Francisco Fernandes Ladeira

Mestre e doutorando em Geografia. Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade. Articulista do Observatório da Imprensa. Autor de três livros.

Covid-19 no Brasil: a tempestade perfeita

No Brasil, o novo coronavírus encontrou um terreno fértil para sua propagação: presidente negacionista, aglomerações e sistema de saúde pública sucateado pelas políticas neoliberais.


bozo aglmerações.jpg

Nos primeiros meses de 2020, os principais telejornais brasileiros exibiram imagens estarrecedoras vindas da China e da Itália sobre as consequências da Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Como vivemos a chamada “globalização” – marcada, sobretudo, pela grande circulação de pessoas e mercadorias em âmbito planetário – era praticamente inevitável que o temível vírus também chegasse ao nosso país. Portanto, tivemos tempo suficiente para melhor nos preparamos para enfrentar essa desconhecida moléstia.

Infelizmente, não foi o que aconteceu. No Brasil, o coronavírus encontrou o que podemos qualificar de “tempestade perfeita” – expressão que se refere à uma situação na qual um evento, em geral não favorável, é drasticamente agravado pela ocorrência de uma rara combinação de circunstâncias, transformando-se em um desastre de imensa proporção.

Nossa “tempestade perfeita” tem como protagonista a autoridade máxima do país, o presidente da República. Desde a chegada da pandemia de Covid-19 por aqui, Jair Bolsonaro tem atuado em favor do vírus: nega a gravidade da doença, critica medidas de isolamento social, faz propaganda de um tratamento precoce sem nenhum tipo de comprovação científica, estimula aglomerações e sabota a vacinação.

Já as atuações de governadores e prefeitos, salvo honrosas exceções, ficaram mais no campo discursivo do que propriamente surtiram efeitos positivos. Quando tiveram que optar entre os poderosos interesses econômicos e as medidas sanitárias para evitar a propagação do coronavírus, não titubearam em aderir à primeira posição. Abertura do comércio no auge das contaminações, volta às aulas presenciais e lockdowns inócuos (aos finais de semana ou às madrugadas) são exemplos de que o capital ainda fala mais alto do que a saúde.

Além da incompetência do poder público, há os chamados “negacionistas”, que contribuem substancialmente para a proliferação da Covid-19, seja compartilhando fake news nas redes sociais, seja se aglomerando em festas clandestinas país afora. Não por acaso, nas semanas posteriores às grandes comemorações, como réveillon ou carnaval, o número de contaminados cresce vertiginosamente.

Para completar a “tempestade perfeita”, não há como deixar de mencionar o colapso do sistema público de saúde, consequência da nefasta agenda neoliberal, que visa, principalmente, à privatização do SUS, transformando o direito à vida em mais uma mercadoria, acessível somente a quem possui recursos suficientes para bancar.

E assim, enquanto países com situações econômicas similares ao nosso têm apresentado resultados positivos no enfrentamento à Covid-19, permanecemos quebrando recordes de médias semanais de contaminações e óbitos.

Tradicionalmente, o Brasil é conhecido pela receptividade aos forasteiros. Se tivesse a oportunidade de optar por um país para “crescer e se multiplicar”, o novo coronavírus não teria dúvidas, escolheria o “acolhedor” Brasil. Seria cômico, se não fosse trágico.


Francisco Fernandes Ladeira

Mestre e doutorando em Geografia. Especialista em Ciências Humanas: Brasil, Estado e Sociedade. Articulista do Observatório da Imprensa. Autor de três livros. .
Saiba como escrever na obvious.
version 1/s/sociedade// @obvious, @obvioushp //Francisco Fernandes Ladeira