mudando algumas certezas de lugar

Acomode-se, vamos comemorar os nossos desastres. Aceita cookies?

Nathália Moura

Curiosa nata, quer conhecer saturno, escrever um livro, fazer um café decente e conseguir que um girassol sobreviva em um apartamento.

Só não perca fé no amor

Ele vai ser muitas vezes decepcionante, ele vai te machucar, saiba disso. Mas saiba principalmente que o importante não é a dor que lhe é causada, mas sim o que você faz dessa dor, as flores que planta e os sorrisos que doa. Não queira o amor, seja o amor.


12806012_955652457842297_1036504155694308304_n.jpg

É bastante difícil e complicado nos dias de hoje buscar o singelo, o verdadeiro, as coisas normalmente estão mal feitas, mal construídas e nós somos um resultado espalhafatoso de uma sociedade que já desaprendeu a amar.

Acabei de dar uma gargalhada gostosa daquelas que eu não dava há muito tempo, porque palavras me transbordavam, mas eram desordenadas. E há inclusive, tantos mundos desordenados dentro de peitos vazios, loucos para serem preenchidos. Eu sou uma louquinha assim e acredito que você também seja. O nosso problema, de fato é, buscar na vida e no mundo o que a gente só encontra dentro da gente.

A magia só vai acontecer se abrirmos as portas, as janelas, todas as entradas e deixar que ali habite o que há de melhor, sem esquecer do pior. Deixar que os passarinhos criem seus ninhos, que os beija-flores venham visitar as flores que você cultivou. Essa tua beleza, meu caro, ninguém te tira. Mas só o amor te traz. Amor além de tudo, a si mesmo, aos seus encantos, às suas fraquezas, à tudo que lhe pertence de fato.

Prepare o café, acenda os incensos, coloque a tua música pra tocar, agarre teu violão e aguarde a noite chegar. Cultive idas e vindas, nunca partidas. Cultive a loucura, a tua bagunça, os teus passos desajeitados, a chuva no meio-dia. Seja o que for, te encare no espelho e veja amor.

A gente fica o tempo inteiro atrás de alguém que encha nosso copo, que nos acompanhe nas noites frias e vazias, esquente os nossos pés, gargalhe das nossas piadas, nos aqueça, nos enlouqueça, nos cuide, nos ame. Queremos alguém que se preocupe, que se prontifique, que venha o tempo todo e deteste ir. Queremos de verdade, alguém que por descuido da vida, fique. E é difícil deixar ir, é difícil ter que juntar todos os seus pedacinhos e seguir o caminho sozinho, mais uma vez. Dói, eu sei.

E é por isso, ou por outros tantos tropeços da vida, que não devemos esperar o amor, ou perder a fé, tenhamos paciência, o mundo precisa um pouco mais de calma, cantarolando Lenine: “Enquanto o tempo acelera e pede pressa, eu me recuso, faço hora, vou na valsa. A vida é tão rara...” Perceba os momentos, os detalhes, respire e inspire. Olha só que lindo o raiar do dia!

Gosto de enxergar o amor minuciosamente e por que não, silenciosamente, em tais cantos da cidade, do estado, do país. Ele está ali, o tempo inteiro, nas pequenas e mais simples coisas. No olhar demorado, no abraço apertado, no café açucarado, no refrão de uma música preferida, na boca manchada de vinho, no céu rosa, nas espontaneidades, nos deslizes, na franqueza, no suspiro.

Eis a minha volta, eis todo o meu amor à quem louco como eu, nunca perdeu a fé na vida.


Nathália Moura

Curiosa nata, quer conhecer saturno, escrever um livro, fazer um café decente e conseguir que um girassol sobreviva em um apartamento..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Nathália Moura