ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

Na falta de combustível fóssil, renovo minhas energias, lendo, escrevendo, pedalando, fotografando e viajando por entre as nuvens. De tempo em tempo, procuro-me em meio ao batalhão de estranhos terráqueos. Dificilmente estou disponível para o meu alter ego

Sobre Mães e outros Fantasmas

Desconsidere o título e em seu lugar, leia: "Chaplin, Skinner, Jk, Raul Seixas, Hermann Hesse, Lula e o Anão diplomático".



Contextualização: peixes enlameados fora d`água, curto-circuito em fios desencapados, carros movidos com combustível adulterado, ocaso enfumaçado, borboletas no aquário.

Muito prazer, meu pseudônimo é Profeta do Arauto. Cidadão este que, conscientemente, segue a manada.

Afinal, ser ou não ser, pertencer ou não pertencer, dentre a miríade de Anões diplomáticos, apenas mais um consumidor enrustido de goma de mascar e porcarias afins.

Por fim, declaradamente assumo: sou otário.

charlie.jpgHannah, estás me ouvindo? Onde te encontrares, levanta os olhos! Vês, Hannah? O sol vai rompendo as nuvens que se dispersam! Estamos saindo da treva para a luz! Vamos entrando num mundo novo - um mundo melhor, em que os homens estarão acima da cobiça, do ódio e da brutalidade. Ergue os olhos, Hannah! A alma do homem ganhou asas e afinal começa a voar. Voa para o arco-íris, para a luz da esperança. Ergue os olhos, Hannah! Ergue os olhos! O último discurso - Charlie Spencer Chaplin

Acima de qualquer expectativa, no início do século XX, o norte americano Skinner formulou as teorias behavioristas, ou estudo do comportamento humano. Dizia ele que indiferente ao meio, o inserido será, o que o meio lhe permitir ser. Apoiava sua pesquisa no reforço, como maneira de estimular. E quanto mais reforçasse o condicionamento operante, proporcionalmente e involuntariamente seria a resposta. Skinner disse que "No condicionamento operante, um mecanismo é fortalecido no sentido de tornar uma resposta mais provável, ou melhor, mais freqüente". Logicamente, trazendo esta teoria para o exercício da prática nos dias atuais, só é possível diante o interesse, querer e motivação do estimulado. Sobretudo, quando a pessoa não se auto-estimula e auto-motiva-se às tarefas, ainda que os mecanismos sejam propostos por ela mesma, dificilmente, os meios compensarão os fins. Com o tempo, tudo tenderá ao desânimo, acomodação e fracasso.

Recentemente, se muito, faz um mês e por ora esquecido pelos últimos acontecimentos, notadamente copa do mundo que está sendo disputada na Rússia, (caso sejam campeões, são 40 milhões de reais, uma singela boladinha mercenária mínima, que está em jogo; e poderá render para cada pobre e solidário jogador, mais de 1 milhão de reais. Isso sem levar em conta as lágrimas: de crocodilo?) o país esteve às avessas, de pernas para o ar com a falta de combustível. Foram quase 15 dias com os Anões descabelando, piscando as luzes de apartamentos e casas à noite, cuspindo marimbondos, pedindo clemência aos senhores das estradas, proferindo impropérios contra os deuses do Poder. Achincalhando de fascista/golpista o Nanico que supostamente traíra a democracia em detrimento da volúpia de pôr a faixa presidencial no peito; para posteriormente sentar-se, confortavelmente no trono e posar de Rei.

Com a indiferença e os braços cruzados dos amigos do piche, a massa humana brasileira, a nanicada diplomática, literalmente sujou os cueiros. Faltou pouco para que o desespero causado pela falta de combustível, se transformasse em suicídio coletivo. Porém, em toda desgraça, hecatombe e holocausto há o lado benéfico; e "apoiada" pela maioria da população, a parada dos caminhoneiros provou que para haver reação, a massa e o Poder tem que ser expostos às águas ferventes da caldeira. É sabido que excesso de negociações diplomáticas, transformam-se em negociatas democráticas. Em tempos passados, chamavam o fim desses acordos escusos de "tudo acabou em pizza".

Hannah, tu sóis gente, Hannah. Tu não sóis máquina, Hannah! - Charlie Spencer Chaplin

O que aconteceu em terras tupiniquins era catástrofe anunciada e vinha arrastando à décadas. Tudo iniciou em meados da década de 50, no governo Jk, que queria por que queria, que o Brasil se desenvolvesse 50 anos em cinco. Por sinal, é praxe de cada governo criar um lema para sua gestão e ao assumir o país, Juscelino Kubitschek emplaca o lema de sua política econômica, cuja promessa era "50 anos de progresso em 5 de governo. O que só seria possível através de capital estrangeiro para fomentar a industrialização.

Portanto, longe, muito distante de ações planejadas e mecanismos consistentes a longo prazo, estava lançada a pedra fundamental da economia imediatista, porém, para concretizá-la, teria que estimular a população às facilidades de consumo. A industrialização chegara para ficar; e além de outros projetos, uma maneira sútil e inovadora para o sucesso governamental, foi investir maciçamente em montadoras de carros. O projeto de Jk foi tão aclamado, que até hoje os nostálgicos lembram de seu mandato como "um tempo de otimismo desenvolvimentista".

"A solução pro nosso povo eu vou dar / Negócio bom assim ninguém nunca viu Tá tudo pronto aqui é só vir pegar / A solução é alugar o Brasil" - Raul Seixas

Será que o avanço econômico repentino não traria problemas e consequências futuras? Naquele momento, tal pergunta era o que menos importava; ainda mais por que a população brasileira aceitava de bom grado e sem questionamentos o que lhe era oferecido. Através do "Condicionamento operante", a brasileirada funciona como os ratos anões de laboratório e os governos, cientista Skinner.

“Pois o que eu odiava mais profundamente e maldizia mais, era aquela satisfação, aquela saúde, aquela comodidade, esse otimismo bem cuidado dos cidadãos, essa educação adiposa e saudável do medíocre, do normal, do acomodado” - Fragmento do livro "O lobo da estepe, de Hermann Hesse.

Dos "anos dourados", como também ficou conhecida a gestão Jk, até o presente instante que escrevo esta porcaria de texto para algum leitor (in)culto ler, a política sobre os combustíveis no Brasil não mudou em nada. Ao contrário, atendendo os mandos (re)forçados dos países considerados de primeiro mundo, os governos sucessores que vieram comandar a nação de Anões diplomáticos, só fizeram desmatar deliberadamente, desfragmentar habitats sem o menor zelo e apreço pela fauna e flora para implantação de rodovias federais, estaduais e vicinais municipais. O resultado está escancarado aos olhos, a irreversibilidade é prova da falência dos demais meios de transporte, em detrimento à dependência e domínio exclusivo do ouro líquido negro.

Com a palavra a mata mais desmatada de todas as matas, o bioma de floresta tropical de Mata Atlântica; que dos considerados 100% que cobria uma faixa considerável de Norte à Sul, do Oiapoque ao Chui, restam apenas os resistentes 7% de reserva verde.

Sobre este contrassenso humano/ambiental, o ex-presidente que nada viu e por isto não tomou providências contra o que estava acontecendo na época, mas hoje sabe que é presidiário, quando no governo, esteve na Dinamarca para um congresso sobre Meio Ambiente. Lá chamou para si as atenções e prometeu, jurou, cruzou os dedos dizendo que iria reduzir os índices de poluentes no ar em seu país. Discursando, parecia um miraculoso Jesus Cristo; embora pelo que se sabe, Cristo nunca se auto promoveu pelos seus feitos. Aliás defendia a tese que o que se dá com a mão direita, a esquerda não precisa ficar sabendo.

Se sobram ingredientes de fina qualidade e o excelente fermento adere à massa, porém, nas mãos do pior profissional de doces do mundo, impossível o Nanico confeiteiro ter altura e nível de conhecimento suficientes para fazer e confeitar o bolo.

Voltando ao Brasil, por ser final de ano e sem se importar que carro é movido por combustível fóssil e por ser, é o item número um e mais poluidor do planeta, o reforçador dos Nanicos foi aos meios de comunicação e discursou para os seus Ratos, dizendo que o país estava estabilizado economicamente, mas quanto mais reservas em dinheiro nos cofres melhor, e os Anões poderiam colaborar comprando um automóvel. Afinal, receberiam o pagamento de décimo terceiro e férias proporcionais aos meses trabalhados naquele ano. Reforçados pelo apelo e estímulo do Anão-mor, a resposta dos Ratos foi o recorde de carros vendidos até o início do ano seguinte.

A mentira agiganta os nanicos e dá poder ao rei Anão.

Fora máquinas quaisquer e aviões, atualmente, o Brasil conta com uma frota de mais de 100 milhões de carros, exclusivamente, movidos por combustíveis derivados de petróleo; ou combustíveis fósseis, como queira. Pobre, infeliz, desprezado, humilhado e poluído Meio Ambiente que suporta tanto material particulado, dióxido de carbono e "tufo de fumaça" na cara!

Para não ser por demais prolixo, explicando o que está mais que explicado e justificado em palavras fundamentadas, Skinner conhecia os Anões diplomáticos, bem antes de estudar e pesquisar o comportamento humano; pois, uma vez Anão diplomático, irreversivelmente, Anão diplomático. Console-se, portanto, com a crendice popular dos pessimistas que diz não haver nada tão ruim que não fique pior; e serás um feroz e resistente gigante no reino dos Anões.

Quando a verdade não é a mentira que o Rei espera ouvir, as taças de vinho nobre azedam, a relação amistosa e o combinado longe do Tribunal dá lugar ao, se não a guerra, ao ódio declarado entre Rei e Ministro. Diplomaticamente ou não, a verdade insólita de princípios e livre de dogmas ratifica que a mentira agiganta os nanicos. Quem entendi de metáforas e entrelinhas sabe o que significa os três pontinhos da reticência.

Considerações finais:

Após a partida entre a seleção europeia de nacionalidade brasileira e a humilde e simplória Costa Rica, o professor dos Anões disse: "Demos aula de futebol no segundo tempo"; mas para quem ouve, pensa e questiona os fatos, os gols aconteceram no terceiro tempo.

tite2.jpgVale tudo quando há uma mísera boladinha de 40 milhões em jogo. O rei Anão foi empurrado claramente pelo zagueiro reserva de sua seleção e o árbitro de vídeo marcou em cima do lance, incontinente deu pênalti para o Brasil, não confirmado pelo juiz de campo. Pura sacanagem o juiz de campo não atender o VAR, pois o atacante rei Nanico encapotou; saindo, literalmente pela tangente da curva! Imagem reproduzida do Twitter -

Quando batem bola e jogam palavras para plateia surda e cega, o jogador nunca, jamais será questionado. Arrogância e egocentrismo: sobram nos Anões e eu aqui, depressivo por falta de um atributo destes. Todavia, vez para outro, um rei Anão cai do trono e amassa o fêmur; para não dizer, quebra a bunda.

O Brasil colocou a mão no vespeiro e saiu picado. Em 2014, o Itamaraty decidiu “intervir” no conflito entre israelenses e palestinos. Endureceu o tom contra Israel, que deflagrava uma ofensiva contra o Hamas na Faixa de Gaza. Chamou o embaixador brasileiro de volta ao país – na liturgia da diplomacia, o passo anterior ao rompimento de relações. O porta-voz da chancelaria israelense, Yigal Palmor, não deixou por menos. Bateu duro e deixou claro como via o país: “O Brasil é um gigante econômico e cultural, mas continua um anão diplomático”.

Completo em: https://www.gazetadopovo.com.br/politica/republica/brasil-no-diva-afinal-somos-um-anao-diplomatico-ou-um-gigante-de-papel-auxblavezakq55q28kxq5vz5g

Minha estúpida, infame e bestializada mãe dizia: "muito ajuda, quem não atrapalha".

Outra hora:"não se meta, não ponha a mão, não entre onde não for chamado. Mantenha distância e se convidado, apresente-se ao chamado; porém, aguarde pela sua vez. A humildade e simplicidade parcimoniosas são preces salvadoras; meu adorado, responsável, justo e honesto filho!"

Estás curioso para saber mais? Como não, o acervo de aforismos da MÃE que deveria ser mãe de todas as "mães" é infindo: "quem não te conhece meu super-Herói possuidor de todo caráter do mundo, que permute, compre e pague-o a preço de ouro".

Em estágio final de insanidade, mordia a língua e bufafa nos meus tímpanos:"se não entendi o que digo, vai pentear macaco, carpir a erva daninha do pé de feijão e serás mais útil à humanidade"! Minha mãe foi, disparadamente, o gênio mais gênio, dos gênios que o humanidade conhece como gênios. Sua ignorante sapiência não era para qualquer intelecto.

Evoluídos a tal ponto, as máximas populares não são de valia para certos povos. Ademais, quando a possui, os Nanicos "bicos de sapatos" passam vergonha.

P.S.: sobre mães e outros fantasmas, todos os Nanicos, cientista, literato, presidiário e anarquistas citados nos texto, não suponho, afirmo que vieram de um ventre. Em tempo, seja para a guerra ou para a paz, seja para o amor ou ódio, seja para alegria esfuziante ou tristeza depressiva, todos nós saímos de uma mulher de sentimento, emoções, mente, carne e ossos. Agora, se não teve ou tem estilo para ser MÃE, ai são outros quinhentos e pague-me antes para que eu escreva e descreva sobre o filho estimado pela mamãe.

Nanicos surdos quando ouvem, ouvem apenas as verdades de mães mudas e cegas.


Profeta do Arauto

Na falta de combustível fóssil, renovo minhas energias, lendo, escrevendo, pedalando, fotografando e viajando por entre as nuvens. De tempo em tempo, procuro-me em meio ao batalhão de estranhos terráqueos. Dificilmente estou disponível para o meu alter ego .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Profeta do Arauto