o zumbido coletivo

O zumbido inteligente que você ouve por aí, você lê por aqui!

Alexandre Ferreira

Servidor das letras, funcionário das palavras... ama escrever, escreve porque ama, vive porque escreve... aquele que respira a poesia das coisas cotidianas e procura diagramá-las em alfabeto.

Japão e o Minimalismo que é o máximo: como ser enorme com quase nada?

"Bebida é água! / Comida é pasto! / Você tem sede de que? / Você tem fome de que?" - Titãs.


1 - Armario_de_banheiro.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Outro dia eu ouvia Comida, clássico dos Titãs, e não foi preciso mais do que a primeira estrofe da música para que eu começasse a refletir:

“Bebida é água! Comida é pasto! Você tem sede de que? Você tem fome de que?...”

A essa altura, me peguei totalmente absorto, absolutamente pensativo sobre como seria a minha vida se não houvessem televisão, livros, eletrodomésticos e eletroeletrônicos, em geral. A única conclusão é a de que pasto e água são suficientes para estar vivo e eu pensando em muito mais do que o mais do que fútil!

Basta ver seriados apocalípticos...

Em tempo, apesar da reflexão filosófica profunda, dando por mim, é uma pergunta demasiado difícil de responder, especialmente quando você a formula escrevendo um texto diretamente do seu celular, enquanto ouve a sua música preferida por meio de um fone que está conectado nele, também!

2 - office-336368_1280.jpg Foto livremente extraída de pixabay.com/pt/.

Há vinte anos ninguém tinha celular, como é possível que ninguém viva sem ele nos dias atuais?

Mas você acredita que haja gente que viva sem nada? Que coma pasto e beba água?

Lembre-se do Náufrago, com o Tom Hanks... Aquilo é ser minimalista!

Para o bem da verdade, nascemos minimalistas e isso é inegável. Só temos mesmo o choro, inicialmente. A beleza da vida consiste justo nessa desnecessidade primitiva de coisas para sobrevivermos: Nus, obtendo alimento direto do seio da mamãe, quando muito, bebendo água. É assim até que adquiramos a noção de conforto e a ponhamos à frente da de necessidade, que é a mais básica.

Não à toa, nos últimos tempos, grupos de desavisados têm flertado cada vez mais com o resgate do conceito básico da necessidade, confrontando-o com o desafio abissal de vivermos com o estritamente necessário, distantes da ditadura imperialista do consumo sem freios, conforme nossos ancestrais viveram ao longo de milhões de anos.

3 - armario_com_poucas_pecas_de_roupa.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Hoje em dia, o minimalismo se afastou demasiadamente do status de conceito e passou a ser muito mais do que simplesmente um estilo de vida ou do que propriamente uma vertente artística. Se tornou algo grandioso por sua própria acepção muitíssimo simples – paradoxo - e suplantou o campo natural das teses, passando a integrar um conglomerado de ideias e tendências espalhadas por todos os campos da vida social, uma filosofia e um ideal, com padrões extremamente bem definidos e uma certa lógica e ética existenciais que beiram o insano, em meio a tanta modernidade: pouco é muito e muito é quase nada.

4 - Homem_deitado_em_ambiente_vazio.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Não te surpreende que o minimalismo ganhe força justamente no auge da era do capital, momento mais enfraquecido das esquerdas no mundo? Ou talvez, isso não seja a resistência se unificando?

Claro que a resposta a essa pergunta é muitíssimo óbvia. Evidentemente, não se trata de nenhum movimento de resistência ao capitalismo e à sua lógica imperativa de consumo, ainda mais por ser algo que não é necessariamente articulado, muito embora, ainda que não sendo conciso, detenha legiões importantes de adeptos no mundo.

5 - Mesa_vazia.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

A essa altura, chegamos ao Japão. País seguramente com mais minimalistas no mundo. Nesse sentido, te convido a conhecer o trabalho do fotógrafo da Agência Reuters, Thomas Peter em Less is Less (“Menos é Menos”), projeto no qual ele próprio foi a campo para registrar espaços da intimidade de alguns adeptos da cultura minimalista, muitos deles demonstrados ao longo desse texto.

6 - Banheiro_branco.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Conceitualmente, em uma sociedade milenar, cujos pilares econômicos estejam calcados firmemente na ideia de que sobreviver é parte de um plano maior do que expandir, e em cuja essência social, dividir quase sempre tenha sido uma necessidade moral muito influenciada pela cultura Budista, na qual simplicidade, equilíbrio e harmonia são inspirações para nos livrarmos dos bens desnecessários e termos uma vida mais pragmática e sem estresse, a própria tendência natural dos indivíduos é a da acomodação ao estado básico de sobrevivência.

7 - Mulher_em_casa_vazia.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Nunca é demais lembrar que o Japão desde sempre foi um solo muito mal localizado geograficamente, em uma ilha sujeita a todas as intempéries naturais do tempo, e cujo solo não tem qualquer riqueza, razão pela qual a agricultura nunca lhes foi uma prioridade e a pecuária acabou mal desenvolvida, o que os obrigou a buscar o mar como alternativa à fome e acabou baseando, inevitavelmente, a sua culinária quase que na totalidade em frutos do mar.

Conclusivamente, Esse conjunto de fatores antropológicos muitíssimo peculiares, praticamente determinou o jeito de ser desse povo, obrigando-os a se manterem primitivistas culturalmente. Mesmo depois da Segunda-guerra, após a devastação e o agravamento da situação do solo japonês, ainda diante de novos tempos, totalmente capitalistas e tecnológicos, boa parte dos japoneses se manteve firme no propósito de viver com o estritamente necessário.

Além do mais, enormes espaços vazios facilitam em muito a evacuação quando da ocorrência de grandes terremotos, muito frequentes no Japão, e diminuem sensivelmente o risco de ferimentos graves, outro fator que leva mesmo aqueles que não são adeptos da cultura minimalista, a terem menos artefatos em casa, na média, que a maioria dos outros habitantes dos países do mundo.

8 - Gaveta_com_poucos_utensilios_culinarios.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Tudo isso sem falar que os japoneses dão muito valor ao tempo. A ideia de perseguir obter posses não é natural e toma muito do nosso tempo, se não pensando em ter coisas, trabalhando para tê-las. O minimalismo é o veículo cultural com viés intimista que nos obriga a viver a vida, já que nada sem conteúdo fará parte do nosso cotidiano para nos dissuadir da percepção ampla do mundo.

Em estudos recentes da Universidade de Cambridge, publicados em abril de 2015 na conceituada revista The Scientist, antropólogos de várias regiões do mundo concluíram que os japoneses vivem em média com 35% menos bens materiais que a maioria dos habitantes do planeta e têm em torno de 47% mais adeptos da cultura minimalista na sua amplitude. Em outro estudo, esses mesmos pesquisadores relacionaram o Método de Arrumação Japonês chamado KonMari, que visa a descartar tudo que for inútil, com o sucesso de grandes empreendimentos multinacionais que o adotaram relativamente às administrações convencionais, e chegaram à conclusão de que mais da metade dos negócios convencionais não prosperaram por terem tentado se expandir sem terem a exata noção de seu tamanho, enquanto que entre os que se valeram da KonMari, quase 90% obteve crescimento significativo de receitas, mesmo entre os que não se expandiram.

9 - Pai_e_filha_em_sala_vazia.jpg Foto de Thomas Peter, Projeto Less is Less (“Menos é Menos”).

Hoje a Konmari é uma realidade no mundo e a filosofia administrativa japonesa é reconhecida como uma das mais eficientes, senão a mais eficiente, do mundo.

Não é à toa que o Japão tem uma das maiores economias do mundo, ainda que com tantos problemas severos nos seus domínios.

É que eles entenderam que bebida é água e comida é pasto... e comercializam somente o que têm: conhecimento.


Alexandre Ferreira

Servidor das letras, funcionário das palavras... ama escrever, escreve porque ama, vive porque escreve... aquele que respira a poesia das coisas cotidianas e procura diagramá-las em alfabeto..
Saiba como escrever na obvious.
version 2/s/design// @obvious, @obvioushp, @obvious_escolha_editor //Alexandre Ferreira
Site Meter