ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

Na falta de combustível fóssil, renovo minhas energias, lendo, escrevendo, pedalando, fotografando e viajando por entre as nuvens. De tempo em tempo, procuro-me em meio ao batalhão de estranhos terráqueos. Dificilmente estou disponível para o meu alter ego

Da Copa, novamente sobrou a cozinha

Em 1929, o escritor Mário de Andrade escreveu o livro Macunaíma, cujo enfoque enche de lisonjas o Herói sem nenhum caráter das matas brasileiras, que um dia foi tomada pelo verde. Passado quase um século, em vez de um, hoje são mais de 207 milhões de Macunaímas assinantes no Guinnes book das selvas de concreto urbano.


Contextualização: Um povo Macunaíma, porque nação requer valores morais, conhecimento libertário e ética cidadã exemplar acima de quaisquer outras, é unido e enlaçado, torna-se único da seguinte maneira: pela política aplicada no país, somada à cultura adotada no seio social e plenamente aderida pelo inconsciente coletivo.

lula.jpeg As mãos inimigas no passado, atualmente esqueceram as rusgas e são amigas, lavam-se mutuamente, arreganham os dentes de porcelana uma para outra e logicanente, rendem votos para as mãos do estagiário de malandro. No reino da positividade política, sempre houve algo de podre, rancoso, jamais detectado pela massa formada por Macunaimas de mesma nacionalidade. Imagem retirada do Google

Chico Buarque profetizou a "A volta do malandro". Inegavelmente, a letra cai bem no modo como eles costuram a colcha de retalhos na política do pais.

Eis o malandro na praça outra vez / Caminhando na ponta dos pés Como quem pisa nos corações / Que rolaram nos cabarés

Entre deusas e bofetões / Entre dados e coronéis Entre parangolés e patrões / O malandro anda assim de viés

Deixa balançar a maré / E a poeira assentar no chão Deixa a praça virar um salão / Que o malandro é o barão da ralé

Sobre as Cozinhas:

Usando gravatas, ternos e sapatos lustrados em vez de chuteiras coloridas, camisas e calções personalizados de clubes e CBF, os costureiros cozem os conluios e obscurecem a mentes dos inteligentes Macunaímas. E tanto as alianças, quanto as tramoias são meticulosamente cingidas sob o bruxulear de lamparinas e crepitares da lenha sendo transformada em cinzas nos fogões das cozinhas da politicagem noturna

Sobre a Copa:

A Copa "patrão" FIFA terminou antes do esperado para o povo que pinta a cara, veste camisa, sopra corneta, tremula a bandeira, enfeita o carro, beija o escudo, é técnico e filósofo em mesas e balcões de botecos, torna-se jogador de álbum de figurinhas e se considera cidadão patriota e nacionalista à cada 4 anos. No entanto, mesmo não sendo novo, ao contrário, é vestimenta rota de tempo remoto, o evento que une o planeta através da bola, serviu de reforço para os crédulos e comprovou para os incrédulos, que o brasileiro é um povo que aplaude os pequenos contra os considerados grandes. Mas, como em tudo há um porquê, no fim querem ser campeões, chegar em primeiro, atropelando as equipes pequenas, por quais torceu insaciavelmente; provando ser extremamente esquisito de racionalidade dialética.

Assim que a pelota rolou na Rússia para os anões brasileiros e gigantes suecos, concomitantemente, petistas, emedebistas, esquerda, direita, neoliberais e centro, totalizando mais de 200 milhões de assinantes de mesma nacionalidade entraram em campo em terras tupiniquins. Era apenas o primeiro minuto de partida, mas os jogadores da equipe do "Sou Fanático por Futebol e Filosofia de Boteco" costuravam as apostas nos prováveis finalistas. Para esses, certamente, um deles seria a SENABraF (Seleção Europeia de Nacionalidade Brasileira de Futebol). É tão verdade, que a seleção se preparava para jogar contra o México, e os humildes visionários e pais de santo não só diziam, como apostavam que o Brasil passaria como rolo compressor por cima da Bélgica. Sem a menor compaixão, não tinham dúvidas que os belgas seriam triturados por Neymar, Coutinho, Willian e Gabriel Jesus, o quarteto "moenda" brasileira de fazer gols.

Na parte de baixo da tabela, ou se o leitor preferir, no piso da pirâmide social futebolística, havia o grupo dos menos otimistas que não se atreviam dizer que a SENABraF já estava nas quartas de final, mas apostavam todas as suas fichas na vitória dos japoneses em um possível jogo contra os belgas pelas oitavas de final. Arraigados às leis do mínimo esforço, sabiam que os homenzarrões belgas, ainda que de olhos fechados, eram mais difíceis de serem batidos pelo escrete canarinho, que os disciplinados e serelepes japoneses de olhos abertos. Embora pensem diferente da minoria, para essa corrente de "Técnicos e Filósofos de Botecos", o importante era comer pelas beiradas; e a iguaria quanto mais norma e desproteinada, melhor; pois, esforço demais, somente dos pássaros franceses que desafiam as lufadas de vento russo.

Na primeira rodada, a forte candidata ao título e campeã no ranking de apostas empatou com os suecos. Estava claro aos olhos do VAR que houve erro grotesco de entendimento das regras pelo árbitro de campo; fato que gerou certa desconfiança e inconvenientes entre os técnicos estrategistas de botecos e jogadores de álbum de figurinhas. A copa seguia sendo jogada; e apesar do empate por zero a zero até os 45 min do segundo tempo, a Seleção deslanchou no terceiro tempo e fez 2 (dois) gols na combalida Costa Rica. O resultado reanimou os especialistas da bola, que diziam que a seleção estava em franca evolução; e não era para menos, fora o show, manteve o placar contra a Sérvia.

Em campo, a pompa das chuteiras coloridas disputavam cada milímetro do gramado e as manias dos cortes de cabelo batiam um bolão. Impossível alguém dizer que não era a pátria representada por chuteiras. Sobretudo, a Seleção Europeia de Nacionalidade Brasileira vencia, convencia; e dos "Patriotas e Nacionalistas" à cada 4 anos, aplausos e assovios, recebia: "oooolé! Oooolé! Venha touro...; oooolé!"

O próximo adversário seria o México. Todavia, um humilde bruxo que balbuciou o Hino Nacional com a mão no peito e esteve em campo defendendo as cores das matas e florestas, do ouro, do céu estrelado e a "Ordem e Progresso", previu que esperando sentada, confortavelmente no camarote quem ganhasse a partida entre Japão e Bélgica, a Seleção treinaria contra os mexicanos. Como palavras e previsão de bruxo que esteve dentro das 4 linhas não deve ser refutada de maneira alguma por quem quer que seja, não deu outra; e mais uma vez o placar anterior se repetiu: trinando alto, dois a zero para a Seleção Canarinho!

Contrariando o escritor Nelson Rodrigues, que ao discorrer sobre a unanimidade, qualificou-a como burra, a maioria ficou reticente com o que poderia acontecer com o canarinho da terra, contra o canário belga. Preferência por preferência, facilidade por facilidade, melhor se fossem os japoneses com os olhos abertos, o adversário nas oitavas de final; mas uma vez que os deuses do futebol não permitiram, que viesse a seleção belga. Por ser 5 vezes campeã e como disse o bruxo nacionalista, os canários da terra "bicariam" os canários belgas de qualquer jeito.

Realmente podem "bicar" os canários belgas...; mas em amistosos, ou em 2022, ou em 2026, ou em 2030, ou em...; por que em 2018, além de desconhecer os aeroportos internacionais do Brasil, a seleção de pardais, pombos, calopsitas e "canarinhos da terra" vão piar, rebolar e fazer suas coreografias nos poleiros das estações rodoferroviárias da Europa.

No entanto, nem tudo foi vexame caro leitor; e convenhamos, podem minguar as águas salgadas e acabar em nada as águas dulcícolas do Planeta; mas nunca, jamais acabará o futebol jogado mund`afora com suor, dedicação, comprometimento, fama, lágrimas, rios e mares de dinheiro. É muito amor pelo dinheiro esparramado pelos bicos das chuteiras e nenhum respeito pelos mais de 200 milhões de nacionalistas filiados à pátria amada, Brasil, à cada 4 anos!

Da Copa, sobrou a cozinha que representa a cultura de um povo provinciano e colonialista, que se diz metropolitano. Quem é esse povo súdito de europeus? É formado pela nacionalidade brasileira; e se não desiste, muito menos, muda a postura, os hábitos e costumes, nunca. E atendendo a lei premissa dos reis, nasceram broncos e serviçais das majestades; para posteriormente, depois de muito tempo, broncos e serviçais das majestades, morrer!

A regra é clara Gavilan Gafanhoto: em palácios ou em barracos pode faltar copa, mas é obrigatório ter, no mínimo, uma cozinha com fogão (à lenha ou a gás) e algumas panelas, talheres e louças. Sobretudo, porque nesse ambiente amorfo preparam-se os esquemas, cozinham os jeitinhos, mexem as vantagens, filtram as águas da influência, temperam as conveniências, aquecem as sutilezas e servem a corrupção em forma de iguaria que entopem estômagos, enchem mais de 200 milhões de barrigas...; e lamentavelmente, nutre de cultura sem refino intelectual a mente da massa produzida pela indústria de nacionalidade brasileira.

"Um povo Macunaíma, porque nação requer valores morais, conhecimento libertário e ética cidadã exemplar acima de quaisquer outras, é unido e enlaçado, torna-se único da seguinte maneira: pela política aplicada no país, somada à cultura adotada no seio social e plenamente aderida pelo inconsciente coletivo".

Tanto na cozinha brasileira, como no texto lido, o meio é contexto meramente ilustrativo e no enredo acima, desnecessário; porém, todavia, o início justifica o fim. E vice-versa.

P.S. embora tenha seguido o mesmo caminho das seleções que serviram de chacota para os brasileiros, ou seja, Argentina, Alemanha, Uruguai, México, Inglaterra, Costa Rica e outras, os panamenhos, povo que não sabe quantos lados tem a bola, manteve a SENABraF na capa do Guinnes book, como a seleção de futebol que levou a maior goleada em todas as copas. Enquanto a SENABraF saiu de campo atordoada pelos 7 (sete) atropelamentos causados pelos alemães em uma única partida, os panamenhos sofreram 6 (seis) dos ingleses.

Isso basta, ou o leitor se esqueceu da vexatória venda do primeiro lugar feita por Rubinho Barrichello para o alemão Michael Schumacher no Grande Prêmio da Áustria disputado em 12 de maio de 2002? Em tempo, como sua nacionalidade é a mesma de um povo herói sem nenhum caráter, todavia, não apareceu um, apenas um cidadão brioso, sério e comprometido com a honestidade para contestar o ato cidadão do ex-piloto.


Profeta do Arauto

Na falta de combustível fóssil, renovo minhas energias, lendo, escrevendo, pedalando, fotografando e viajando por entre as nuvens. De tempo em tempo, procuro-me em meio ao batalhão de estranhos terráqueos. Dificilmente estou disponível para o meu alter ego .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Profeta do Arauto