obra das palavras

Refletindo Cultura, Arte e o Comportamento

Dante Donatelli

Dante Donatelli - "Escolher modos de não agir foi sempre a atenção e o escrúpulo da minha vida" Bernardo Soares, citado por José Saramago em meio a reflexão sobre a poética de Fernando Pessoa.

A Infantilização da vida pública e os Idiotas Online

O mundo adultoscente Online e a idiotice que nela visceja


Começo pedindo desculpas por usar a palavra idiota, em verdade ela não é ofensiva, pois a tomamos em seu sentido morfológico, o significado da palavra, e aqui como um substantivo, derivada do grego, é de alguém que é leigo, provido de certa incapacidade para realizar uma determinada tarefa. Isto posto, minha preocupação é com o uso de algumas palavras, em especial nas redes sociais e que servem como chamariz de uma parte das pessoas para o plano político.

churchill.jpg

Há um grupo intitulado Revoltados Online e me incumbo somente da primeira palavra, revoltados. O léxico de palavras que usamos para nos comunicar estão compromissadas com o nosso lastro histórico e com o momento cultural em que vivemos, por exemplo, nos anos 1920 chamar alguém de parvo ou simplesmente usar exalar para referir-se a um odor eram corriqueiros. Hoje nem pensar, são palavras em desuso.

As palavras entram e saem da vida dos homens e da sociedade a medida que eles e os costumes vão se transformando, hoje somos muito menos formais que a quarenta anos atrás, chamar alguém por senhor/a é quase uma ofensa, o pronome você assumiu de vez entre nós como remetente ao outro, não importando ser ele o pai, a mãe, o chefe ou o professor.

O revoltado sempre foi para nós uma palavra infanto-juvenil, muito comum na vida privada e na escola para se tratar com crianças e jovens. O revoltado era aquele inconformado com o óbvio, a criança que chorava e fazia birra por não poder ficar debruçada em uma janela, ou a adolescente privada de fazer uma viagem com o namorado. Em ambas as situações, a criança e a adolescente acabavam tendo atitudes que na maioria das vezes se nominava como revoltada, - Sim! Ela ficou revoltada porque a proibi de voltar as duas horas da madrugada.

Adultos sempre se alcunharam de revolucionários exatamente pelo peso que tem a palavra, pois nos liga diretamente as instâncias transformadoras da vida social, política e da economia, foi assim com os revolucionários da Inglaterra no século XVII, com os franceses no XVIII e os russos no XX. Revolucionários tinham a maturidade da história para oferecer a sociedade um outro modelo, uma outra vida, mais justa e mais digna. Revolucionários são mais maduros e preparados do que revoltados.

Um grupo que se pretende político ao se denominar como revoltado não deixa de remeter a certa infantilidade, e ao ouvir – segue o link, ( http://ultimosegundo.ig.com.br/politica/2015-03-13/bolsonaro-e-o-mais-indicado-a-presidencia-diz-integrante-do-revoltados-online.html) os seus “líderes” tive a certeza de que eram os típicos representantes adultoscentes de nossa sociedade.

Com um linguajar primário, e repleto de palavrões e expressões agressivas me fez lembrar colegiais discursando sobre seus direitos e a opressão do mundo adulto. No que há de pior da adolescência e da infância estes adultos parecem em tudo um grupo de Revoltados de calças, e intelecto, curto. No estilo revoltado sem educação e sem noção, repetem, - somos agressivos, xingamos mesmo.

no stupid.jpg

Vou me ater apenas a uma fala destes líderes, nela eles chamam a presidente de vaca, que na nossa sociedade é uma expressão pesada e pejorativa e se refere a uma mulher fútil e vulgar. Qualquer pessoa adulta e razoável sabe que: na vida pública, no mundo do trabalho ou das simples relações sociais ocasionais entre o Eu e o Outro chamar alguém, seja por que razão de vaca, não conduz a um diálogo, mas sim a um confronto ou ao desprezo pelo ofendido, afinal como discutir com alguém que nos ofende?

Todo e qualquer adulto sabe que ao usar de um tom agressivo, de baixo calão ou ameaça tudo que se consegue é perder o emprego, um amigo, a namorada/o enfim, levar uns petelecos de um estranho na rua, nada pode nascer de uma relação na qual eu te ofendo ou agrido para ter a sua atenção ou fazer valer minhas opiniões e achismos. Adultos sabem disto, crianças e adolescentes não necessariamente sabem desta verdade.

O mais curioso é a justificativa para o uso do calão, “Ela disse (a presidente), nem que a vaca tussa! Como ela usou de um dito popular para exprimir e reforçar uma afirmação, eu torço o dito popular, e a palavra se transforma exatamente como fazem os adolescentes e mesmo as crianças, em uma outra coisa, neste caso, uma ofensa.

Entrando na página do Facebook o que se encontra é um libelo de discursos que beiram a infantilização da política, sim porque não se lê críticas como num lugar normal no qual se reúne a oposição, o que se lê é uma confusão de denúncias sem pé e nem cabeça com um linguajar que afastaria qualquer cidadão de bem, pois a profusão de palavrões, ofensas, agressões e achincalhe a terceiros é moeda corrente. Chegando ao ponto de publicarem fotos adulteradas para denegrir professores em greve no Paraná. Há de tudo um pouco para satisfazer um revoltado adultoscente.

Pois bem, quase um milhão de pessoas são seguidoras destes revoltados, e isso me faz ter uma certeza, a adultoscência, os adultos que se recusam a crescer e assumir seu papel de sujeitos na sociedade, parecem ter encontrado um porto seguro para suas inquietações mais primárias, mais toscas e infantis, por que? Porque tudo se resume não ao debate adulto e inteligente de ideias que possam transformar a sociedade e a vida política, temos, isto sim, um punhado de adultos idiotas pondo para fora o que de pior possa existir no ser humano, ódios e preconceitos de toda ordem mesclado com opiniões e certezas que beira o nazi-fascista. A senhora que é uma das lideranças gravou um vídeo no dia das eleições desancando com os pobres, os nordestinos e todo tipo de “gente diferenciada” para culpa-los pela derrota do seu candidato. É a idiotice levada ao máximo, a justificativa, “eu estava nervosa e revoltada.” Assim como um adolescente.

Como um bando de adolescentes, privados de sair mais cedo da sala por seu professor de português, todos querem a demissão do professor e alguns mais exaltados o fim das aulas de português, já que elas não servem para nada mesmo, e para isso xingam, esperneiam e fazem ameaças non sense o que demandaria da direção da escola, uma bela repreensão. Como bem dizem os bons pais e os bons educadores:” deixa prá lá, quando eles crescerem isso passa, pois se não passar, vão sofrer muito.”

passive-aggressive.jpg

Política se faz com um pouco mais de maturidade e inteligência, e não com palavrões e ofensas, por favor, tirem os idiotas da sala.


Dante Donatelli

Dante Donatelli - "Escolher modos de não agir foi sempre a atenção e o escrúpulo da minha vida" Bernardo Soares, citado por José Saramago em meio a reflexão sobre a poética de Fernando Pessoa..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Dante Donatelli