnal, macho e fêmea, androceu e gineceu, não basta; tem que haver algo mais. Um sopro fecundo do vento, talvez!

  • invencível4.jpeg
    O Invencível (a representação de um povo)

    Em CNTP e rigorosamente aferido, o pêndulo oscila o ir e vir compassadamente, realizando o chamado MHS: Movimento Harmônico Simples. Em tempo, manter-se equilibrado emocionalmente, é contrário a euforia, que pode ser o princípio da frustração. Equilibrar-se psicologicamente, é o mesmo que "pendular" fisicamente.

  • chico.JPG
    Três senhores, além de Brasileiros, latino americanos

    Na noite que Rolando Boldrin contou ca(u)sos e recitou um poema de Chico Anysio; por sua vez, o "Senhor do humor", contou uma hilária estória de seu personagem: "Pantaleão". E ao ouvi-lo declamar a letra da música: "Galos, noites e quintais"; Belchior sorriu lágrimas que escaparam-lhe dos olhos; e a plateia entre êxtase, deleite e gargalhadas, assoviou e aplaudiu em uníssono, os Três Senhores, além de Brasileiros, latino americanos!

  • pai e filho.jpg
    O último diálogo - primeiro ato

    Encontrar-se, é a confluência ou o desvencilhamento de um caminho, trilha ou estrada com a outra.

  • rui.jpg
    Hipocrisia Curta e Grossa! (ser ou não pertencer?)

    "De tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver crescer as injustiças, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra, a ter vergonha de ser honesto!" - do polímata Rui Barbosa. 1849 - 1923


  • rei1.jpg
    Oswald: o anarquista Brasileiro que deu certo

    Segundo Abrahan Lincoln, "Pessoas sem vícios tem poucas virtudes". Já Oscar Niemeyer, senhor que por princípios e crença era socialista e defendia com todas as forças a arquitetura; mas empregou o concreto armado, que somado ao petróleo, são sinônimos máximos do capitalismo, em seus projetos para os Estados da União, disse em certa ocasião que a "Vida é um sopro; por isso não há motivo para tanto ódio". Perante um e outro, o que falou e como Oswald de Andrade se portou em vida?


  • 20171103_072944.jpg
    Manias, mistérios e enigmas do "Velho Chico" em 8 fotos

    A lua enlaçada pelos anéis de brilhante; as cores do arrebol desfraldando a aurora; os fios de chuva que descem solenes ou ruidosos das nuvens e desfazem-se nos telhados; o céu cantado em cantilenas pelas estrelas, estão para os poetas e prosadores, como as águas mansas ou voluptuosas do Rio São Francisco estão para os letristas de música. Foi com esse olhar, que vários compositores molharam a ponta da pena nas manias dançantes das águas, ora túrbidas pela fúria de ter sido mal usadas, ora mareadas de felicidade pela satisfação de missão cumprida, do "Velho Chico".

  • socio.jpg
    Pequeno diário de uma enorme jararaca

    "A massa ainda comerá o biscoito fino que eu fabrico" - Oswald de Andrade.