ministério das letras

Visionário às ocultas

Profeta do Arauto

Um Rebelde desatinado, que faz da rebeldia, Patrimônio tombado Aliança Liberdade, Independência, Autonomia.
Certamente, é a primeira e a última vez que tens contato com alguém adepto e por cima, fiel praticante da ALIA. Por qual motivo afirmo? Ora, desculpe-me a insensata indiferença, mas quê pergunta tola

A Personificação do Velho


"A morte parece menos terrível, quando se está cansado" - Simone Beauvior


Quase sempre, a experiência trai quem se gaba de ser experiente em determinado assunto. Fazendo-me entender, educar e formar, é uma das experiências em que o des"Educado", recorrendo à falta de respeito, invariavelmente, trai o educador.

IMG-20210216-WA0001.jpgOs tempos tecnológicos e, modernamente fugidios, não permitem as velharias; no máximo, permite o idoso que ainda goza a plenitude esfuziante da terceira idade.

Nascemos crianças simples, autênticas, ingênuas, indefesas e dependentes, para na velhice, revivermos a criança simples, dependente e tola que um dia fomos.

Dinheiro e qualquer outra coisa, por exemplo, a mesa farta de comida que assalta a moderidade do estômago, o carro que vale muitos mil dólares na garagem, o cartão de crédito que garante as compras no exterior, ou até mesmo a gargalhada que ilumina as faces alheias, é mera ilusão motivacional que transpõe os obstáculos que nos opõe à caminhada ao sucesso. Pois acima de tudo, o sucesso, notadamente material, é a cobiça que move os humanos.

Em verdade, tudo, mas tudo, mesmo, é mera ilusão motivacional que nos impele a transpor os limites cotidianos. Portanto, vivemos mais pela ilusão momentânea e regozijos alheios, que pela alegre felicidade de viver; dando-nos a certeza que expontaneidade duradoura não existe.

Diante desse impasse existencial jamais resolvido, talvez, quem sabe seja por isso que valorizam mais a criança, que o idoso; sobretudo, porque a criança é roupa nova vistosa, e o idoso, trapo velho enrugado e obsoleto, difícil de ser digerido pelos anseios da jovialidade.

"A gente acha que é, mas as casas dos vovôs e bisavôs, nunca é longe!".

Todavia, mensalmente o Novo retira a velharia do depósito / despensa, confere-lhe um preparo rápido no visual, cuja finalidade é dar uma volta na praça, comer um pastel sem gordura e insosso, tomar um suco sem açúcar e findar o passeio na assinatura e pagamento das contas; e por meio-dia ou menos, o Velho deixa de ser máquina oxidada pelo tempo. Assim feito, os dias de ambos se renovam; por quanto tempo?

Supondo que não há investimento sem retorno, em breve, o quanto antes, o Novo será investimento quase garantido - digo quase, porque coração é músculo estriado imprevisível; ainda mais quando tomado pela falta de suor e muitas, mas, muitas facilidades.

E o Velho? Ora, o Velho é uma sombra mórbida, que teima em acompanhar os passos, porém, poderá desfazer-se no minuto seguinte, pela falta de luz; pois para quem um dia possuiu tutanos fortes e resistentes devido o cálcio sintetizado nos ossos pelo astro maior, faz tempo que o espectro de luz não banha seu corpo de radiação solar.

E enquanto esse minuto não chega, a máquina enferrujada segue batendo biela sobre uma bengala; quando não, revivendo o carrinho de rolemã, as mãos calejam, ao empurrar as duas rodas de seu assento. Para não ficar para trás, seu corpo lânguido, desengonçado e pelancudo, segue-a pelos quatro cantos da casa.

É a velha experiência pagadora de contas e faturas mensais contraídas pelos Novos, pedindo passagem; afinal, o futuro dos joviais perdulários consumistas pertence, só e tão somente, ao tarimbado Velho; faixa etária que eufemicamente, os criadores de neologismos chamam de terceira idade.

Por sorte, sem efeito nos dias atuais, sarcasticamente, covardemente, os Novos diziam que o idoso, era a idade pé-na-cova. E o leitor, como denomina-o?

Resumindo, o Novo está sempre sorrindo, mostrando os dentes aramados nas selfies, coisas que o passado não permitiu ao Velho; pois em seu tempo, a idiotice e a usurpação do leite materno, não tinham graça.

Ademais, ao contrário, por que em seu tempo, o Novo tinha apreço, seriedade, comprometimento e respeito pelo Velho.

P.S.: A imagem que ilustra o texto, é uma singela homenagem à Senhora que por muitos e muitos anos, foi amiga de fundo de cozinha e troca de inúmeras xícaras de doce, com minha adorável e iningualável, Mãe.

Senhora do lar, que faleceu idosa para os fatos atuais, porém, sem se fazer de vítima e muito menos, apegar -se às leis, nova para as verdades humanas. Minha inesquecível Mãe, não veio ao mundo para viver 84 anos bem vividos, para enganar e se enganar.


Profeta do Arauto

Um Rebelde desatinado, que faz da rebeldia, Patrimônio tombado Aliança Liberdade, Independência, Autonomia. Certamente, é a primeira e a última vez que tens contato com alguém adepto e por cima, fiel praticante da ALIA. Por qual motivo afirmo? Ora, desculpe-me a insensata indiferença, mas quê pergunta tola.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Profeta do Arauto