Natália Nodari

Autora do blog O Segundo Cu, Natália Nodari é uma letrista de 23 anos que gosta mais do dia dos professores do que do próprio aniversário.

Não leia se estiver almoçando: uma advertência de Zonas Úmidas, de Charlotte Roche

Você possui um bom motivo para deixar Zonas Úmidas embrulhar seu estômago.


capa.zonas.jpg

À primeira vista, pode parecer o enredo bizarro de um vídeo para adultos, mas é apenas o primeiro livro da alemã Charlotte Roche. Se você ainda não conhece Zonas Úmidas, aqui vai uma dica: não leia comendo aquele lanchinho da tarde.

Wetlends (ou Feuchtgebiete, no título original) é um best seller na Europa. E também é um romance erótico. Mas não se engane: a única semelhança entre Cinquenta Tons de Cinza e a obra de Charlotte Roche é o número de vendas.

A protagonista de Zonas Úmidas é a adolescente Helen Memel, internada em um hospital para operar uma enorme hemorroida inflamada. Sim, é dessa maneira que a história começa. Helen tem dezoito anos e acaba de provocar uma fissura em sua couve flor, apelido carinhoso do seu abcesso. Toda trama se desenvolve durante o seu período de pós-operatório.

É nesse hospital que a menina lembrará diversos momentos íntimos de sua vida. De fato, Helen consegue levar qualquer situação que consideraríamos nojenta ao extremo: para ela, não basta operar uma hemorroida inflamada em seu ânus, é preciso despejar o conteúdo recém-operado sobre a tampa da caixa de pizza. É necessário tocar, destrinchar os pedaços do abcesso sanguinolento... e depois lamber os dedos.

Nesse momento você deve estar se perguntando por que alguém leria um livro em que a protagonista bebe um balde de vômito da melhor amiga.

A resposta é o que torna a Charlotte uma escritora tão fabulosa. Ao mesmo tempo em que Zonas Úmidas nos conduz a viagem para o interior de Helen Memel, embarcamos em uma jornada ainda mais importante: para dentro de nós mesmos.

Charlotte Roche é a escritora que nos faz pensar sobre medos não julgávamos possuir.

Ao nos provocar a limpeza meticulosa de um ânus recém-operado, o romance nos mostra o número de reservas com que olhamos para nosso corpo. Ao colocar na boca tudo que é produzido por sua vagina, Memel nos faz refletir acerca das razões que fazem ser socialmente aceitável ter contato com esperma durante o ato sexual, mas extremamente nojento provar o próprio muco.

A verdade é que, ao exaltar todo tipo de secreção do seu corpo, Helen Memmel se torna o oposto de todos nós. Helen ri na cara das nossas inseguranças enquanto penetra cada vez mais fundo nas substâncias que compõem o seu próprio ser, e isso a torna tão sedutora para seus leitores.

É impossível negar que Zonas Úmidas é um romance capaz de embrulhar os estômagos mais fortes. Contudo, não se deixe enganar pelo aspecto nojentinho do livro. Zonas Úmidas é muito mais do que um “two girls, one cup” da literatura alemã. O primeiro romance de Charlotte Roche também é um convite para reflexão pessoal e uma corajosa provocação escrita com fezes e muco.

Da próxima vez que der aquela passadinha na livraria, lembre-se de Zonas Úmidas. E folheie com o nariz tampado.


Natália Nodari

Autora do blog O Segundo Cu, Natália Nodari é uma letrista de 23 anos que gosta mais do dia dos professores do que do próprio aniversário..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Natália Nodari