nÓs

e os laços

Taoana Aymone Padilha

Psicanalista e Atriz. Sensível e Pensativa. Tudo e nada. Decifra-me ou te devoro.

  • 171_59541efce3ba.jpg
    Maria e Juan: a dança imprevisível do acaso com o destino

    Maria Nieves e Juan Copes revolucionaram o tango. Foram os primeiros a levar a dança portenha para os palcos. Chegaram na avenida Corrientes, na Broadway. Brilharam no mundo.
    O gênio criador era Juan, é o que diz Maria. Fato é que o estilo Copes, nomeado segundo o sobrenome dele, foi inventado pelos dois, em seus 50 anos de arte compartilhada. Ela dançava rápido, ele, lento. Assim, criaram um novo ritmo, uma nova forma de dançar, de olhar, de tocar. Marcaram o tango com sua química explosiva.

  • 47f11e98db07d5f9d1e2fd50e4c9ad19.jpg
    Safo de Lesbos: sobre a origem lésbica

    Safo foi uma mulher desejosa que viveu 600 anos antes de Cristo. Amou homens e mulheres, ou seja, amou em sua complexidade e, por causa de suas paixões - a arte e a política - construiu um legado que, apesar das inúmeras tentativas, não se apagará. Pois os seus restos continuarão a nos impactar.

  • mexico.jpg
    VIVER MATA! LIDE COM ISSO

    Coma o que comer, beba o que beber, faça o que fizer, você não estará se protegendo da morte.
    Você estará escolhendo a sua forma de viver.
    Faça a sua escolha, e deixe que os outros façam a deles.
    Carpe diem!

  • casal_gay_abracados.jpg
    O AMOR DEVE SER REINVENTADO

    Amar é coragem. É lançar-se no abismo do Outro, aos incalculáveis enigmas da vida e da morte. Amar é também reconhecer o próprio desamparo. PrecisAR. Amar é acreditar que a vida, sob o prisma da diferença, pode ser mais bela e colorida. Mas não sem desafios e desilusões, pois amar é sim, lutar pelo que se ama.

  • frida-kahlo1-1024x761.jpg
    FRIDA KAHLO: a arte entre sangue e cores

    Magdalena Carmen Frida Kahlo y Calderón nasceu em 6 de julho de 1907, na Cidade do México. Mulher e latino-americana, eternizou-se na cultura humana como uma de suas mais brilhantes artistas.
    Criando, ela elaborou suas dores e frustrações, produzindo com os pincéis e as tintas um novo universo. Repleto de carga dramática, o seu mundo subjetivo projetado nas telas é visceral, intenso e colorido.

  • Water-Lily_Pond_1900_Claude_Monet_Boston_MFA.jpg
    Sobre a transitoriedade

    No texto ‘Sobre a transitoriedade’ Sigmund Freud conta que passeava pelos campos com um amigo e um poeta, enquanto contemplavam a beleza do ambiente. O poeta era perturbado pelo pensamento de que tamanho encanto findaria com o inverno; as flores murchariam e morreriam. O poeta constatava o que se passa, irremediavelmente, com todos nós.

  • milk_way.jpg
    Marina e os operários do silêncio

    Silêncio e tempo. Elementos escassos na atualidade, e por isso, extremamente valiosos. Tempo de silêncio.
    Tal é a proposta de Marina Abramovic, artista performática mais reconhecida do nosso planeta, em seu Método Abramovic, idealizado por ela e produzido pelo seu Instituto.

  • eros-e-psique-1341978497_org.jpg
    O amor é o avesso do ideal

    Amar dói pois o amor, na prática, é o avesso do ideal. Amar dói porque o amor remete-nos a nossa própria solidão. É só quando desejamos estar plenamente com o outro que nos damos conta de que não estamos plenos em lugar nenhum. É somente quando desejamos possuir verdadeiramente o outro que percebemos que não possuímos nem a nós mesmos. É apenas quando temos medo de perder o outro que reconhecemos que, em muitos aspectos, somos nós que estamos perdidos.