muito além do óbvio

Sobre inquietudes, artes e algo mais...

Debora Delta

Atriz com um pé no cinema com um pé na escrita e com dois pés na vida.
Fã de Kubrick, Almodovar, Nelson Rodrigues e chocolate para adoçar tudo isso.
Apaixonada pelas inquietudes, pela mutação e por tudo que vai além do óbvio...

A loucura que nos cura.

Como já dizia Raul: A arte de ser louco é jamais cometer a loucura de ser um sujeito normal. Afinal, o que seria possível se deixássemos de acreditar no impossível? Há algo além de poético na insanidade dos loucos sobreviventes, algo necessário, que pode nos conduzir à verdades escondidas sobre cada um de nós ou ao menos à uma vida sem tantos pudores e mais prazeres. Eu escolho ficar, com certeza, maluco beleza.


Após alguns livros de autoajuda, filmes reflexivos misturados com Tarantino e Kubrick para apimentar, sessões de terapia com direito a porres de florais passando até por rituais esotéricos, é cabível a conclusão que escrever possa ser a melhor alternativa pra colocar uma cabeça insana um pouco nos eixos.

Colocar a cabeça nos eixos...de louco todo mundo tem um pouco? Não! Tem muita gente que não é nem um pouco maluca e isso não significa que são chatos ou enfadonhos, apenas que são pessoas normais. Talvez um pouco mais previsíveis, mas isso não é sinal de monotonia, na verdade isso não é nenhum sinal, até mesmo porque pessoas normais normalmente não acreditam nesse assunto esotérico/probabilístico.

Os loucos são vistos como mais criativos, mais aventureiros, aqueles que são capazes de pensar várias coisas ao mesmo tempo. Porém, nesse último caso, quando realmente é necessário focar em algo, as suas escolhas podem pesar para o seu interesse momentâneo, independente da importância ou relevância dos outros assuntos.

Desesperador? Certamente para os normais. Por exemplo, o local onde ele guardará a chave de casa é algo totalmente irrelevante comparado à música maravilhosa que começou a tocar e à tradução simultânea que se torna extremamente necessária naquele momento. Estar com a gasolina na reserva também é outro caso completamente banal comparado àquele amigo que entrou no carro e começou a contar sobre o ultimo livro interessantíssimo que leu. Aventuras? Viajar sem ter certeza do destino ou hospedagem e contar com os imprevistos para uma viagem muito mais instigante são metas traçadas no seu roteiro, quer dizer, se o roteiro existisse.

louca 01.jpg

E quebrando alguns clichês; o que também faz parte da boa insanidade; aqueles que se atraem na verdade são os semelhantes: todo louco tem um melhor amigo que o entende e que ainda é capaz de debater coisas incrivelmente interessantes no mesmo nível de insanidade!

É fato que em alguns momentos nós, loucos, até queríamos ser aquela pessoa prática, que tenta ter controle sobre tudo, que planeja milimetricamente o futuro e acredita unicamente na realidade. Mas o que seria dos sonhos? O que seria possível se deixássemos de acreditar no impossível?

A verdade é que para nós não há nada melhor que viver intensamente! Brindemos aos pequenos prazeres, a uma vida sem tantas regras e com mais espontaneidade. Além disso, dentro das histórias malucas que criamos e dos comportamentos no mínimo engraçados, podemos elaborar textos, escrever livros e viver sem tantos pudores. E convenhamos que às vezes dentro dessas “loucas” histórias, grandes verdades podem surgir, sobre os outros e principalmente sobre nós mesmos, algo que os normais com sua tão exata racionalidade, muitas vezes são incapazes de enxergar.

louco02.jpg


Debora Delta

Atriz com um pé no cinema com um pé na escrita e com dois pés na vida. Fã de Kubrick, Almodovar, Nelson Rodrigues e chocolate para adoçar tudo isso. Apaixonada pelas inquietudes, pela mutação e por tudo que vai além do óbvio... .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Debora Delta