Hugo Dalmmon

O homem que compreende a sua ignorância, deu o primeiro passo ao conhecimento - Max Heindel

Editoras querem grana, maioria dos autores não tem

Se as editoras querem granas e a maioria dos autores não tem, com certeza tem uma correlação nisso.
O capitalismo e a criação de um abismo literário brasileiro.


Oi! Vamos tomar uma pílula de conhecimento, hoje? Você pode escolher não tomar e seguir sua vida normalmente. Ou, pode tomar e sair da Matrix...

Num é normal ler, por aí: "O Brasil não valoriza a leitura"

2012-03-28t051611z_98588621.jpg

Então, me acompanha nessa:

1 - As editoras são capitalistas, evidentemente. Portanto o preço dos impostos sobem o valor dos livros, as transportadoras usam isso como um argumento pra aumentar seus serviços. A editora usa como argumento o alto custo das transportadoras. E continuamos com livros literários (Alguns de autores em domínio público) saindo pelo valor de 40 à 50 reais.

capitalismo.jpg

2 - As editoras são capitalistas, evidentemente. Portanto elas trabalham sobre "demanda". Oferecem livros blockbusters (estrangeiros, na maioria das vezes) por um preço muito menor, por considerar que a quantidade de venda é lucrativa, nesse caso. Sabe quanto é um livro de um autor nacional, entre os célebres, inclusive? Gira entre 25 à 60 reais.

3- As editoras são capitalistas, evidentemente. Portanto elas investem publicidade apenas naquilo que já é conhecido, pois assim, o gasto com a publicidade que ela gerará será bem menor. Um exemplo, a minha editora tem um famoso ator da Globo e um dos roteiristas, de lá, também. Os livros deles, além de serem mais baratos (facilitando acesso) tem completo apoio publicitário. Esse dinheiro pra publicidade dos dois é gerado nos valores superfaturados dos autores não-famosos (25 à 60 reais), pois a família e os amigos dos autores não-famosos compram por esse preço de qualquer jeito. Mas isso aprisiona o autor não-famoso devido a dificuldade de acesso aos seus próprios livros.

4- A sociedade brasileira é capitalista, evidentemente. Portanto, pessoas não investem seu tempo em autores desconhecidos por eles não renderem peso, com seus nomes, nos argumentos e citações em discussões de bares, jantares e salões de festa. Assim, mesmo que o autor disponibilize seu material, gratuitamente, não há público, pois é importante pagar e fazer parecer que se pagou, nos eventos sociais. A ~natural~ relação de poder.

5- A sociedade brasileira é capitalista, evidentemente. Portanto, as pessoas não consomem autores brasileiros, que por sua vez, trabalham em empregos que, realmente, gera renda e escrevem por prazer, sem se preocupar em divulgar ou alcançar vendas, caindo no ostracismo intelectual, em que só uma parcela de pessoas, que julgam gozar da real capacidade para apreciar de um epíteto de boa literatura, é que consomem autores nacionais desconhecidos. E outros autores desistem da carreira.

6- As editoras são capitalistas, evidentemente. Portanto, para fazer parecer que apoiam a literatura nacional, elas seguem republicando autores em domínio público, pautada na ideia de preservar "boa literatura", quando na verdade, o fazem para que 100% do lucro seja da editora, sem divisão com o autor ou herdeiros.

download.jpg

7- As editoras são capitalistas, evidentemente. Portanto, fazendo esse processo de pouco investir em novos autores nacionais e de manter uma cortina de ferro para esses. Há uma contribuição para um leve atraso da consciência social brasileira. Levando em consideração que continuamos a reverberar, pela literatura nacional, conceitos de pelo menos 7 décadas atrás (tempo estimado necessário pra um autor cair em domínio público). Enquanto as leituras dos estrangeiros crescem no Brasil, mas não refletem a consciência do nosso país.

Pois bem, o Brasil não é uma entidade espiritual, mas uma consciência coletiva, então quando dizemos "O Brasil não valoriza a leitura" estamos falando de nós mesmos: #De nós que transformamos isso num mercado escroto e divulgador de estrangeiros.

#De nós que não lemos autores não-famosos por acreditar que eles não seriam boas citações cultas em mesas de bares.

#De nós que dizemos amar literatura, mas só lemos os clássicos literários pra parecer inteirado no assunto.

#De nós que rimos de pessoas que colocam escritor/autor na biografia da rede social, quando na verdade essa é a unica forma que essa pessoa tem de divulgar o trabalho dela.

#De nós que achamos que um escritor está flopado, porque ele deixou seu livro em download gratuito na internet, quando na verdade, ele simplesmente tirou esse "véu de Maya" e percebeu que não vale a pena ser sugado por editoras... E que o ostracismo seria vivido de qualquer forma.

É... "o Brasil não valoriza a leitura"


Hugo Dalmmon

O homem que compreende a sua ignorância, deu o primeiro passo ao conhecimento - Max Heindel.
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/literatura// @obvious, @obvioushp //Hugo Dalmmon