Francisco Fernandes Ladeira

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei; Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); articulista do Observatório da Imprensa e professor do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) - Campus Vitória. Autor (em parceria com Vicente de Paula Leão) do livro A influência dos discursos geopolíticos da mídia no ensino de Geografia: práticas pedagógicas e imaginários discentes, publicado pela editora CRV.

Sobre a prisão de Temer

Não há o que comemorar com a prisão de Temer, nenhuma ação da Lava Jato é positiva para o país e a esquerda, mais uma vez, mordeu a isca lançada pela direita.


xtemercapa.jpg.pagespeed.ic.cpppvvWNPr.jpg

Na terça-feira (21/3), o Brasil foi surpreendido (ou nem tanto) pela prisão de Michel Temer, em mais uma manobra midiática da golpista Operação Lava Jato, um dos principais mecanismos utilizado pelo imperialismo para ter acesso privilegiado aos recursos naturais brasileiros, sobretudo o petróleo.

Como era de se esperar, a prisão de Temer já estava no script da midiática Lava Jato, era somente uma questão de esperar a melhor oportunidade.

A direita, moralista como sempre, comemorou mais essa ação da trupe da República de Curitiba. Boa parte da esquerda, também ingênua como sempre, ficou à reboque da direita e vibrou com a prisão do ex-presidente interino. Mas, o que está por trás de mais essa investida da Lava-Jato?

O primeiro, e mais óbvio objetivo, é a tentativa de demonstração de força, principalmente se formos levar em consideração que o também golpista STF resolveu colocar um freio nos desmandos da turma de Curitiba.

O segundo motivo, que faz a festa da coxinhada, é transformar a prisão de Temer em um artifício para escamotear a perseguição política sofrida por Lula.

Daí, o coxinha mais aloprado vai dizer: "Tá vendo, a Lava Jato é 'apartidária', outro ex-presidente também foi preso".

O mesmo argumento foi utilizada nas prisões de Cunha e outros golpistas usados como "laranjas".

São os chamados "idiotas úteis", necessários para a concretização do golpe, descartados logo depois. Carlos Lacerda desempenhou o mesmo papel em 1964.

54433058_3074592149221445_1725908629095186432_n (2).jpg

Por fim, o terceiro objetivo de mais um espetáculo midiático da Lava Jato é pautar a agenda pública nacional,isto é, servir como cortina de fumaça para a política de terra-arrasada do governo Bolsonaro, sobretudo desviar o foco da grande maldade: a Reforma da Previdência.

Em suma, não há o que comemorar com a prisão de Temer, nenhuma ação da Lava Jato é positiva para o país e a esquerda, mais uma vez, mordeu a isca lançada pela direita.


Francisco Fernandes Ladeira

Mestre em Geografia pela Universidade Federal de São João del-Rei; Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); articulista do Observatório da Imprensa e professor do Instituto Federal do Espírito Santo (IFES) - Campus Vitória. Autor (em parceria com Vicente de Paula Leão) do livro A influência dos discursos geopolíticos da mídia no ensino de Geografia: práticas pedagógicas e imaginários discentes, publicado pela editora CRV..
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Francisco Fernandes Ladeira