ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

A inspiração para escrever me vêm sempre que vejo pela claridade de minha razão um querubim corrupto de uma perna, pulando com duas; e invariavelmente desaparece, quando o querubim se transforma num saci com duas, pulando com uma perna. Durante o transe da minha imagem translúcida no espelho, sou um néscio metamórfico e não faço o menor esforço para voltar à realidade dimensional e objetiva nossa, de cada dissabor diário

Descongele o seu coração: emocione-se... ainda há tempo!

No meio da multidão tinha um "Messias" multiplicador de nesgas de pães com uma Bíblia, um fiapo de goiabada e um copo com água nas mãos. Dando uma nesga de pão multiplicado com um fiapo de goiabada dentro, acompanhado de um copo com água para amolecer o bolo alimentar no meio da multidão tinha um "Messias". E todos comeram como se fosse a última Santa Ceia promovida pelo "Messias" que voltara à Terra antes de Cristo, O Prometido.


Contextualização: Cada ser vivo que passa por mim, é como as cores do arrebol irradiando luz; cada ser vivo que alimento, é como o renascer do ajuntamento dos pingos de orvalho na madrugada; cada ser vivo que motivo a persistir em ir ao encontro de si, é como os raios de sol derramando energia sobre a pigmentação verde clorofilada. Sobretudo, cada ser vivo que transfigura de sua sombra, é alegria vital em movimento diário. Respirar intensamente cada segundo do dia, ainda é a solução para todos os males da vida.

- Ter ou não ter, ser ou não ser, eis as questões que atormentam os humanos aqui na Terra, Messias?

gari.jpg Como pode ser visto nas mãos dele, nesse dia não havia margarina disponível para passar no pedaço de pão, fazendo com quê "Pastor" improvisasse no lugar um minguando pedaço de goiabada. E após todos comerem uma vez, a repetição do lanche sagrado fica condicionado ao que sobra. Janaina Garcia Do UOL, em São Paulo 25/06/2017

- Em concordância, os humanos se perdem no ter em vez do ser, porém vos digo que esse conceito despropositado de sabedoria e discernimento racional nasce dentro da família e expande-se para a sociedade, pois, formam-se os filhos para serem egoístas, menos para praticar a filantropia; sobretudo, aí em seu paraíso delimitado pelas cercas da competição, estudam-se meia dúzia de palavras, adquirem conhecimento para ser asno, menos para serem altruístas, Hamlet! A mercadoria proveniente do precário saber é vendida a preço de ouro puro. Quanta custa uma consulta de 15 min com um médico, classe que se acha ás, a reinventora do conhecimento anatômico? Hamlet, em seu reino, a vida perdeu o seu real valor, perdeu o devido significado há muito tempo.

- Messias, permita uma observação: os asnos, assim como nós, são filhos do Criador e merecem respeito!

Enquanto todos querem ser o tronco, o caule, as folhas, flores, pétalas e folhagens, faço questão de ser o vento. Enquanto todos querem ser o ouro estudado nas bancadas pelos olhos perspicazes dos ourives, faço questão de ser o rio intoxicado pelo mercúrio cromo. Enquanto todos são o tudo, faço questão de ser o nada. Enquanto todos são plenos, faço questão de ser o grito de dor ecoando no vazio. Enquanto todos querem ser a luz, faço questão de ser as trevas. Enquanto todos querem ser a vítima no processo jurídico, faço questão de ser a ré. Enquanto todos sorriem nas selfies, faço questão de sufocar meu pranto debaixo de uma cruz. Enquanto todos se manifestam através das aparências do materialismo, faço questão de ser Jesus Cristo dos dias atuais. Em tempo e sem demora, fazer o bem, sem olhar a quem, este é o provérbio e o motivo d´eu ter vindo à terra! E se tudo isto ficou no esquecimento do passado, e se tudo isto é impossível ocorrer no presente, silenciar-se é liberar os ecos do desprezo; os quais ribombam na consciência alheia.

A história mostra que em seus mais de 2 mil anos de existência, o homem poderia ter realizado grandes feitos em benefício da coletividade, mas por motivos explicados por cada um, responsabiliza o conhecimento e o futuro pelo retardamento. Fato é que em muitos casos, homens nascem e morrem sem experienciar, sem conhecerem-se em seu semelhante, sem doarem um pouco de si aos mais necessitados, sem dividir a abastança com o próximo descomprometidamente. O homem em si, é um incompreendido e está sempre à procura do tesouro que não perdeu; ou perdeu e nunca soube em que lugar. Na realidade, de modo geral e abrangente, o homem é ingrediente mal digerido pela massa e nunca existiu como biscoito fino.

Quando a operosidade das mãos realiza a tarefa com amor e fé, quem faz o bem sem olhar a quem, o faz a tempo e hora e não espera acontecer. Para esses, o passado foi sonho não realizado, o amanhã é agora, e o futuro muito a longo prazo são metas desfeitas pelo tempo; pois o desânimo e a acomodação é a sombra fiel e companheira que acompanha o andante sem o assombrar.

O socialismo não deu certo e estava prescrito que não daria, pois o estudo, a pesquisa e a tese final foi principiada a partir do individualismo entre empregador e empregado. Era mais que evidente que não daria certo porque entre uma classe e outra, havia o investimento do capital e no lado oposto, àqueles que trocavam suor por salário. E convenhamos: o suor de quem trabalha não tem tanto valor quanto o suor de quem tem um chumaço de dinheiro para investir. Aliás, esse dualismo, além de histórico é geográfico; pois qual a diferença entre o suor do boliviano e do brasileiro; ou do brasileiro e do europeu. Não obstante, o suor da cara banha o corpo e os bolsos, mas não alcança, não banha o coração de emoção. Pelo contrário, suor e emoção caminham por estradas opostas; afinal, ensinam aos que nascem que suor é a operosidade metamorfoseada em bens materiais, menos que emoção é a fala que nos vêm dos recônditos da alma. Entretanto, a segunda opção é descartada em razão da primeira, pois, quem trabalha intempestivamente para encher as canastras e baús de ouro, encher as latas de provisão, não tem tempo para reparar os acontecimentos ao redor. Segue obstinado em direção às conquistas.

De acordo com o relatório da Conferência das Nações Unidas para Comércio e Desenvolvimento - Unctad.; "o número de pessoas que vivem com menos de 1 dólar por dia nos 49 países mais pobres do mundo -principalmente na África- mais do que duplicou nos últimos 30 anos, chegando a 307 milhões, o equivalente a 65% da população. As estimativas são de que este número pode chegar a 420 milhões em 2015." E estamos praticamente em 2018.

"Em geral, é o caráter pessoal do escritor e não a arte do seu talento que lhe marca a importância aos olhos do público." - Johann Goethe.

Todavia, a humanidade conheceu alguns desmiolados de ideia, alguns socialistas por princípios e crença, algumas peças raras desprovidas de egoísmo no coração, que deixaram sinais do altruísmo para que os povos pudessem segui-los; quando não, pelos menos refletir sobre seus feitos. E ainda que mitólogico, Cristo foi e continua sendo o personagem personificado e miraculoso do fazer o bem, sem olhar a quem.

Eles disseram: "Tudo que temos aqui são cinco pães e dois peixes. Mateus 14:17 - Essa passagem se deu, quando André, irmão de Simão Pedro, tomou a palavra: “Aqui está um rapaz com cinco pães de cevada e dois peixinhos, mas o que é isto para tanta gente?”

E Cristo ao ver aquele exército faminto se aproximando, num gesto solidário, caridoso, altruísta, altaneiro, pegou os pães nas mãos e direcionou-os ao Pai, deu graças e os repartiu entre os presentes. Em seguida, abençoou os peixes e fez o mesmo. E o batalhão de incrédulos comeu tanto quanto quiseram, como se fosse a última ceia de suas vidas. Ao vê-los fartos, Cristo ordenou à multidão que ajuntasse os pedaços que sobraram: "Que nada seja desperdiçado”. Se essa passagem bíblica é fantasia, ficção metafórica, alucinação de religiosos ou realidade inviolável, não importa, quanto importa o coração terno e a sensibilidade emotiva do filho do Criador. Além de socialista, o andante e bisbilhoteiro dos costumes e hábitos da humanidade era economista por princípios e crença.

Dizem que Deus é brasileiro e por acreditar na máxima, nada mais racional que seu filho voltasse à Terra, iniciando sua viagem ao mundo pelo Brasil. E se Messias, o Prometido, está planejando a viagem e preparando as malas, José Carlos Rodrigo de Matos, apelidado de "Pastor", está fazendo a parte dele e tomando as obras do filho do Criador com legado e exemplo, dividindo os pães com os necessitados da cracolândia em São Paulo.

Esse senhor digno de nota trabalha como gari, limpando o lixo e demais porcarias de uma sociedade que ainda não aprendeu que, cidade limpa é povo desenvolvido, desenvolvendo a filantropia de fazer o bem, sem olhar a quem, com os moradores de rua. E uma vez por semana, arrasta garrafões de água, sacos e mais sacos de pães, cuja finalidade, ainda que seja uma nesga com um copo de água, é alimentar, dar o que comer a quem tem fome. Propositalmente, Deus dotou o homem com dois órgãos; por exemplo, duas órgãos para sentir o tato e operar em conjunto. Também para quando uma oferecer algo de bom grado, algo que faça o bem sem olhar a quem gratuitamente, a outra se mantenha curiosa, apenas com o feito. Pois, o que é oferecido com a mão direita, e esquerda não precisa tomar partido e ficar sabendo. O que vale para uma, vale para outra, e a recíproca é verdadeira.

Nas horas de folga, "Pastor" aposenta a vassoura num canto qualquer e abre o compasso das pernas para pedir auxílio. Batendo de casa em casa, o senhor "soberano na arte de semear sorrisos", gasta a sola dos sapatos e a saliva da boca para convencer os abastados, sobre a seriedade de seu trabalho. E as duras penas, porque não possui carro ou moto, o material arrecadado e armazenado em sua casa. O "pagador de promessas" transporta tudo que for arrecado de ônibus, os quais são 3 linhas, desde Embu, que fica localizada a cerca de 30 km do centro da praça da Sé, marco zero da capital do estado de São Paulo. Semanalmente, assim que ele chega com a carga, uma é feita automaticamente e o homem de vestes modestas, chinelo havaianas, boné esfarrapado e voz estridente, vocifera com os enfileirados: "olha o pão! Olha a água, irmão!"

gari1.jpgJanaina Garcia Do UOL, em São Paulo 25/06/2017

"Pastor", se define como um homem sem religião, mas temente e irmão do filho máximo de Deus: "Não sou evangélico, sou católico e sempre trago uma palavra da Bíblia para os nossos irmãos."

O silêncio do desprezo dói mais que a gélida miopia da indiferença; ou por possuir o mesmo veneno, ou não. Que eu não seja, nunca, acometido por esse tiro ao alvo, tão comumente praticado pelos meus semelhantes.

Se eu não acreditar em meu semelhante, ainda que trapaceando-me, estarei duvidando de mim. Aplicando os bons aprendizados de discípulo, faço como Cristo: se me chicotearem pelas costas, viro de frente para tomar lambadas. Se estapearem a face direita, dou a esquerda para esbofetearem.

Seria ele "Messias, o Prometido", que antecipara a sua volta à Terra? Zé Carlos pode não ser, como não é o Messias, mas que está comprometido com o amor ágape, que está acima de causas sociais, isso vivente nenhum deve duvidar. Evolução plena "Pastor"; pois homens milionários com brilho aparente ao seu, são poucos. Em contrapartida, há um turbilhão de "pobres" necessitados de um pedaço de pão que mate-lhes a fome, tanto espiritual, quanto material.

Descongelar o coração e emocionar-se com o que se passa ao seu redor, além do custo zero, o fazer o bem, sem olhar a quem, é máximo. Nunca é tarde para descongelar o freezer que se tem no coração, iniciar o que se desconhece e recomeçar a emoção que nunca se teve. Tente, use seu potencial e talento; esforce-se um pouco além do limite, você é capaz!

Reescrevendo as palavras que enderecei em resposta a um leitor do portal: "Em poucas palavras você expressou o que a imagem representa para quem ainda se emociona com os acontecimentos cotidianos; e convenhamos, se não aprendermos com a nudez da realidade, aprenderemos com quem? Nos livros apenas? Livros foram escritos pelos homens de ciência. Lembre-se sempre que ainda é tempo de emoção... porque ciência, via de regra, é o resultado da racionalidade sofista aplicada ao ensino!"

Não esqueçamos que o mundo foi e continua sendo construído com o suor daqueles que opera(ra)m os milagres do amor, misturadas às lágrimas de sangue contidas na dor. Cristo foi um desses... e deleitava-se em ressuscitar os estropiados e enfermos pela tuberculose e lepra, atual hanseníase.

P.S.: Leia as Escrituras Sagradas, o livro mais velho que se tem conhecimento e menos lido pela a humanidade. Talvez os ensinos contidos nela tenham as respostas para suas dúvidas e crises existenciais. Paz, luz e serenidade aos maus de coração, porque os que semeiam-nas em campos áridos, são evoluídos além da somatória multiplicativa.

Dádiva Altruísta:

Enquanto a conquista é a feitura das propostas escritas pelas metas, é a queima da combustão interna exalada pelo suor, resultando em merecimento e só interessa ao conquistador, felicidade compartilha-se. Não obstante, pelos sorrisos que fazem os corações se fartarem de alegria, não se deve cobrar nada. Talvez, quem sabe, seja por isso que os olhos veem tudo, bisbilhotam tudo, mas intimamente se desconhecem.


Profeta do Arauto

A inspiração para escrever me vêm sempre que vejo pela claridade de minha razão um querubim corrupto de uma perna, pulando com duas; e invariavelmente desaparece, quando o querubim se transforma num saci com duas, pulando com uma perna. Durante o transe da minha imagem translúcida no espelho, sou um néscio metamórfico e não faço o menor esforço para voltar à realidade dimensional e objetiva nossa, de cada dissabor diário .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// //Profeta do Arauto