Alexandre Sá

Alexandre Sá geralmente é nerd e highlander, mas anda meio cansado de exercitar os músculos e resolveu escrever um folhetim. Os textos aqui podem ser banais e sem nenhuma responsabilidade. A frequência é relativa. A qualidade também.

Havia ali

Porrada maior, só quando a mãe morre. É como se o seu eixo de fixação a um legado qualquer tornasse-se instável. Depois que perde-se a mãe, a morte chega a parecer natural. A dos outros e a sua. O medo se esvai e, talvez, seja compreensível que o fluxo é contínuo, ligeiro, inevitável, como um boca aberta cheia de dentes.


situation-train-light-rail-railway-fog-mist-evening-night-trip-putishestviya-stones-dark.jpg

“Alô, alô, Marciano Aqui quem fala é da Terra Pra variar, estamos em guerra Você não imagina a loucura O ser humano ta na maior fissura porque tá cada vez mais down o high society” (Rita Lee/Roberto de Carvalho)

Dia de finados é sempre a mesma coisa. Chuva. Algum vento. Algo de fog. Alguma tristeza. Cemitérios lotados. Alguma hipocrisia. Alguma verdade. E é curioso perceber como o tempo muda as coisas, as tradições e as saudades. Quando era pequeno, lembro que este dia 02 de novembro trazia um peso inevitável ao ambiente. Não se ouvia música alta. Falava-se pouco e a alegria era algo a ser evitado. Sempre.

De uns tempos para cá, a impressão que tenho é que tal dia tem entrado na esfera do esquecimento, e inundado por nosso vício espetacular, trata-se apenas de mais um feriado onde a oportunidade de aproveitar o dia para algum descanso ou para viajar ou para não fazer nada, é o que importa. Obviamente não vejo problema nenhum nisso, já que naturalização da saudade é um devir capital. Será?

Sempre tive problemas com a morte. A primeira e mais potente, foi a de minha vó. Acordando no meio da noite com falta de ar. Eu lia Cartas na rua de Bukowski (autor que jamais ousei ler novamente por razões óbvias). A respiração ofegante no sofá como se clamasse por ajuda. Corro para pegar o balão de oxigênio que curiosamente, estava vazio. Daí pra frente era um corpo inerte e uma carne fria. Meu avô pede para que o coloquemos no sofá e a fé dele de que alguma coisa talvez mudasse se estende até o caixão enfeitado e o tanto de conversa que tem com ela, numa intimidade que talvez eu nunca tenha visto. A cena ali, junto aos meus 15 anos, foi porrada.

Porrada maior, só quando a mãe morre. É como se o seu eixo de fixação a um legado qualquer tornasse-se instável. Depois que perde-se a mãe, a morte chega a parecer natural. A dos outros e a sua. O medo se esvai e talvez seja compreensível que o fluxo é contínuo, ligeiro, inevitável e como um boca aberta cheia de dentes.

Para a psicanálise, a morte é a maior castração. Se no começo da vida há um sentimento de ameaça, a morte é a presença absoluta e inelutável da a(R)meaça do fim, ou melhor da finitude. Mas talvez seja sempre importante perguntar, que mal há nisso? Qual a grande questão do morrer? Ou pior, o que haveria de tão distante entre o viver e o morrer?

Em alguns poucos terreiros de candomblé, existe um ritual que, se bem feito e com todo o cuidado necessário, é inquestionavelmente lindo. Os mortos, ou melhor, os ancestrais, voltam a terra e fazendo-se valer do oco da vestimenta encantada que lhes é destinada, dançam, comemoram, trazem mensagens, brincam, apavoram e mostram que a morte é apenas o vazio inevitável com o qual teremos sempre que lidar.

Assisti uma festa dessas uma única vez. E apesar de uma angústia natural, percebi que estava diante de materialidades diferentes da possibilidade do existir. Se a vida é átomo e energia, o corpo talvez seja instrumento. Apenas isso. Naquele momento meu medo se foi. Como os lençóis que voavam no quintal da dona do terreiro, presentificando também os familiares desconhecidos de algum dos visitantes. A vida é vento. Talvez tenha sido isso que, de maneira Sísifo, me mostrou nos olhos a relatividade do tempo e da experiência.

Como tenho/tinha uma micro-família, acho sempre curiosa a metáfora do viver como um jogo do resta um. E apesar de uma ligeira angústia que surge quando precisamos dar um número de telefone para casos de emergência quando se faz o check-in de algum voo, a sensação que tenho é que viver e morrer são eixos paralelos de algum universo maior que ainda desconheço.

Geralmente, opto por não sair no dia de finados. Ontem, por um xeque-mate do destino, precisei passar grande parte do dia fora. Paradoxalmente, vinha de um seminário de psicanálise. Não tive medo. Não tive saudade. Não senti nada, exceto a sensação que o caminho de volta para casa também era relativo. E naquele instante, da mesma forma que agora, eu estava bem acompanhado e dedicando sempre tudo o que faço aos vivos e aos mortos. E pedindo humildemente me deem passagem e a justiça necessária para quem de fato, merece. A vida é foice.


Alexandre Sá

Alexandre Sá geralmente é nerd e highlander, mas anda meio cansado de exercitar os músculos e resolveu escrever um folhetim. Os textos aqui podem ser banais e sem nenhuma responsabilidade. A frequência é relativa. A qualidade também. .
Saiba como escrever na obvious.

deixe o seu comentário

Os comentários a este artigo são da exclusiva responsabilidade dos seus autores e não veiculam a opinião do autor do artigo sobre as matérias em questão.

comments powered by Disqus
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Alexandre Sá