obra das palavras

Refletindo Cultura, Arte e o Comportamento

Dante Donatelli

Dante Donatelli - "Escolher modos de não agir foi sempre a atenção e o escrúpulo da minha vida" Bernardo Soares, citado por José Saramago em meio a reflexão sobre a poética de Fernando Pessoa.

Jair Bolsonaro, meu Deus!

Um resumo do que de melhor o conservadorismo produziu no Brasil nos últimos tempos, a partir de uma entrevista ao New York Times


A última pesquisa do DataFolha sobre uma eventual corrida presidencial trouxe o Deputado Jair Bolsonaro PSD (ex-PP) com 8% das intenções de voto, com a margem de erro de 3% fica entre 5% e 11%. Em entrevista ao jornal New York Times em março passado e disponibilizada a gravação no link https://www.youtube.com/watch?v=a-5HGY0fvLo, o deputado falou sobre os seus principais pontos, já como candidato a presidência.

Bolsonaro.jpg

Abaixo um pequeno apanhado as ideias inovadoras e vanguardistas de Bolsonaro:

1-A ditadura 1964-1984 foi um momento paradisíaco do BRasil. Os níveis de qualidade da educação e da saúde eram excelentes, os governos civis é que destruíram a ambos os serviços. O conhecimento histórico do candidato é pífio, só a título de exemplo, a lei 5692/71 promulgada pelo General Médici em 1971, consumou a derrocada da escola pública. A dívida externa se multiplicou por dez e a inflação chegou a 30% a mês, é este o paraíso. Noves fora a combinação entre censura e suspensão do estado de direito.

2- Tortura e métodos policiais: Bolsonaro comparou a morte de Vladmir Herzog nas dependências do Doi-Codi nos anos 1970 a de um pedófilo em uma cadeia comum, é normal, no dizer do deputado, alguém com mais de 1:70 se suicidar em um 1:50 de altura. E esse negócio de pensar que a polícia não pode dar uma coagida no preso é coisa de idiota. Polícia precisa ter autoridade. Em tese pode e deve matar.

3- Sistema de Cotas: é uma bobagem, coisa de PT e esquerdista, não perpassa o discurso do candidato o processo histórico, fica subentendido que há uma democracia racial no Brasil e que todos somos rigorosamente iguais, cotas e outras ações compensatórias são obra de uma visão distorcida e histórica do país que apenas promovem a luta de classes. No fundo ele reafirma a certeza de que não o racismo é uma abstração das esquerdas, e a escravidão,de 400 anos, um detalhe histórico.

4- Política Externa: os EUA é o lugar da nossa referência, a América Latina deverá ser posta em seu lugar, o Mercosul revisto, nosso lugar é ao lado dos norte-americanos. Israel outra referência a ser trazida para o nosso lado. Os conhecimentos de história e geografia do candidato/deputado são pífios. Ele alguma vezes perguntou aos americanos que tipo de aproximação desejam conosco?

5- Mulheres: quanto a afirmação: “Você não merece ser estuprada” proferida contra a deputada Maria do Rosário, foi na empolgação do debate, entre um riso irônico e outro, só foi dito porque a referida deputada defende estupradores e criminosos, e assim, não teve jeito, o melhor argumento foi coloca-la no seu devido lugar. No que tange a afirmação que mulher deve ganhar menos que os homens, seja porque fica grávida ou menstrua, isso é um exagero, eu apenas confirmei o que há no mercado, mulher ganha menos mesmo, disse o deputado.

6- Direitos Humanos: isso é uma balela da esquerda, preso foi feito para sofrer, e não foi dito, mas se puder matar, mata. O caso simbólico do garoto negro desnudo e acorrentando em posto no Rio é exemplar, por que não fazer? Vagabundo precisa mais disso mesmo, não defende direito algum para esta corja e se puder fará sofrer mais com penas maiores, quiçá, a pena de morte, não está explícito na fala, mas pelo conjunto da obra.

7- Garantias individuais: o porte de arma é uma exigência da vida moderna, em um momento de lucidez e sacada histórica, disse, se aqueles garotos na Noruega tivessem uma arma nas mãos aquela tragédia ( o atentado perpetrado por um maluco neonazista em Oslo e contra um grupo de jovens ligado ao Partido Social Democrata Norueguês) não ocorreria, assim como fazer como em algumas escolas norte-americanas, professores armados em sala de aula, e pergunta o deputado, quem vai mexer com esse professor? Eu, disse o deputado candidato, faria o mesmo aqui no Brasil. Outro ponto, um programa público, gratuito e extensivo de esterilização de homens e mulheres, não fica claro em que condições se daria tal programa voltado aos pobres. Rígido controle de natalidade para os pobres. Acaba-se com a pobreza evitando que o pobre nasça. Se isso não é coisa de neofascista é o que?

8- Refugiados políticos de guerra: haitiano? Sírio? Os níveis de desconfiança, em nome da saúde pública(??), quanto aos haitianos e a segurança nacional, quanto aos sírios, é grande, fica sublinear no discurso a aversão a esta política brasileira, que deverá ser revista.

9- No plano econômico: nada é muito claro, mas certo é que programas sociais irão desaparecer. Câmbio, privatizações, reforma fiscal não estão claros os projetos do candidato, tudo ainda é confuso e obscuro. A tomar 1964 como base, iremos estatizar tudo novamente, os militares criaram em vinte anos de ditadura mais de cem (!!!) estatais.

10- Em temas gerais disse com todas as letras, a constituição brasileira é imbecil, o governo do PT é canalha, o MST é uma corja de bandidos, tanto que eu, Bolsonaro presidente darei metralhadoras e fuzis nas mãos dos proprietários rurais. Sobre drogas é simples, nunca se deve pensar em legalização, a discussão já parece, aos seus olhos descabida. Porrada e mais porrada, simples assim.

11- Gays e Família: no mundo do deputado são duas coisas incompatíveis, várias vezes ele voltou ao tema, e a sua justificativa sempre é o material didático do MEC, sem, contudo, deixar entrever sua repulsa pelos LGTB. A família, esta abstração religiosa-social é defendida e louvada, sua defesa é bandeira do tipo integralista, no mais sincero conservadorismo. Família só tem uma e não há o que negociar.

ditadura-bolsonaro.jpg

Esta fala está contida na esfera de uma entrevista a um jornalista estrangeiro, por conseguinte muito, mas muito do que desejaria falar o candidato ficou subentendido ou não dito, cabendo apenas a nós deduzir o que possa haver demais nas intenções do deputado ou compor com outras falas sua, como ele é dado aos arroubos, fica fácil ouvi-lo dizer asneiras de todo tipo, a principal delas que a democracia não serve para o Brasil. O que faria ele presidente, instalaria uma ditadura? Fecharia o congresso, o supremo?

Jair Bolsonaro é confessamente autoritário, tosco e ignorante. No que possa haver de herança histórica e antropológica seu mundo é binário, certo-errado, homem-mulher, justo-injusto, verdade-mentira, céu-inferno, etc... , no qual a força cumpre papel mais relevante, do que a razão e a palavra. E mesmo a palavra quando exigida em um momento de debate se vê constrangida pela mediocridade, ensejando estupro, desprezando o papel das mulheres no mercado, satanizando os não heterossexuais no limite entre o deboche e o calão.

Para uma gama de 8% da população brasileira, com forte tendência nazifascista, é ele o candidato ideal, não faltará medida de força e uma severa repressão a grupos minoritários ou reivindicatórios do país. Um clima de terror será parte das nossas vidas, é evidente que a massa eleitoral ao seu redor é desforme, desinformada, preconceituosa e crente que a força é parte da política e não o diálogo. Alguém que autorize e legitime tal ação reforça a sua condição de líder e os atos de barbárie.

A boçalidade e ignorância do deputado são notórias, alguns argumentos são risíveis, as justificativas acerca da morte de Herzog e a comparação com um pedófilo é infamante, isso é o que ele se permitiu falar, se fosse para ser sincero de verdade, seria bem pior, bem mais assustador.

Meu Deus! Agora que o deputado se aninhou ao lado da corja mais atrasada e leniente dos evangélicos, seremos coroados com um festival de imbecilidades, agressões, ameaças e despautérios no qual a vida humana, o respeito aos mais elementares dos direitos individuais serão atacados, e se possível, solapados em nome de um conservadorismo doentio. Serão dois anos de uma campanha feroz pondo à mostra o que de pior a espécie humana pode produzir, irá sobrar para todos os setores da sociedade, será vexatório e assustador, com seguidores de estirpe nazifascista, Bolsonaro irá atacar a todos, amparado no sangue de Jesus, o salvador, ungido por pastores do naipe de Marcos Feliciano, Malafaias e outros que tais, viveremos nos próximos dois anos um show de horror e vergonha.


Dante Donatelli

Dante Donatelli - "Escolher modos de não agir foi sempre a atenção e o escrúpulo da minha vida" Bernardo Soares, citado por José Saramago em meio a reflexão sobre a poética de Fernando Pessoa..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @obvious //Dante Donatelli