mudando algumas certezas de lugar

Acomode-se, vamos comemorar os nossos desastres. Aceita cookies?

Nathália Moura

Curiosa nata, quer conhecer saturno, escrever um livro, fazer um café decente e conseguir que um girassol sobreviva em um apartamento.

A vida é aquilo que acontece enquanto esperamos o fim de semana

O agora é composto de depois, planos e esperas intermináveis. Um ciclo vicioso. É como se quiséssemos o que está na vitrine ao invés do que temos na mão, o tempo todo.


o-tempo.jpg

A semana começa, segunda-feira, dia turbulento. Escovar os dentes, lavar o rosto, tomar café, já se tornou algo mecânico. Não dá pra perder tempo, tempo é dinheiro e dinheiro é combustível da vida. Vivemos a semana toda para que o fim de semana aconteça e basta ele começar que já não vemos a hora do próximo acontecer.

Com final de semana quero dizer: Aquele dia reservado especialmente para aquela grande festa ou para rever pessoas das quais se gosta, pra conhecer aquela cidadela tão bonita nos cartões postais, para as benditas férias, assistir aquele filme tão esperado em cartaz, entre tantas outras coisas.

Como diria John Lennon, "A vida é aquilo que acontece enquanto fazemos planos para o futuro." Se estamos na tão esperada festa, depois de tanto dançar e se sentir cansados, entediados, com as nossas expectativas mal alcançadas, desejamos nosso tão calmo e doce lar novamente.

A vida pela janela parece ser tão mais colorida do que aqui dentro, não é mesmo? Estamos em uma época da qual tudo acaba se tornando frustração. Criamos expectativas absurdas, sobre uma realidade absurda. E mesmo quando estamos ao lado de quem amamos, sempre esperamos mais da pessoa do que ela realmente é, ou do que ela pode nos oferecer.

É como se ligássemos o piloto automático e dormíssemos acordados, quando na verdade deveríamos estar degustando do gosto que tem o aqui, o agora, mesmo que seja azedo e amargo. Mas afinal, quem é que não conhece esse blá, blá, blá todo? Nós já sabemos que não aproveitamos a vida como deveríamos aproveitar e quem, por acaso ou distração da vida, tem essa receita mágica, me passe, por favor.

O fato é que ignoramos o pequeno a espera do grande, sem lembrar de que para o grande se tornar grande ele precisou de partes pequenas. A vida acaba se tornando cada vez mais ilusória. Não é o que parece ser e nunca vai ser. Porque aprendemos a criar uma definição errônea para o que é viver, insistimos em achar que a semana existe para sustentar o final de semana, para que ele possa acontecer, não?

Entramos em todas as portas, imaginando a hora em que iremos sair. Abrimo-nas e instantaneamente queremos que elas fechem, quando não são como queríamos que fossem e nunca são. Tanta insegurança, tanto medo. Estamos aqui pensando no que vem depois e depois no que vem mais depois e depois e depois. Começamos uma música pelo refrão. E ninguém percebe que para a explosão acontecer, antes existiu um outro clima, uma preparação.

Joguem as cartas, as máscaras, as roupas, os celulares, as antenas, os sapatos. Tá vendo essa chuva que você está se esquivando? Não haverá mais nenhuma como ela. A vida é assim. Você pode até ensaiar e reproduzir aquilo que foi ensaiado, mas jamais fazer exatamente do mesmo jeito. É um fio de cabelo em outra posição, uma palavra a mais, um olhar diferente, um passo pra outra direção. Os momentos são outros. A mesma pessoa que acordou com você ontem é diferente daquela que acordou ao teu lado hoje. Mas você tem muitas outras coisas mais importantes para pensar, compreensível.

O que a gente tem, que faz com que recusemos ao oportunidades quando as mesmas brilham em nossa direção? O que é isso, que nos impede de sorrir a um sorriso perdido na rua quando o ritmo de nossos pés ultrapassam a velocidade permitida? O que é essa sede de tudo e que descarta o mesmo tudo? O que é isso que nos faz abraçar alguém querendo se despregar dos braços melosos logo em seguida? Que tipo de vida é essa? Ela passa, acena com a mão e esperamos o momento certo para alcançá-la. Que tipo somos nós?

Hoje não, estou cansada! Agora? Mas agora eu tenho coisas mais importantes para fazer. Pode ser mais tarde? Quem sabe amanhã, semana que vem, ano que vem, a próxima vida?

É isso o que você tem, o que você faz com o que tem? Desculpe, não há como apostar fichas no mais tarde. "A vida não é quantas vezes você respira, mas sim quantas vezes te tiraram o fôlego." - só que não se pode esquecer que pra te tirarem o ar, é preciso ter respirado.

A coisa mais difícil do mundo não é guardar segredo ou perdoar uma injúria. É, definitivamente, aproveitar o tempo, Franklin.


Nathália Moura

Curiosa nata, quer conhecer saturno, escrever um livro, fazer um café decente e conseguir que um girassol sobreviva em um apartamento..
Saiba como escrever na obvious.
version 3/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Nathália Moura