ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

O perfil de uma lesma canalha, anacrônica e gosmenta sem perfil, resume-se ao: "Ei, esperem por mim! Não entendo o porquê dessa correria atabalhoada, o porquê de tanta competição, se iremos para o mesmo lugar! Embora não aparentem, sapatos camufladores e tênis mimetistas são egoístas e não suportam retardatários na pista. Faz-se saber, portanto, que se for pelo atletismo cotidiano, não compito e nem sou exemplo de atleta"

Você e o mundo

Viajar nos termos abaixo é abrir portas e janelas do jardim do Éden e se deparar com as fornalhas do inferno, que a todos os ofensivos e oportunistas à de queimar. É desvendar a essência humana e poder beber da pouca água doce que ainda resta no planeta, e assim descobrir o reino inofensivo da humildade. Viajando, o humilde viajante apodera-se de sabedoria e bem estar interior. Em síntese, quem viaja, externa as emaranhadas curvas que estão dentro de si



IMG_3004.JPGO mundo é uma bola individualizada e mesmo correndo sérios riscos de perder os dedos, cada jogador esforça-se, reúne energias para chutá-la, rolá-la o mais longe possível. A glória irrealizável é mandá-la fora de seu minúsculo estádio; porém, duvide de sua capacidade, mas não perca as esperanças. Um, dois, três e já...

IMG_2245.JPGNão há nada mais livre para voar do que a imaginação; e nada mais liberto do que um pássaro levado pelas asas do vento.

Seguem 5 (cinco) dicas de como o viajante dar o pontapé inicial; sem no entanto, ele como jogador, ir parar na marca do pênalti.

Princípios primeiros do viajante:

- Seja disciplinado, hierárquico, observador e respeitador das leis do país em que estiver. Lembre-se que varia de país para país e se estás acostumado à baderna, à falta de liderança como significado de democracia, em outros países as leis existem, e é para regulamentar, impor regras de convivência e obviamente, quem as descumpre paga pelo ato cometido; às vezes com a vida.
- Pense que és viajante e não mendigo, sentado à beira da estrada pedindo carona ou esmolando dinheiro para realizar a viagem. Então, embora não pertença aos turistas perdulários e consumistas, planeje um valor mínimo para cada viagem. Caso seja para o exterior, com essa derrocada econômica, por qual abismo o planeta enterra suas angustias, fora as passagens, reserve no mínimo 40 (quarenta) dólares para o gasto diário. Infelizmente, perante as leis do homem de bem, os tempos para o viajante, mudaram também.
- Humildade e simplicidade valem para qualquer situação e ocasião, porém, para o viajante, quando se necessita de informação, faça-a sem receios, aceitando de bom grado e sem questionamentos os informes. Entretanto, um por favor, um please, um permiso, ou um excuse-me inicial; e um obrigado, gracias ou um tank you no final, ajuda e torna o informante mais receptivo e solícito com outros viajantes.
- Duas metáforas cabíveis ao item são: sua santidade, o Papa, está em Roma porque usou a boca. E a outra é que, em terreiro alheio, com pontiagudas esporas ou sem, qualquer galo índio desafina o cantar; portanto ilustre viajante, seja humilde, simples e solidário. Sempre!
Planejamento: este item será dividido em dois subitens.
- Primário: essencial um mapa contendo os país(es) como guia. Pesquisar a cotação dólar/moeda local; uma prévia sobre as cidades e pontos a serem visitados. Caso o viajante disponha de tempo, pincelar os hábitos, costumes, clima e temperatura são referenciais importantes neste estágio.
- Secundário é aquele que deverá ser feito no decorrer da viagem, afinal, mudanças e alterações de roteiro podem ocorrer constantemente; esteja aberto para tais desafios, afinal, o roteiro não foi planejado pelos pacotes fixos e obrigatórios impostos pelas agências de viagens. Portanto, a liberdade de escolha pode gerar certos inconvenientes e demandam equilíbrio psicológico. Prepare-se, porque em clima de tensão, a lucidez de pensamentos e racionalidade esvaem-se.
- Faz parte do planejamento secundário, programar as viagens, de modo a chegar ao destino durante o dia; com isto, evitará as devassidões noturnas das cidades, principalmente dos grandes centros; as más intenções dos taxistas; ter o seu pobre patrimônio invadido por ladrões, etc. Pense que é o você contra todos.
Documentação:
- Mesmo que viaje somente dentro de seu território, gaste uns trocados extras e tire o passaporte; num momento qualquer poderá necessitar. Definido o roteiro de viagem, certificar se há necessidade de visto do(s) pa(íse)s. Faça câmbio de moedas sempre em postos credenciados ou em banco; e guarde rigorosamente os comprovantes, pois ao ser abordado, poderá servir de documento. Outra coisa que se transforma em poderoso documento é o voucher de ida e volta e aclara às autoridades locais que você está ali realmente de passagem.
- Quando se viaja por terra, algumas alfandegas (aduanas em certos países) além do carimbo chancelado no passaporte, fornece um protocolo contendo chancela do país, os dados pessoais do viajante, data de entrada e o período máximo de vigência do visto. Mantenha-o guardado com o todo rigor possível em toda viagem; pois em caso de perda, poderá comprometê-lo e a recompensa é o pagamento de multa, ou a sanção vigente regulamenta por lei; o que fazem sem piedade.
Estando no destino:
- Caso viaje para centros populosos, (cada um que entenda conforme experiências de ocasiões anteriores) compre um mapa. Para maiores esclarecimentos sobre a cidade, faça somente em postos turísticos, com policiais e pessoas com credenciais aparentes. Ao tomar um táxi, por exemplo, anote os dados das placas do automóvel e nome completo do motorista. Porém, quando possível, locomova-se sempre a pé, de ônibus, ou metrô. Pois, facilitará a ambientação à cidade, auxiliará na localização geográfica e mais: dará ao viajante a real condição de observar e refletir sobre as origens, raízes, hábitos e costumes do povo; o que mais interessa aos viajantes, que logicamente dispensam selfies.

IMG_2684.JPG Vestido com roupa de gala e querendo ser mais belo do que a belíssima obra da Natureza: indispensável dizer que esta é a estirpe típica de turistas; e não importa a cor ou o formato dos olhos.

- Aqui outra dica é: para viagens longas, (por volta de 400 km) faça-as sempre à noite; porque além de economizar hotel, poderá aproveitar o dia para um reconhecimento prévio da cidade. Em grandes centros, reserve um dia (pelo menos) para o tal conhecimento prévio, sobretudo, no decorrer da estada notará que foi ganho e não perda de tempo. Como visto no primeiro item, mais um motivo para reorganizar o planejamento parceladamente e durante a viagem.
O que levar e como se trajar:
- Neste a ideia inicial é que o viajante saia de casa, rigorosamente, com objetos colados (presos) ao corpo: mochila e pochete. Roupas, o mínimo possível. Lógico que isso depende da temperatura, estação do ano e o país para onde irá viajar. Exemplificando: se o destino é praia, é descabível levar roupas pesadas. Se for para países frios, leve algumas peças mínimas e conforme a necessidade, disponha de alguns trocados a mais no bolso para comprar roupa(s) durante a viagem. Quem irá agradecer é seu corpo, o que convenhamos, fatalmente, precisará constantemente dele; afinal, essas viagens/aventuras culturais geram bastante “desgastes” físicos.
- Uma vez que carregar peso contribui para o desânimo, evite excesso de objetos de tecnologia. Se tem como predileção fotografar ou filmar, leve unicamente esses aparatos.
- Para disfarçar que és viajante, use uma camisa comprida que cubra a pochete, afinal, discrição nunca é demais. Como sabeis, a ostentação e a distração dos olhos alimentam os eufóricos e aguçados vermes do lúcifer.

IMG_3003.JPGPara o viajante, qualquer canoa, mesmo que remada sobre águas estacionárias, flui cultura!

Nota extra: O obstinado estradeiro que vai sumindo no horizonte, difundia aos quatro cantos do universo, que havia tomado como decisão em sua vida, se necessário fosse e foi preciso, trabalhar com afinco 40 anos ininterruptos, com o propósito de que, se não conseguisse nada financeiramente durante esse período, tornaria-se mendigo. E no caso de conseguir algumas ninharias de dinheiro e algumas coisas mínimas para sobreviver, tornaria-se vagabundo, passando a administrar as parcas economias que, com muito custo, pesquisa e labor, haveria de possuir. É presumível que hoje ele esteja completando o seu 40º aniversário, pois, nunca, jamais, foi visto naquele estilo espirituoso: com a mochila nas costas, olhar no horizonte e pés na estrada. A pesquisa contínua, o trabalho intenso, a sede de realização e a conquista proposta, jamais lhe proporcionavam esse momento, que deve ser áureo em sua vida. Dizia que quando isso acontecesse, seria o resultado das metas estabelecidas, da obstinação e o querer, aliado ao fazer.
Feliz viagem e breve retorno viajante/estradeiro. Traga boas notícias do mundo além mares e oceanos, porque por aqui!!...Caos Total.

P.S.: Leitor, a finalidade deste não é exaurir o tema; pelo contrário, exponha nos comentários as suas dúvidas e questionamentos, fatos que ajudarão a esclarecer, enriquecer o artigo e auxiliar os demais viajantes.

No mais, excelente viagem. Contudo, não acredite em nem uma vírgula que lestes; tenha você viajante, as suas experiências próprias.

Fotos pertencentes ao autor do artigo


Profeta do Arauto

O perfil de uma lesma canalha, anacrônica e gosmenta sem perfil, resume-se ao: "Ei, esperem por mim! Não entendo o porquê dessa correria atabalhoada, o porquê de tanta competição, se iremos para o mesmo lugar! Embora não aparentem, sapatos camufladores e tênis mimetistas são egoístas e não suportam retardatários na pista. Faz-se saber, portanto, que se for pelo atletismo cotidiano, não compito e nem sou exemplo de atleta".
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Profeta do Arauto
Site Meter