ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

Mendigo, andarilho, irresponsável com pedigree de vacante, cínico com passaporte de intelectual que se encontrou, quando não, caminha dentro de sua essência... e adeus hipocrisia, religião, materialismo, futebol, melindres, carnaval, drogas, álcool etílico, taças de vinho, papo furado em botecos, praia, netos, animais domésticos, montanhas, arrebol, política, trabalho, vaidade, beijo insípido, catecismo, alter ego, adultério, viagens, sexo obrigatório e mecânico, filhos bastardos, medicamentos tarja preta, esquizofrenia, silhueta, filhos oficializados, depressão, aposentadoria, terapia, solidão... Chega: morri para os hedonismos dos normais!

Diga-me a qual família pertence, que direi que tu és

“Por que discorrer em palavras sobre este tema, se todos os integrantes que a compõe, entendem que a família é a célula principiadora e contribui ativamente na construção de uma sociedade “perfeita”?

Por que as pesadas maquiagens sobrepõem as falhas deixadas pelos cravos e espinhas nos rostos dos fantasiosos e ingênuos que preconizam tais coisas. Família perfeita, dai-nos uma urgente!


joaodebarro.jpg Alimentar a prole e ensiná-la como sobreviver num mundo individualista e competitivo é um dever instintivo dado pela Natureza às espécies.

A família é um dos pilares do estudo da Teologia e decerto, esse é o motivo para dizerem que ela é o exemplo dentro de uma sociedade; afinal para se estudar a existência de Deus, todos os seus pilares tem de ser condizentes e afinados com o estudo. Porém, é assim que ela se comporta ao produzir novas famílias? Como age, como é a interatividade entre os cidadãos que (vieram da) e constituem a célula-mater social? Harmoniosa? Pacífica? Cada unidade autônoma fazendo a sua parte, de modo que o ganho é o bem estar coletivo? Pensam mais no outro, que em si? Bom seria se assim fosse...

Sem questionar as maneiras e teorias aplicadas no dia-a-dia pelos psicólogos e profissões afins, para o autor deste, somente a teoria de Skiner presta relevantes serviços à sociedade e à coletividade de modo geral; porque segundo ele, ao incluir uma pessoa qualquer, se possível ainda inocente e livre dos maus vícios os quais o meio social lhe impõe domínio, redundantemente ele será o que o meio de interação lhe oferece. Por exemplo, ao pegar uma criança e coloca-la junto a juízes, médicos e outra classe qualquer, desde que o meio lhe acolha e a criança queira, ela será médica ou juiz. Em oposição, o mesmo se aplica para uma criança filha de juízes ou médicos, quando posta em contato com ladrões, traficantes, enfim, com um meio socialmente marginalizado e degradado. Desta forma, Skiner definiu o estudo objetivo do comportamento humano; chamado por ele de behaviorismo, o que não é nada de novo; porque o título do presente artigo foi adaptado ao ensinamento bíblico que enuncia: “diga-me com quem andas; que direi quem tu és”. Relacionando uma coisa à outra, falta nos percepção, entendimento literal e associação de ideias, para não repetir os erros cometidos no passado, ao ponto de reescrever o que já está escrito. Portanto, a obscuridade perceptiva é o reflexo de uma sociedade e os acontecimentos cotidianos, meros coadjuvantes.
Vindo de famílias distantes, um homem e uma mulher se casam. O tempo passa e para consolidar o matrimônio, tem dois e filhos e estes, imitando os pais, casam-se com dois cônjuges que vieram de longe, trazendo na bagagem, além dos problemas pessoais de cada um, a formação e legados que obtiveram de seus pais. Verifica-se portanto que daquele momento em diante, não são apenas duas famílias, mas entre as antecessoras e sucessoras, são quatro famílias: duas entre os pais originais e mais duas remanescentes, formadas pelos filhos. E é neste exato detalhe que a família começa a desmoronar; pois, os ensinamentos e legados passados para os netos são quebrados em virtude dos matrimônios contraídos, serem ou não, correspondentes aos anseios, desejos e continuidade dos avós. Somam-se no bojo da formação das novas famílias, as mudanças de costumes e hábitos conforme os tempos. Obviamente, que a sucessão de famílias sobre famílias não para por aí e quanto mais filhos a família remanescente tiver, mais será as alterações e ramificações familiares futuras e proporcionalmente, a perda dos legados e formação das famílias originárias.
Quando menos se espera, levada pelos hibridismos e as misturas que oxidam as originalidades, as ruínas tornam-se inevitáveis e o local mais próximo em que irão se depositar, é na própria família e posteriormente, na sociedade. E os reflexos são notados na corrupção que tomou conta do país; no tráfico que causa mortandade de inocentes; na prostituição e adultério que assola todas as classes; nas cadeias e presídios que estão abarrotados de pessoas bem intencionadas; no trânsito que segundo as estatísticas é um dos mais violentos do mundo; nos milhões de processos que tramitam nos fóruns das cidades esperando por julgamento; enfim, numa sociedade que aparenta ser clara, perfeita e justa; mas que no exercício da cidadania, é uma espessa camada de maquiagem cobrindo os buracos, rombos e vincos deixados pelas espinhas e cravos.

galinha.jpgApós os ensinamentos básicos e ao descobrir que os filhotes possuem tais habilidades, os pais os deserdam para que evoluam como seres capazes de sobreviver sozinhos e com isto, possibilitá-los ao acasalamento e consequentemente, à renovação da espécie. O ser humano leva anos e anos estudando Biologia para aprender essa lei natural que vem incorporada no código genético dos animais. Esquecendo-se ou não querendo enxergar os exemplos análogos, isto quando aprende, porque o fato é que essa espécie precisa ser empurrada, arrastada por mais de vinte anos (além do mimo da família, por imposições das leis) para descobrir que é dotado de pernas, braços e inteligência! Antes tarde do que nunca; afinal, se desampará-lo antes do tempo previsto em lei, morre de fome! Pelo menos neste quesito é semelhante as outras espécies.

Atualmente os números de divórcios e separações são altíssimos em relação ao passado, em que os pais tradicionalistas, mesmo a contragosto, para manter as aparências familiares e a formação dos filhos, os cônjuges se aturavam um ao outro. Com a ruptura entre os casais, quais os destinos dos filhos, que até então, a maioria já estava sob a tutela de empregadas e babas; avós, tias, familiares, berçários de creches e escolas particulares, etc?

escola.pngSerá que essa turminha aprenderia alguma coisa com a galinha e sua ninhada de filhotes? Embora pensasse que não se deve esperar muita coisa dos humanos, a começar pelo esforço individual/coletivo, Paulo Freire superava as expectativas e probabilidades e ao cabo de 15 a 30 dias, conseguia alfabetizar um adulto que não conhecia nem a letra “A”. Gênio Brasileiro que muito valorizou a Pedagogia, o ser humano e a família!

Paulo Freire, o único educador Brasileiro que é merecedor do título e, portanto deve (ria) ter seu nome sempre lembrado na Educação e lares, fez menção ao tema, quando disse que “educai as crianças e não será preciso reprimir o adulto”. Porém, talvez tenha dito isto porque os vetores da construção social, da concepção de família, Estado e escola tenham sido outros. Atualmente, o que deveria ser a tríplice aliança na formação do cidadão, que é família/escola/Estado, está fragmentada, de modo que nenhuma das instituições reconhece a outra como parceira na formação social, redundando no fiasco educacional absoluto.

Para a família moderna, o filho que não se droga, não bebe e não fuma é tido pelos pais como exemplo a ser seguido. Será que para a criação de uma sociedade ordeira e justa somente estes quesitos são suficientes? Qual é o bem direto que esse filho esta fazendo para mim, para o leitor, para os pais; pois desde que nascem comem, bebem e dormem sem nada produzir? E para a sociedade? Embora que no seio social, se um não produz e no entanto é usuário do sistema e consumidor, obrigatoriamente, alguém tem que produzir pela fatia (pela parte) consumida por aquele que, no exercício da cidadania, pode ser chamado de pária social. Claro que isso é de responsabilidade entre pai e filho e quem assume o papel de mediador é a corrente sanguínea. O sangue que corre nas veias do filho, supõe-se que seja o mesmo do casal e portanto, ele é a lei da obrigatoriedade entre os familiares.
Fazendo um apanhado, veremos que todos (salvo as agulhas nos palheiros) os marginais, párias sociais, vagabundos, mentecaptos, usurpadores, traficantes, marginais, corruptos, corruptores, etc possuem família. E o mais destacável é que nenhum deles foram iniciados na sociedade. A mudança de comportamento, naturalmente, deveu-se ao status quo, ao poder, ao dinheiro fácil, à ilusória acomodação, à zona de conforto, à lei do mínimo esforço e a conivência da família com o que é ilícito, que são entorpecentes alucinógenos e modificam qualquer cabeça e compram qualquer inteligência. Por essas e outras, os cidadãos corretos seguem sendo tangidos por uma sociedade arruinada e viciosa. E com a conivência da família e do estado, sem perspectivas de melhora.
Com a justificativa de que seria julgado pelas leis Brasileiras, recentemente a população presenciou silenciosamente a negociação do Governo Federal com o Governo da Indonésia, para a extradição do traficante Brasileiro que foi pego entrando no país com uma pacoteira de cocaína. Atendendo o pedido da mãe do honesto, trabalhador e traficante Brasileiro, a nossa solícita e egrégia líder de Estado e Presidente, corajosamente, deu esse belo exemplo de nacionalismo e cidadania aos seus compatriotas. Para infelicidade de ambas as mães, alguns estadistas fazem prevalecer as leis de seus países e a Indonésia é um deles, mandou o inocente cidadão Brasileiro para a cadeira elétrica o mais rápido que pôde. Presume-se portanto, que inicialmente o infeliz e querido traficante tenha sido aceito dentro de sua casa e posteriormente, expandiu seus negócios perante a prostituição da sociedade.
Nos idos de 1970 e mais alguns anos, certo jogador que alcunharam de “canhotinha de ouro”, aparecia na frente da câmera sentado confortavelmente em seu divã, enaltecendo uma marca de cigarro e dizendo que gostava de “levar vantagem em tudo”, propunha ao telespectador que “levasse vantagem ele também”, fumando aquela marca de cigarro. Por certo, no cotidiano do jogador, não apareceu nenhum amigo ou membro da família, bem intencionados com suas saúdes, para criticá-lo; mas para elogiá-lo por ter feito e ganho dinheiro fazendo a propaganda de uma coisa nociva à ela, pressupõe-se que muitos. O pulo para a glória sobrepõe o abismo, sempre!
Finalizando por aqui, porque se escrevesse um livro de muitas paginas, fatalmente não seria lido por família nenhuma, notaram que a ideia primordial do artigo não é criar polêmicas, celeumas e picuinhas; mas apenas e somente elucidar o quanto estamos arruinados socialmente e uma das vertentes para tal, é a má formação principiada pela mal fadada célula-mater originadora da sociedade. As famílias educam para dizer e levar o sobrenome do fulano e não para formar um cidadão responsável, criterioso, comprometido e cumpridor de seu papel no âmbito social, o que mais tarde redundará em cidadania, justiça e igualdade para o país; o que produzirá uma sociedade correta e justa. Aqui formam cidadãos para levar vantagem; angariar poder; participar de esquemas fraudulentos; criar os jeitinhos de modo a se beneficiarem, etc; claro que tais preceitos são incutidos de forma tácita, através do inconsciente coletivo, padronização e personalização social, costumes e hábitos cotidianos e negados socialmente e familiarmente.
O ex-Presidente era isto e no seu governo, quando interrogado sobre os escândalos envolvendo os ministros e a corrupção deslavada que assolou (assola) o país, respondia dizendo que não sabia de nada sobre o assunto. “Não sei de nada, companheiros. Exclua-me destas falcatruas”; porém, era o assistencialismo que lhe rendia uma expressiva goleada de votos sobre os demais adversários.
E assim, ora amparados pelas leis, ora pelo poder público e sempre pela família, seguimos varrendo a poeira para debaixo do tapete e regando as raízes dos arbustos, em vez de cortar, livrando-lhes dos males; afinal, bons ou maus frutos dependem da adubação e qualidade das sementes.
PS.: Em seu mandato, o ex-Presidente (pelo menos isto ele sabia) também pediu a extradição de outro Brasileiro que havia entrado na Indonésia com uma pacoteira de cocaína. Naturalmente ele fez essa boa ação, atendendo a solicitação de outra mãe inocente e desconsolada pela ingenuidade do filho. Sem sucesso. O insolente traficante já foi desta para transacionar a droga com o Lúcifer, pelo menos é o que se imagina!
Eximindo-o de culpa, Deus deve ser canhoto para ter criado a família nestes moldes; analisando por outro ângulo, esta não deve ser a imagem e semelhança proposta por ele.


Profeta do Arauto

Mendigo, andarilho, irresponsável com pedigree de vacante, cínico com passaporte de intelectual que se encontrou, quando não, caminha dentro de sua essência... e adeus hipocrisia, religião, materialismo, futebol, melindres, carnaval, drogas, álcool etílico, taças de vinho, papo furado em botecos, praia, netos, animais domésticos, montanhas, arrebol, política, trabalho, vaidade, beijo insípido, catecismo, alter ego, adultério, viagens, sexo obrigatório e mecânico, filhos bastardos, medicamentos tarja preta, esquizofrenia, silhueta, filhos oficializados, depressão, aposentadoria, terapia, solidão... Chega: morri para os hedonismos dos normais!.
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/// @obvious //Profeta do Arauto
Site Meter