my cup of tea

Olhares sobre a vida, encontros, significados, filosofia.

Adriana Borges

Ariana, idealista e aventureira. Curto a natureza e desbravar o mundo. Estou descobrindo o sentido da vida. Quero fazer muitas coisas mas ainda não encontrei tempo. Um dia quero perder o medo e pular de bungee jump!

Humanidade, amor e tecnologia - para onde vamos?

Os desafios da era da Comunicação e da Tecnologia estão em pauta, seja no mundo contemporâneo e flexível das relações corporativas e afetivas, seja nas demandas de grupos e organizações sociais. Todos clamam por mais relacionamento, mais atenção e diálogo, apesar da Internet, das redes sociais e de toda uma série de aplicativos que deveriam ampliar a comunicação. Será que estamos falando e sendo ouvidos de fato? Há tempo hábil para construirmos relacionamentos mais profundos? Estamos usando as tecnologias de uma maneira inteligente e equilibrada? Em um mundo cada vez mais acelerado e competitivo, é possível construir relações mais humanas, mais próximas e de qualidade? Há muito a ser feito e nós temos que fazer esse trabalho, resgatar valores, construir novas relações e práticas e separar sempre o joio do trigo.


paciência_para_ouvir_e_falar.jpg A sociedade está corrompida ou o amor foi mal entendido por todos? Porque a falta de amor, de entendimento nas relações, a carência, o abandono e a barbárie humana só aumentam. Apesar de vivermos cercados de tantas tecnologias e inovações, como a Internet e as redes sociais, que deveriam melhorar a comunicação e os relacionamentos entre as pessoas, empresas e governos, o ambiente social ainda é muito difícil e, muitas vezes, destrutível. É tanta notícia ruim, tanta disputa e ganância, preconceito social e de raça, falta de sensibilidade, de liberdade e de fé na vida! Eu falo de fé no sentido de acreditar na verdade, na justiça, na fraternidade, igualdade, bondade, união, bem comum, amizade, fortaleza, enfim, o nome disso tudo é Amor!

Ter fé é ter uma atitude positiva perante a vida. É renovar sempre a nossa fé em nós mesmos e no outro, apesar de tudo. Os desafios são imensos e não vamos conseguir sozinhos. Precisamos de um pensamento e de uma prática mais humana, principalmente porque vivemos em uma sociedade que se constrói o tempo todo em práticas desumanas. A exploração, a segregação, o racismo e discriminação social estão presentes ao longo da história da humanidade. Avançamos e retrocedemos. Damos um passo à frente e tantos outros atrás. Por um lado, o amor é um valor raro e caro e por outro não conseguimos nem ver onde está o amor.

Estamos amando apenas as coisas, os outros e as suas coisas, as coisas dos outros, mas nunca somente o outro. O outro que está despossuído de qualquer coisa não tem valor e direito ao amor. O outro precisa “ter “para “ser amado” ou odiado também. O amor às coisas não traz felicidade ou paz. Pelo contrário. Eu sempre ficarei correndo atrás das coisas novas que surgem, das novidades tecnológicas do capitalismo, dos novos smartphones e aplicativos, que não param para descansar e apreciar a vista. Você está sempre tirando fotos e postando sem ver de fato o que está a sua frente. O tempo hoje te controla porque tudo precisa ser reportado ao vivo e ai você não vive os seus melhores momentos. É tudo uma tremenda confusão e correria - parar e observar com tempo ou apenas consumir coisas que dão status para que você consiga mais aprovação, mais likes, e no fundo consiga o seu maior desejo - ser amado.

O mundo sempre viveu de aparências, a sociedade das aparências é antiga e controladora. Mas hoje vivemos na sociedade da imagem, daquilo que aparece na sua tela e, portanto, da aparência digital. Aparecer na tela é como dar atestado de existência. Eu posto, logo existo. Eu apareço e sou reconhecido como gente. Eu posso ser amado assim. E muita gente vive da ilusão de likes. A real proximidade, o relacionamento íntimo com alguém é algo bem mais profundo e complexo, que exige tempo, dedicação e compreensão de ambas as partes. Isso, exatamente isso, que tanto amamos, nós estamos perdendo.

Estamos nos distanciando uns dos outros. Pela falta de tempo deste mundo acelerado e competitivo, do capitalismo e do consumo frenético para ser visto e apreciado. E o que buscamos, o amor, ficou contraditoriamente mais difícil de ser concretizado. Há uma tela, uma invenção tecnológica entre a gente, e nós não nos tocamos mais, não nos olhamos olho no olho, não sentimos a respiração e o calor do toque do outro. Estamos como as máquinas robotizados, só levantamos o pescoço para cima e para baixo para checar o celular. Qualquer outra forma de expressão ficou ultrapassada, antiga! Se você não se atualiza de segundo a segundo está perdido.

Não precisamos ser viciados em tecnologia para sobreviver e o tempo que gastamos com ela, nos subtrai um tempo precioso para o amor. Não que você não deva jogar mais na Internet e conversar com seus amigos. Mas acredito que evitar um contato prolongado nas redes sociais, e a vontade de saber de tudo e acompanhar tudo em matéria de notícias e atualidades, já seja um bom caminho. Não dar conta de tudo é uma realidade. É melhor deixar pra lá, por um tempo. É preciso descansar da avalanche de informações, de conversas e de comentários que não fazem sentido. É preciso selecionar e muito o que vale a pena ler e refletir sobre. Quando começo a ler algo tóxico, envenenado, já saio correndo. Não dá para perder tempo com falta de amor.

Dizem que a gente precisa encontrar o amor, aquele dito “sentimento”, rotulado de encantador de gente e sedutor, mas que, na verdade, é a nossa grande fonte e ponte de conexão humana, é o que nos une e nos recompõe. A gente devia era resgatar este "amor maior" que existe dentro de todo mundo, porque faz falta sentir empatia, compaixão, gratidão, ser corajoso e vulnerável. Faz falta se colocar no lugar do outro e sentir como ele sente a sua dor. Faz falta ter coragem de falar dos nossos sentimentos verdadeiros e se expor, se abrir de verdade para o outro e para a vida. Faz falta ser quem somos de verdade. Faz falta a nossa verdade, o nosso sonho, a nossa luta pelo melhor. Um mundo sem amor de verdade, é um mundo sem sentido e sentidos. É um mundo perigoso e beligerante. Porque no lugar do amor estamos colocando o ódio! Não há como ser humano e não sentir nada.

frases-religiosas-de-amor.jpg

Há sempre tempo para apreciar e ser apreciado se você realmente pratica o amor desinteressado! Este amor que quer apenas ser olhado demoradamente, suavemente, quer ser ouvido atentamente e embalado! Ele não precisa de presentes caros, de jóias e coisas reais e concretas para ser expressado! Amar é olhar para o outro e vê-lo como realmente é, sem filtros, sem amarras, livre, dono de si. Se a gente ainda vai conseguir amar de verdade, eu não sei! Mas é preciso entender e se desvencilhar das correntes do nosso tempo, do uso e da dependência excessiva da tecnologia que dita as regras, e das aparências (imagens) que no fundo nunca dizem nada sobre quem somos e o que queremos.

Por mais modernos que aparentamos ser com nossos celulares em punho e atualizados, ainda somos antigos e sofredores. Ainda sofremos com os julgamentos alheios, com a falta de humanidade e de amor. E ainda sentimos que estamos sozinhos e precisamos do outro. Quem sabe para construir uma nova história, uma nova realidade. Então há uma chance. E como seres humanos no meio da jornada, há muitos caminhos, muitas encruzilhadas, oportunidades de mudança de rumo, de reencontro consigo. Sempre há uma porta a ser aberta, uma nova estória a ser contada.

Precisamos falar das nossas emoções, das nossas relações de amor, de amizade, de trabalho, na família, enfim, precisamos nos conectar mais profundamente conosco e com os outros. Mas precisamos muito mais de ouvir, ser bons ouvintes. É preciso deixar o outro falar de verdade e simplesmente ouvir – em uma escuta ativa, focada, interessada e amorosa. É preciso querer de verdade ouvir e entender o outro, as suas razões, motivações e sentimentos.

Precisamos ter tempo e um olhar ativo para o amor, para a prática amorosa em todas as suas formas de expressão – ouvir, falar, ver, sentir e tocar. O Amor anda carente de atenção, de olhares compassivos e carinhosos. Amar é se doar ao outro. Dar um beijo, um abraço, um colo e um ouvido!

Há muitas pessoas, escritores, estudiosos e pesquisadores falando sobre o mundo contemporâneo e as influências das novas tecnologias nas relações humanas na atualidade. Vale muito a pena ouvir e refletir sobre as visões de cada um. Segue abaixo alguns links para quem quiser mergulhar de cabeça.

https://www.youtube.com/watch?v=gr-WvA7uFDQ

https://www.youtube.com/watch?v=0PqWQl2AJpQ


Adriana Borges

Ariana, idealista e aventureira. Curto a natureza e desbravar o mundo. Estou descobrindo o sentido da vida. Quero fazer muitas coisas mas ainda não encontrei tempo. Um dia quero perder o medo e pular de bungee jump!.
Saiba como escrever na obvious.
version 6/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Adriana Borges