Francisco Ladeira

Mestrando em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei; Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); articulista do Observatório da Imprensa e professor.

Agosto, mês do desgosto?

Ao contrário do promulgado pelo senso comum, agosto não é, definitivamente, o mês do desgosto. Como o mês está tradicionalmente associado ao azar, as pessoas tendem a lembrar com maior ênfase dos fatos negativos. Ou seja, podem ocorrer trinta dias bons e um ruim em agosto, mas o pior dia será sempre o mais lembrado.


Agosto_(minissérie).jpg

Diz o dito popular que agosto é o mês do desgosto. De acordo com os historiadores, esta superstição começou com os romanos, durante a Idade Antiga. Segundo uma crendice da época, no mês de agosto um grande dragão cruzava o céu de Roma expelindo fogo pelas ventas.

Já uma lenda cristã diz que 24 de agosto é o “Dia do Diabo”, data em que as portas do inferno estariam abertas. Segundo uma tradição portuguesa, não era aconselhável às mulheres casar no oitavo mês do calendário, porque nesse período os navios das expedições colonizadoras saíam à procura de novas terras. Assim, casar em agosto poderia significar solidão ou até enviuvar. Portanto, “casamento em agosto, casamento de desgosto”. Na Argentina não é recomendável lavar a cabeça em agosto, sob o risco de estar chamando a morte. No país vizinho, por causa do frio e das intensas ventanias, o oitavo mês é associado à aparições de assombrações que arrastam correntes.

Realmente, para o deleite dos supersticiosos, muitos fatos negativos, como o início dos conflitos entre católicos e protestantes na França (Noite de São Bartolomeu), a erupção dos vulcões Vesúvio e Krakatoa (que mataram milhares de pessoas) e o lançamento das bombas atômicas em Hiroshima e Nagasaki ocorreram no mês de agosto. Na História do Brasil, agosto está associado ao suicídio do ex-presidente Getúlio Vargas.

bomba.jpg

Por outro lado, importantes acontecimentos, como a aprovação da Declaração dos Direitos Humanos (durante a Revolução Francesa), a fundação da Cruz Vermelha e a Marcha sobre Washington por Trabalho e Liberdade (marco na luta pelos direitos civis dos negros estadunidenses) também ocorreram em agosto. Nada mau para um mês considerado de má sorte por muitos.

Em suma, ao contrário do promulgado pelo senso comum, agosto não é, definitivamente, o mês do desgosto. Como o mês está tradicionalmente associado ao azar, as pessoas tendem a lembrar com maior ênfase dos fatos negativos. Ou seja, podem ocorrer trinta dias bons e um ruim em agosto, mas o pior dia será sempre o mais lembrado. Em contrapartida, na Alemanha, agosto (principalmente as sextas-feiras) é o mês preferido para os noivos marcarem seus casamentos.

Sendo assim, o dito popular “agosto é o mês do desgosto”, como toda forma de superstição, não possui respaldo na realidade. Portanto, maniqueísmos à parte, agosto é um mês como qualquer outro, nem melhor nem pior.


Francisco Ladeira

Mestrando em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei; Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); articulista do Observatório da Imprensa e professor. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/recortes// @destaque, @hplounge, @obvious, @obvioushp //Francisco Ladeira
Site Meter