o infinito é logo ali...

Escrever é como sonhar desperta...

Thiana Furtado

Escritora por paixão, aventureira por conexão, e admiradora de tudo que nos remeta a uma possível felicidade...
Insisto em acreditar na bondade que habita dentro de cada pessoa.
Acompanhem-me em minha página:
(https://www.facebook.com/amantesfecundosdotempo/)

Compreendendo a bondade como virtude edificadora

Todos sabemos que a bondade é uma virtude que nos torna fortes, que termos atributos edificantes, nos tornará exímios na arte de bem vivermos a vida.


dbd6ec_3f03632f1ca34598a7ab1cf905de5d7f.png

Como tudo na vida, podemos aprender a termos virtudes, como a empatia, a caridade, a bondade, a generosidade, o perdão e o zelo para com o outro.

Esses são, sem sombra de dúvidas, passes livres para a nossa libertação. Mas sabemos que existem também, em contrapartida e que reconhecemos como mau gênio, ou como aquisições que retiramos de nós, atributos que podem ser vistos por exemplo, como pessoas que muitas vezes pecaram pela ausência dessas qualidades, essas que podem ser facilmente aprendidas e educadas, através das experimentações no quadro social, que encontramo-nos inseridos.

Todos nós, retiramos da infância, meados do que muitas vezes julgamos como condenável ou como equivocado.

É preciso que burilemos todo o nosso conteúdo, muitas vezes exacerbado, para que possamos deixar escorrer dentro do filtro da vida, somente a nata de bons sentimentos, esses que existem e que guardamos em nossa alma, como tesouros que encontram-se em nossa casa interna.

É dificultoso olharmos para dentro de nós, e percebermos que existe ali, algo que pode ser condenado pela sociedade, essa que é tão criteriosa e tão necessariamente arbitrária em seus julgamentos.

Precisamos, mais do que nunca, olharmos para nosso espaço interior e avaliarmos o que guardamos como recompensa, de tudo aquilo que retiramos um dia de algum lugar e aplicarmos na casa de nossos sentidos.

Ponderemos os nossos defeitos, avaliemos as autocríticas, enaltecendo somente o que de alguma forma for proveitoso e que mereça ser comentado e refletido.

Não estou dizendo que devemos ocultar os nossos defeitos, é claro que precisamos olhar para eles e decidir cuidadosamente o que iremos fazer com tudo isso. É preciso que sejamos cautelosos com o que temos em nossas mãos, pois de alguma forma iremos transmitir ao mundo, o que nos vai na parte de dentro e o que temos afunilado em nosso ser real.

Se, ao olharmos para dentro só vermos coisas indignas, penso que estará na hora de procurarmos por ajuda.

Se o mundo não foi capaz de modificarmo-nos e mesmo assim tendo nós, percepções de que somos inadequados, resta-nos esperança. Se desejarmos intimamente alterarmos em nós o que for considerado vil, inescrupuloso, convém que possamos fazer algo pela situação apresentada e evidenciada.

Necessitamos então, urgentemente, burilarmos o nosso edifício inteiro e, como formigas trabalhando possamos buscar soluções ajuizadas sobre o que faremos conosco e com os nossos defeitos mais enraizados.

Poder perceber que somos distintos do que se almeja como sendo corretos e íntegros, é um primeiro passo rumo a uma autopercepção que deve cuidadosamente ser modificada.

Procurar ajuda profissional, é uma grande ferramenta que precisamos ter em nossas mãos, pois quando notarmos que precisaremos mudar, uma ajuda vinda de fora, pode ser elucidativa e realmente apresentar utilidade e serventia quando o nosso desejo vir brotado do incansável lado de dentro.

Saibamos que não existirá ninguém neste universo circundante, que não apresentará defeitos intrínsecos, pois todos nós somos, desde a mais tenra idade, colocados à provas muitas vezes duras, e que tendenciamos a agir de maneira muitas vezes equivocada, mas que somos impulsionados através de amargas experimentações, a movimentarmos as nossas falanges, onde o pêndulo muitas vezes girará no sentido oposto da rota que deveria estar indo para um lugar correto.

images (7).jpg

Nota-se, muitas vezes, o quão difícil é, para algumas pessoas, seguir um caminho construtivo. Muitas vezes, algumas pessoas destroem o que existe em seu interior, partindo rumo a verdadeiras guerras travadas em seu mundo psicológico.

Avaliar, observar, perseverar, obter critérios edificantes, é o que todos nós devemos fazer para termos boa saúde mental. Como disse um dia Renato Russo: “Ter bondade é ter coragem”, e ele está correto nessa afirmação, pois para sermos bons é preciso que tenhamos muita coragem e disciplina, mas é preciso sobretudo, que sejamos bons anteriormente conosco antes de partirmos rumo ao universo de terceiros.

Seja bondoso, mas cuide-se e ame-se em primeiro lugar e, só então após poder ser generoso consigo, é que poderá você gerar bons frutos na sociedade que encontra-se em evolução.

É preciso que aprendamos uns com os outros, devendo poder sempre somar e dividir, com tudo aquilo que temos nas mãos e que podemos oferecer ao outro.

Busque razões para ser e fazer-se feliz, pois será somente quando você for capaz de tornar este mundo um lugar melhor, que você será considerada uma pessoa íntegra e eficaz na luta que erradicará as verdadeiras mazelas sociais.

Supere-se, seja feliz com o que você tem em suas mãos, seja agradável, seja digno. Estamos todos aguardando você fazer o melhor que você puder fazer, para que você possa caminhar lado a lado com os demais. Sendo assim, o novo mundo que estamos almejando, tornar-se-á possível mas para que isso aconteça, basta que você faça a sua parte.

Reconheça-se, venha somar conosco, estamos esperando-te para que possamos caminhar juntos e fazer com que, cada vez mais, possamos todos unirmo-nos, formando a partir disso, um mundo onde as verdadeiras alegrias serão finalmente possíveis de se alcançar.


Thiana Furtado

Escritora por paixão, aventureira por conexão, e admiradora de tudo que nos remeta a uma possível felicidade... Insisto em acreditar na bondade que habita dentro de cada pessoa. Acompanhem-me em minha página: (https://www.facebook.com/amantesfecundosdotempo/).
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/recortes// @obvious, @obvioushp //Thiana Furtado